Semana de Oração pena Unidade dos Cristãos

Dom Manoel João Francisco
Bispo de Cornélio Procópio

 

No próximo domingo, além de celebrarmos a solenidade da Ascensão do Senhor, vamos também iniciar a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Fui entrevistado a respeito deste assunto. Vou aproveitar as respostas que dei e partilhá-las com meus irmãos leitores neste nosso encontro semanal.

1 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos vai acontecer do dia 02 de junho até o dia 09, solenidade de Pentecostes. O Senhor poderia discorrer um pouco sobre o tema deste ano?

R – O tema da Semana de Oração pela Unidade Cristã deste ano é: “Procurarás a Justiça, nada além da Justiça” (Dt 16,18-20). Foi escolhido pelas Igrejas da Indonésia preocupadas com o crescimento econômico de seu país, que se desenvolveu animado pela lógica da concorrência, deixando muitos na pobreza extrema e permitindo o enriquecimento exagerado de apenas alguns.

No hemisfério Norte, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos acontece do dia 18 de janeiro, festa da Cátedra de São Pedro e vai até o dia 25, festa da Conversão de São Paulo. Neste ano, na celebração de abertura, na Basílica de São Paulo fora dos Muros, o Papa Francisco, referindo-se ao tema assim se expressou: “Isto não se aplica só à Indonésia. Deparamo-nos com a mesma situação no resto do mundo. Quando a sociedade deixa de ter como fundamento o princípio da solidariedade e do bem comum, assistimos ao escândalo de pessoas que vivem em extrema pobreza ao lado de arranha-céus, hotéis imponentes e centr os comerciais luxuosos, símbolos de incrível riqueza. Esquecemo-nos da sabedoria da lei mosaica, segundo a qual, se a riqueza não for partilhada, a sociedade divide-se”. Continuando sua reflexão, o Papa afirma: “Também entre nós, cristãos, existe o risco de prevalecer a lógica conhecida pelos israelitas dos tempos antigos e pelo povo indonésio nos dias de hoje, ou seja, tentando acumular riqueza, esquecemo-nos dos vulneráveis e dos necessitados. É fácil esquecer a igualdade fundamental que existe entre nós. (…). Para realizar os primeiros passos rumo à terra prometida que é a nossa unidade, devemos, em primeiro lugar, reconhecer humildemente que as bênçãos recebidas não são nossas por direito, mas por dádiva, tendo-nos sido concedidas para partilharmos com os outros. Em segundo lugar, devemos reconhecer o valor da gra ça concedida as outras comunidades cristãs. Consequentemente será nosso desejo participar nos dons dos outros. Um povo cristão, renovado e enriquecido por esta troca de dons, será um povo capaz de caminhar, com passo firme e confiante, pelo caminho que leva à unidade”.

2 – Temos presenciado notícias de violência que os cristãos têm enfrentado no mundo todo por intolerância religiosa. Frente a isso, como os cristãos devem estar unidos e qual a importância de estarem unidos para se combater a violência?

R – De fato, nos últimos tempos, as Igrejas cristãs estão ameaçadas pela intolerância religiosa e vitimadas por crescente perseguição. Na opinião do Papa Francisco, os mártires de hoje são mais numerosos do que os mártires no início da Igreja. Esta não é uma afirmação de efeito. O Papa assim se expressa porque tem dados concretos.
Em 2013, o Centro para a Liberdade Religiosa do Instituto Hudson publicou um texto intitulado: “Perseguidos. O Ataque global aos Cristãos”. Neste texto afirma-se que: “Os Cristãos são o grupo religioso mais amplamente perseguido no mundo de hoje. E essa terrível tendência está em ascensão”. Segundo uma estimativa feita pela Conferência dos Bispos Católicos da Comunidade Europeia, 75% dos atos de intolerância religiosa são direcionados aos cristãos.

Na Nigéria, mais de uma centena de fiéis foi morta em bombardeios a igrejas no Natal de 2011. O Iraque viu pelo menos setenta bombardeios a igrejas em oito anos. Na Arábia Saudita, o Grande Mufti, maior autoridade religiosa do país, declarou que é “necessário destruir todas as igrejas da região”.
Estatísticas recentes do Pew Research Center dizem que o mundo é um lugar cada vez mais religioso. Mas também é um lugar cada vez mais intolerante com os cristãos. Em 2/3 dos países do mundo, também de acordo com o mesmo Centro de Pesquisa, a perseguição piorou nos últimos anos.

Não pensemos que martírios acontecem somente em países, onde os cristãos são minorias. Também em países majoritariamente cristãos existem mártires. É o caso do Brasil, onde os mártires são vítimas de outros cristãos.
Diante desta situação, a proposta de unidade entre os cristãos e de diálogo com as religiões não cristãs é de fundamental importância. Hans Küng, um dos maiores teólogos do século XX, é de opinião que “não é possível a paz entre os povos sem a paz entre as grandes religiões do mundo! E não há paz entre as grandes religiões sem a paz entre as Igrejas cristãs. O ecumenismo entre as Igrejas é parte integrante do ecumenismo mundial: o ecumenismoad intra, no âmbito da cristandade, e o ecumenismo ad extra, orientado para toda a terra habitada são interdependentes”.

Um gesto concreto neste sentido aconteceu em Abu Dabhi, no dia 04 de fevereiro último, quando Papa Francisco e o Grão Imame de Al-Azhar, Ahmed Al-Tayyeb assinaram um Documento sobre A Fraternidade Humana em prol da Paz Mundial e da convivência comum. Os signatários concluem a Declaração com este apelo: “Almejamos que esta Declaração seja: um convite à reconciliação e à fraternidade entre todos os crentes, mais ainda, entre os crentes e os não-crentes, e entre todas as pessoas de boa vontade; um apelo a toda consciência viva, que repudia a violência aberrante e o extremismo cego, e a quem ama os valores da tolerância e da fraternidade, pr omovidos e encorajados pelas religiões; um testemunho da grandeza da fé em Deus, que une os corações divididos e eleva a alma humana; um símbolo do abraço entre o Oriente e o Ocidente, entre o Norte e o Sul e entre todos aqueles que acreditam que Deus nos criou para nos conhecermos, cooperarmos entre nós e vivermos como irmãos que se amam. Isto é o que esperamos e tentaremos realizar a fim de alcançar uma paz universal de que gozem todos os homens nesta vida”.

Nosso compromisso com unidade dos cristãos cresce ainda mais quando vemos que o Espírito de Deus já está suscitando mártires dentro das várias Igrejas, fenômeno cunhado pelo Papa Francisco com a expressão “Ecumenismo de Sangue”. No ano de 2015, na celebração de encerramento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, o Papa Francisco assim se expressou: “Neste momento de oração pela unidade, gostaria de recordar os nossos mártires hoje. Eles dão testemunho de Jesus Cristo e são perseguidos e mortos, porque são cristãos, sem fazer distinção, por parte dos perseguidores, da confissão a que pert encem: são cristãos e por isso são perseguidos. Este é, irmãos e irmãs, o ecumenismo de sangue”.

 

O post Semana de Oração pena Unidade dos Cristãos apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.