Páscoa: renovação e alegria

Dom Jaime Vieira Rocha
Arcebispo de Natal (RN)

 

                A Igreja se alegra pela Páscoa do Senhor. Jesus ressuscitou, a nossa esperança renovou. Após o tempo da Quaresma, onde a Igreja nos exortou à penitência, à conversão, à pratica do jejum, da esmola e da oração, como sinais de conversão, agora ela nos introduz no tempo Pascal, tempo de alegria, de ação de graças e de renovação de nossa fé. Tempo de confiança na vitória de Cristo. Ele venceu a morte, vencerá tudo o que traz treva e tristeza para os homens e as mulheres.

                A Páscoa, em hebraico “Pesach”, significa passagem, saída de uma situação. Originalmente, na experiência do povo eleito de Deus, Israel, era a festa de comemoração libertação da escravidão, simbolizada já no ato de Deus livrar seu povo da passagem do anjo exterminador dos primogênitos dos egípcios (cf. Ex 12,1-28). Trata-se da última advertência de Deus ao Faraó, na intenção de fazer o seu povo sair da escravidão do Egito. A partir daquele momento o povo de Israel comemorará essa festa com atenção e desvelo. Também Jesus ia todos os anos a Jerusalém, ainda mesmo como criança (cf. Lc 2,41). No Evangelho de São João encontramos relatos de que, enquanto realizava sua missão de pregador do Reino de Deus, Jesus foi a Jerusalém em várias ocasiões (cf. Jo 2,13 – episódio do gesto profético no templo; Jo 5,1s – cura do paralitico; Jo 7, 1-14.37; Jo 10,22s; Jo 11,55; 12,12 – a última páscoa). Entre essas ocasiões estava a festa da Páscoa. Na última Páscoa, Jesus celebra com seus discípulos, e realiza a mudança de sentido: agora, não se trata de um “anjo exterminador” que passa, mas o Filho que vem para salvar. Sua passagem não condena ninguém, mas redime. E mais, não será pelo sangue de animais, ao contrário, será o seu próprio sangue, que também não será mais exposto nos portais de nossas casas, mas será alimento, bebida de salvação (cf. Mt 26,26-29; Mc 14,2325; Lc 22,14-23; ver também 1Cor 11,23-26).

                Ao celebrar a festa da Páscoa, memorial da passagem de Jesus Cristo, da morte para a vida, a Igreja se revigora e se rejuvenesce. Ela encontra, na Ressurreição do Senhor, a força para seguir anunciando o seu Evangelho, boa nova para todos os homens e mulheres. Sim, o Cristo que foi crucificado, derramou seu sangue, morto injustamente; é a revelação do amor gratuito de Deus por cada homem e cada mulher. Ele se sacrificou por nós, entregou sua vida por nós (cf. Jo 3,16; Gl 2,20; Lc 23,46). A revelação de Jesus alcança seu cume, pois por ela deu a vida. Ele mesmo tinha afirmado: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a própria vida por seus amigos” (Jo 15,13). A revelação de Deus, realizada por Jesus levou a isso. Sua morte se torna redentora porque o amor de Deus é redentor, renova, transforma. Ele não se furta a esse sacrifício, mas ama até o fim. Destrói o pecado naquilo que parecia ser a consequência mais funesta da ingratidão dos homens e das mulheres em relação ao amor recebido: a morte, e morte de Cruz, isto é, como rejeição de um inocente, de alguém que passou a vida fazendo o bem.

                Pelas suas chagas fomos curados (Is 53,5). Eis que estamos renovados, envolvidos pelo poder da Ressurreição. Deixemo-nos guiar por Ele, o Senhor vitorioso e vivente, ressuscitado não morre mais, e nele, nós temos a verdadeira vida. Celebremos a Páscoa, e tenhamos confiança: Ele venceu e nos deu essa vitória. Boa Páscoa. Que sejamos felizes!

 


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.