Ressurreição: uma resposta à impossibilidade humana

Dom Lindomar Rocha Mota
Bispo de São Luís de Montes Belos (GO)

A narrativa da Páscoa tem início quando a fraqueza humana é corrigida na esperança nova de Cristo. Ao se dirigirem para o túmulo, as mulheres que haviam comprado perfume para ungir o corpo de Jesus se depararam com uma impossibilidade, e exclamaram: “Quem vai remover a pedra da entrada do túmulo”? (Mc 16,3).

Era uma grande pedra, e, com sua imensidão, impedia aquelas que ali chegaram primeiro de realizar a sua missão. Aquelas que haviam desafiado a dor e o sofrimento para cumprir as suas obrigações, ainda que com corações dilacerados pela morte do Senhor, estavam impedidas de seguirem adiante.

Entretanto, o grito desafiador que ecoou mais tarde na boca dos cristãos: onde está, ó morte, a tua vitória? (1Cor 15,55), não é trapaça semântica para fazer parecer o que não foi. É constatação profunda de um fato que fez forte quem era fraco e enviado quem antes se escondia com medo da morte.

A solução para a impossibilidade humana aparece quando a morte é desafiada. Ela se mostra nas narrativas evangélicas depois da Ressurreição. No caso em questão de Marcos 16,3, antes que o espanto se tornasse arredia limitação, a pedra já havia sido retirada. Não era mais pedra de tropeço nem impedimento para que espíritos generosos realizassem suas tarefas.

O espírito da Páscoa, portanto, é esse, ante os desafios supremos à nossa condição, a morte inclusa, Jesus nos dá a solução. Removeu a pedra do túmulo, deu peixe aos discípulos, antes que Lhe apresentassem o resultado da pesca, e encheu os corações de confiança e amor para uma realização que parecia impossível.

A nova vida, contudo, realiza-se apenas se for vivida como vida nova. A conclusão dos Evangelhos se abre na perspectiva de completude para o testemunho de fé na Ressurreição. A começar por Mateus, em cuja conclusão Jesus ordena àqueles que acreditaram irem pelo mundo inteiro, fazerem discípulos e batizarem. Testemunho que se segue na conclusão de Marcos, onde de maneira espontânea, os discípulos foram anunciar a Boa Nova por toda parte. A grande alegria que preencheu os corações no Evangelho de Lucas, abre a missão nos Atos dos Apóstolos: “homens da Galileia, por que ficais aqui, parados, olhando para o céu?” (1,11), indicando que a Ressurreição não é apenas contemplação, mas ação que encoraja e produz o fundamento de tudo que deve ser anunciado; afinal, se Jesus não Ressuscitou, vã é a nossa fé, gritará São Paulo mais tarde, e vã a nossa pregação.

A crença daqueles que não viram é a missão deixada no Evangelho de João. Ao declarar bem-aventurados os que não viram, mas crerão, Jesus transmite a missão a todos nós, que com fé e confiança, coragem e alegria, devemos testemunhar que a Vida venceu a morte!

A nova vida que recebemos na Ressurreição de Jesus se concretiza na disposição de quem a acolhe como dom de encorajamento para vivê-la e anunciá-la aos irmãos; por isso mesmo, fazendo novas todas as coisas, passa a viver uma vida diferente, aos olhos do mundo, uma vida nova que supera as impossibilidades humanas.

 

 


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.