Páscoa – morte e ressurreição

Dom Aloísio A. Dilli
Bispo de Santa Cruz do Sul

 

 

Caros diocesanos. O Senhor morto e ressuscitado esteja convosco! Feliz Páscoa!

A palavra Páscoa significa “passagem”, passagem da morte para a vida. Mas o que entendem mesmo os primeiros cristãos, quando falam em ressurreição de Jesus? Para eles não se trata de simples imaginação, mas de um fato real que os tirou da perplexidade e frustração. Esta ressurreição não consiste num retorno de Jesus à sua vida anterior na terra. Ele não retornou à sua vida biológica (reencarnação), para depois morrer novamente de forma irreversível. A ressurreição não é, portanto, a reanimação de um cadáver, como aconteceu com Lázaro, com a filha de Jairo e o jovem de Naim. Com a ressurreição, Jesus entra definitivamente na Vida de Deus, onde a morte não tem mais nenhum poder. Ele não morreu para o vazio do nada, mas para a comunhão plena com Deus. Por isso afirma São Paulo: “Sabemos que Cristo, ressuscitado dos mortos, não morre mais. A morte não tem mais poder sobre ele” (Rm 6, 9). Os evangelistas informam que Jesus é o mesmo, mas não é como antes. Apresenta-se agora cheio de vida nova; é alguém real e concreto, mas os discípulos não conseguem retê-lo e conviver com Ele, como anteriormente, pois está com uma existência nova, com um corpo glorioso que dá plenitude à sua vida. Os primeiros cristãos entendem a ressurreição de Jesus como uma atuação de Deus que, com sua força criadora, resgata Jesus da morte para introduzi-lo na plenitude de sua própria vida. As comunidades primitivas acreditam que o acontecido com Jesus, o “Primogênito dos mortos”, é a garantia da ressurreição da humanidade, ou seja, de todos os seres humanos e da criação inteira. Deus, ressuscitando Jesus, começa a nova criação, confirmando seu plano de salvação, presente desde a criação do homem e do mundo: partilhar sua vida divina, sua felicidade com o ser humano (Cf. PAGOLA J. A., Jesus, Ed. Vozes, 2011, p. 489-520).

E como será nossa morte e nossa ressurreição? Toda pessoa humana traz escrito no mais profundo do seu ser o destino para a morte, que gravita sobre a sua existência como uma necessidade inevitável e uma constante ameaça, sobretudo nestes tempos de insegurança em que vivemos. O Concílio Vaticano II afirma: “Diante da morte, o enigma da condição humana atinge seu ponto alto… a semente da eternidade… insurge-se contra a morte” (GS 18). Dentro de nós existe uma ânsia de eternidade, uma esperança de plenitude. De fato, fomos criados à imagem e semelhança do Criador. Existe em nós a semente da eternidade, da imortalidade que o pecado veio ofuscar, trazendo consigo a morte. Era preciso, portanto, uma redenção para que a vida eterna fosse novamente possível, mesmo tendo que passar pela morte humana. Esta redenção já foi conquistada por Jesus Cristo, esperando agora nossa adesão pela fé.

Como será nossa morte e nossa ressurreição? Com a morte a pessoa humana se desliga das coordenadas do tempo. Nossa morte realmente é uma cisão entre o modo de ser temporal e o modo de ser eterno. Na morte o corpo não é mais sentido como uma barreira que nos separa dos outros e de Deus. Entraremos na plena realização das capacidades de nosso ser humano. É a afloração plena da pessoa humana, latente no princípio esperança. Seremos o que cada um de nós merece ser: os que fizeram o bem irão para uma ressurreição de vida em Deus e participarão na comunhão dos santos; os que praticaram o mal receberão o destino pelo qual optaram em vida: a condenação.

A celebração pascal fortifique nossa fé e nossa esperança na vida plena em Deus.

 

O post Páscoa – morte e ressurreição apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.