Raposa Serra do Sol: Assembleia de catequistas reforça iniciação à vida cristã

Em sintonia com o Sínodo para a Amazônia, a Igreja em Roraima caminha de mãos dadas com as comunidades indígenas na missão de anunciar o Reino de Deus na história de resistência e compromisso de fé.

A Terra Indígena Raposa Serra do Sol (TI RSS) no Estado de Roraima, norte do Brasil é habitada por mais de 20 mil indígenas Macuxi, Wapichana, Taurepang, Ingaricó e Patamona. A população vem crescendo organizada em mais de 200 aldeias ou comunidades nas regiões de Surumu, Serras, Baixo Cotingo e Raposa.

Dom Mário Antônio da Silva. bispo de Roraima

A evangelização nas comunidades tem a participação ativa dos catequistas e lideranças. Em sintonia com o Sínodo para a Amazônia, com o objetivo de unificar a caminhada e refletir sobre o processo de iniciação à vida cristã, cerca de 400 catequistas das quatro regiões da TI RSS estiveram reunidos, nos dias 24 a 28 de janeiro 2019, na comunidade do Barro em Surumu, para a IV Assembleia.

“Iniciação à Vida Cristã na perspectiva do Sínodo e da REPAM” foi o tema central do encontro que contou com a presença do bispo de Roraima, dom Mário Antônio da Silva, entre outros convidados.  “Nossas alegrias são muitas e, dentre elas, destaco a atuação dos catequistas, tanto dos veteranos como dos novos catequistas, numa integração de geração que vive o Evangelho”, apontou dom Mario. Conforme o bispo, a iniciativa é fruto de uma alegria muito grande, especialmente por contar com a presença de muitos jovens, que já vivenciam a catequese em suas comunidades e lares.

Jerônimo Carneiro de Oliveira, coordenador da Assembleia

No entanto, dom Mario chama a atenção para o fato de que a Iniciação à Vida Cristã seja um processo permanente, celebrativo e vivencial à luz de tudo aquilo que os povos indígenas vivem.  “Ao mesmo tempo preocupamo-nos que a catequese seja algo que motive e una as comunidades para a luta por seus direitos, a luta pela terra, a defesa da saúde e da dignidade em prol de todas as comunidades indígenas e, ao mesmo tempo, que seja algo que possa gerar neles um entusiasmo de poder viver o evangelho integrados como verdadeiros cristãos em nossa diocese de Roraima”, salientou.

O professor e catequista Jerônimo Carneiro de Oliveira, coordenador da Assembleia destacou a importância do encontro. “Essa IV Assembleia tem uma grande importância porque envolve os catequistas, a liturgia e a juventude que faz parte dessa vida. É com eles que nós contamos e nos fortalecemos e, assim, com o apoio da missão da diocese de Roraima podemos envolver todo esse povo, toda a comunidade (…)”, disse.

Valorização das línguas indígenas

Padre Ronaldo B. MacDonell, linguista canadense, da Sociedade Missionária de Vida Apostólica (SOMIVA)

Uma das preocupações é iniciar as novas gerações na fé cristã por meio de uma catequese inculturada que inclua a valorização e o uso das línguas indígenas. O padre Ronaldo B. MacDonell, linguista canadense, da Sociedade Missionária de Vida Apostólica (SOMIVA), coordena o projeto de resgate e valorização da língua macuxi por meio de estudos, publicações e seminários nas comunidades. “Um dos temas que foi discutido muito na Assembleia foi o da valorização da língua macuxi, que como muitas outras línguas indígenas no Brasil é ameaçada, então os catequistas sobretudo os veteranos estão muito preocupados e estamos trabalhando a revitalização linguística”, apontou.

Presentes na região desde 1948, em 1971 os missionários da Consolata fizeram a opção pelos indígenas e em 1972 passaram viver nas comunidades ao lado do povo. Ao longo dos anos, “o Plano de Deus sobre nós” orientou a ação evangelizadora integrando fé e vida onde a libertação da terra era o objetivo principal. Hoje acompanham os povos indígenas sete missionários da Consolata: os padres africanos Philip Njoroge Njuma, James Murimi Njimia, Joseph Musito, Jean-Claude Bafutanga, Joseph Mugerwa, Gabriel Ochieng; e o experiente irmão italiano Francisco Bruno. Atuam na área também, três missionárias da Consolata: as Irmãs Maria Thereza Thukani, Kibinesh Amanuel e Alda Raffaela.

Padre Joseph Mugerwa acompanha de perto as comunidades e destaca a unidade no processo de Iniciação à Vida Cristã. “Essa Assembleia une os catequistas da Raposa Serra do Sol para a gente refletir sobre algum tema, escolhido pelos catequistas, para ser debatido. É uma forma de formação e também fazer uma coisa única”, disse.

A programação da Assembleia incluiu reflexões sobre o Sínodo para a Amazônia e a REPAM, a conjuntura do governo atual e as possíveis ameaças aos direitos dos povos indígenas. Luiz Ventura, Leigo Missionário de Consolata e coordenador do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) em Roraima, recorda as principais demandas dos povos indígenas na atual conjuntura:  1. Proteção dos direitos indígenas previstos na Constituição Brasileira; 2. Demarcação das Terras Indígenas; 3. Garantia dos direitos humanos e combate à violência contra indígena; 4. Reconhecimento dos povos originários e de sua cultura ancestral; 5. Contra a transferência da Funai para o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos; 6. Contra a transferência da demarcação de terras indígenas para o Ministério da Agricultura. 

Essas reivindicações fazem parte da Campanha nacional “Sangue Indígena, Nenhuma Gota a Mais!”

Resistência e compromisso

A TI RSS tem 1,7 milhão de hectares e foi homologada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2005, após 34 anos de luta que custou a vida de 21 indígenas e representou uma aula de resistência.

Foi exatamente na Missão Surumu que em 1977, uma centena de indígenas e aliados estavam reunidos, numa das primeiras assembleias, quando baixou a repressão militar. Mas eles não se intimidaram. Dispersaram para continuar a Assembleia em outro lugar. Foi o início da resistência e busca de autonomia do movimento indígena. Talvez por isso que, em 2005, essa Missão teve a igreja, a escola e o Centro de Saúde queimados em um dos tantos ataques a mando dos fazendeiros.

O marco histórico da luta foi o compromisso “Ou Vai ou Racha” quando os indígenas, em 26 de abril de 1977, reunidos em Maturuca, aldeia a 320 quilômetros de Boa Vista, resolveram dizer “não à bebida alcoólica e sim à comunidade”, iniciando o processo de organização que culminou com a criação do Conselho Indígena de Roraima (CIR).

Por padre Jaime C. Patias, Conselheiro Geral para América    

O post Raposa Serra do Sol: Assembleia de catequistas reforça iniciação à vida cristã apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.