Por um mundo mais justo e fraterno

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém do Pará

“Nós somos cidadãos do céu. De lá aguardamos como salvador o Senhor Jesus Cristo. Ele transformará o nosso corpo, humilhado, tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso, graças ao poder que o torna capaz também de sujeitar a si todas as coisas” (Fl 3, 20-21). Assim a Igreja nos ilumina a celebração do segundo Domingo da Quaresma, quando contemplamos a plena luz de Deus que se reflete sobre os discípulos conduzidos por Jesus ao Monte da Transfiguração. Nosso futuro é a vida em Deus, quando tudo e todos serão transformados pela força da Ressurreição de Jesus. Ver a glória de Deus que resplandece em Cristo ilumina também nossa presença e ação no mundo ferido e machucado pelo egoísmo, no qual nos encontramos, para acender a chama da esperança.
Em nossos dias, muitos são os desafios para que a proposta de comunhão entre as pessoas e a natureza venham a ser devidamente enfrentados. No próximo Sínodo dos Bispos especial para a Amazônia, junto do Papa, o Episcopado da Região Amazônica se desdobrará sobre um tema provocante, a busca de uma ecologia integral. Para esta, a chave não é em primeiro lugar a natureza, mas o ser humano, como ensinou magistralmente São João Paulo II. Já na narrativa da criação do mundo, no Livro do Gênesis, foi confiada aos seres humanos a responsabilidade de cuidar da terra. E o Papa Francisco, na Encíclica “Laudato sii” (Número 67), abre o horizonte para a nossa compreensão da imensa responsabilidade que nos cabe.

Diz o Papa: “Não somos Deus. A terra existe antes de nós e nos foi dada. Isto permite responder a uma acusação lançada contra o pensamento judaico-cristão: foi dito que a narração do Gênesis, que convida a «dominar» a terra (Cf. Gn 1, 28), favoreceria a exploração selvagem da natureza, apresentando uma imagem do ser humano como dominador e devastador. Mas esta não é uma interpretação correta da Bíblia, como a entende a Igreja. Se é verdade que nós, cristãos, algumas vezes interpretamos de forma incorreta as Escrituras, hoje devemos decididamente rejeitar que, do fato de ser criados à imagem de Deus e do mandato de dominar a terra, se deduza um domínio absoluto sobre as outras criaturas. É importante ler os textos bíblicos no seu contexto, com uma justa hermenêutica, e lembrar que nos convidam a ‘cultivar e guardar’ o jardim do mundo (Cf. Gn 2, 15). Enquanto ‘cultivar’ quer dizer lavrar ou trabalhar um terreno, «guardar» significa proteger, cuidar, preservar, velar. Isto implica uma relação de reciprocidade responsável entre o ser humano e a natureza. Cada comunidade pode tomar da bondade da terra aquilo de que necessita para a sua sobrevivência, mas tem também o dever de a proteger e garantir a continuidade da sua fertilidade para as gerações futuras. Em última análise, ‘ao Senhor pertence a terra’ (Sl 24/23, 1), a Ele pertence ‘a terra e tudo o que nela existe’ (Dt 10, 14). Por isso, Deus proíbe-nos toda a pretensão de posse absoluta: ‘Nenhuma terra será vendida definitivamente, porque a terra me pertence, e vós sois apenas estrangeiros e meus hóspedes’” (Lv 25, 23).

Só olhando para Deus, escutando e acolhendo sua Palavra, vivendo seus mandamentos, é que a humanidade conseguirá construir um mundo digno, justo e fraterno. E não basta cuidar da natureza, das árvores, da água, do ar ou dos animais. Há que se dar atenção às pessoas, sua dignidade, sua vida e sua salvação! Quando a Igreja celebra a Quaresma, quer que a ecologia integral comece na alma, no interior humano, na conversão. E espera que os frutos venham à tona, com o cuidado a ser tomado a respeito da vida social e a atenção ao bem comum. Este é o sentido da Campanha da Fraternidade!

“Cada Campanha da Fraternidade é uma proposta de conversão quaresmal, a deste ano tem como objetivo estimular a participação em Políticas Públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja, para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais da fraternidade. Políticas Públicas são ações e programas desenvolvidos pelo Estado para garantir e colocar em prática direitos previstos na Constituição Federal e em outas leis. É preciso ter clareza quanto à diferença que há entre ‘política’ e ‘Políticas Públicas’. A política é o espaço de poder e opiniões em que diferentes necessidades se enfrentam ou se unem, com visões e concepções distintas, em busca do interesse comum. Já as Políticas Públicas englobam os mais diferentes ramos do pensamento, como as ciências sociais, as ciências políticas, as ciências econômicas e as ciências da administração pública. As Políticas Públicas representam, pois, soluções específicas para o atendimento das necessidades e a solução dos problemas da sociedade. Dizem respeito às ações do Estado que buscam garantir a segurança e a ordem sociais e regular a relação entre as instituições e os diversos atores, sejam individuais ou coletivos (consumidores, empresários, trabalhadores, corporações, centrais sindicais, mídia, entidades do terceiro setor etc.), envolvidos na solução de um determinado problema. Há Políticas Públicas de Estado e de governo. As políticas de Estado encontram-se amparadas pela Constituição (‘Todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente’ – Art. 1º, parágrafo único), e devem ser realizadas independentemente do governo que estiver no poder. Já as políticas de governo são especificas a cada período do governante, uma vez que no regime democrático há alternância no exercício dos poderes executivo e legislativo. Um dos atores principais na formulação da proposta de implementação de Políticas Públicas é a denominada Sociedade Civil, especialmente por meio do Terceiro Setor. Abre-se aqui, portanto, um imenso campo de participação para os cidadãos, chamados a dar sua contribuição quando se trata da escolha das Políticas Públicas a serem implementadas. Critérios fundamentais devem ser observados na escolha dessas Políticas, sobretudo a garantia dos direitos fundamentais do ser humano, isto é, a ordem justa da sociedade e a justiça social, que nos obrigam a ter uma preocupação especial com os mais pobres e desprotegidos (Dom Murilo Krieger, Arcebispo Primaz do Brasil e Vicente-Presidente da CNBB).

Queremos contribuir com nossa palavra, nosso testemunho e nossa participação, para a transformação de nosso mundo para melhor. O jardim ou paraíso das primeiras páginas da Bíblia provoquem nossa responsabilidade! Transformados pela graça da conversão quaresmal, saiamos juntos dos muitos desertos construídos pelo egoísmo humano, para que o novo Céu e a nova Terra sejam a luz a iluminar nossos passos. Muitos sejam os montes da Transfiguração, com os quais a presença de Jesus em nosso meio nos antecipe a novidade plena, que só pode vir de sua graça!

O post Por um mundo mais justo e fraterno apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.