Quaresma e o tema da conversão e da fé – II

Aloísio Alberto Dilli
Bispo de Santa Cruz do Sul

 

Caros diocesanos. A quaresma continua nossa preparação à Páscoa. Já refletimos sobre a Campanha da Fraternidade e sobre o tema da Conversão e da Fé, ricamente presente na Palavra de Deus nos domingos da quaresma do Ano C. Hoje abordaremos o 3º e 4º domingos que apresentam as parábolas da Figueira estéril e do Filho pródigo.

  • Terceiro Domingo da Quaresma: Na primeira leitura (Ex 3, 1-8ª.13-15) aparece novamente o aspecto histórico da salvação: é o Deus de Abraão, Isaac e Jacó que desce (sarça ardente) e chama Moisés para libertar seu povo da opressão do Egito e conduzi-lo a uma terra ‘onde corre leite e mel’. É o Deus sempre presente (“Sou Aquele que sou”) e operante na história concreta de seu povo. Javé exige a fé de Moisés e do povo de Israel.

Na segunda leitura (1Cor 10, 1-6.10-12) São Paulo adverte os cristãos, indicando os fatos bíblicos como exemplo: para a salvação não basta a ação de Deus; é indispensável a colaboração humana, sua participação pela fé e pelas obras. O apóstolo convida os coríntios a serem fiéis a Deus, evitando atitudes do povo no Antigo Testamento que desagradaram ao Senhor.

O Evangelho (Lc 13, 1-9) do terceiro domingo da quaresma se compõe de duas partes, ambas indicando a necessidade de conversão. O fato relacionado a Pilatos e à Torre de Siloé serve para fazer o apelo de conversão: “Se não vos converterdes, perecereis todos do mesmo modo” (Lc 13, 5). A segunda parte do Evangelho apresenta a parábola da figueira estéril, que também indica o convite à conversão; ela será cortada se não der frutos. Jesus aparece como a mediação paciente e misericordiosa do Pai, em vista de nova oportunidade de conversão.

  • Quarto Domingo da Quaresma: A primeira leitura (Js 5, 9ª.10-12) relata a entrada do Povo de Deus na Terra prometida e celebra a nova Páscoa. O texto insiste sobre a novidade da situação: nova terra, nova vida, nova Páscoa.

Na segunda leitura (2Cor 5, 17-21) evidencia-se que a fonte da nova vida dos cristãos é a morte e ressurreição do Senhor, da qual participam. As coisas antigas passaram e foi inaugurada vida nova. A iniciativa da reconciliação vem de Deus: por meio de Cristo. Ele nos reconciliou e nos confiou este ministério da reconciliação.

No Evangelho (Lc 15, 1-3.11-32), os publicanos e pecadores se aproximam de Jesus para escutá-lo. Os fariseus, como sempre, murmuram por causa disso. Na parábola do Filho pródigo, Jesus representa o pai; o filho menor, os pecadores; e o filho maior representa os fariseus. No quadro do pai e do filho menor vemos o distanciamento inicial e a miséria; depois, a decisão da volta e o reencontro, cheio de surpresas e de gestos significativos de reintegração filial e de alegria festiva. Ao contrário, no quadro do filho mais velho encontramos a atitude de fariseu: incapacidade de aceitar o gesto misericordioso do pai e negação da possibilidade de reconciliação com o irmão pecador, ‘que estava morto e tornou à vida’.

Continuemos nosso caminho quaresmal, buscando conversão de vida e aprofundamento da fé cristã, pois a misericórdia do Senhor há de se revelar.

 

O post Quaresma e o tema da conversão e da fé – II apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.