Os presbíteros e a colegialidade diocesana

Dom Aloísio Alberto Dilli
Bispo de Santa Cruz do Sul

Caros diocesanos. Nossa reflexão sobre as Comunidades Presbiterais continua hoje, abordando o tema da formação. Se desejamos multiplicar Comunidades Presbiterais é preciso também dar a devida atenção à formação para a vida fraterna em comunidade.

A colegialidade (sinodalidade), em sentido geral, proporciona o espírito de comunhão como Povo de Deus (Clero, Vida Consagrada, Leigos), pois, a partir do batismo, todos têm a mesma dignidade, são chamados à santidade e convidados à mesma missão, no serviço do Reino (cf. LG 32). Para os presbíteros, a colegialidade adquire caráter essencial, pois eles tornam-se “irmão entre os irmãos, como membros de um só e mesmo Corpo de Cristo, cuja edificação a todos foi confiada” (PO 9). João Paulo II afirma: “O ministério ordenado tem uma radical ‘forma comunitária’ e pode apenas ser assumido como ‘obra coletiva’” (PDV 17; cf. PO 7). O espírito colegial constrói a integração das pessoas e ministérios, das paróquias e setores de vida e missão da diocese. Nenhuma pessoa ou grupo pode viver fechado em si mesmo, separado da vida comunitária: “Não pode existir vida cristã fora da comunidade” (DAp 278). A colegialidade proporciona inter-relação dos diversos setores pastorais, administrativos (econômico financeiros), de formação e outros.

Se a convivência fraterna no espírito da colegialidade é tão importante, a formação inicial estará atenta ao crescimento nas relações fraternas dos candidatos, evitando todas as formas de individualismo e egoísmo: “A experiência da vida comunitária é um elemento precioso e indubitável na formação” (Ratio Fundamentalis Institutionis Sacerdotalis, n. 51). Nas Casas de Formação, “os elos que se estabelecem entre formadores e seminaristas, e entre os próprios seminaristas, devem ser marcados pela paternidade e pela fraternidade” (RFIS 52). O Documento de Aparecida, ao referir-se sobre a formação inicial dos seminaristas, conclui: “É indispensável confirmar que os candidatos sejam capazes de assumir as exigências da vida comunitária” (DAp 324).

A mesma Ratio Formationis informa que a vida em comum de presbíteros pode acontecer por iniciativa pessoal ou em virtude de necessidades pastorais, de costume ou situações de caráter local; a vida em comum se manifesta pela oração comunitária, pela meditação da Palavra de Deus, pela formação permanente, pelo intercâmbio dos compromissos pastorais, pela busca do equilíbrio afetivo e espiritual; a Ratio Formationis ainda acentua: “Será necessário cuidar para que tais formas permaneçam abertas a todo o presbitério e às necessidades pastorais da diocese” (cf. RFIS 88e).

Comunidades Presbiterais não deveriam ser novidade, pois se trata de um ideal, com fundamentos evangélicos, eclesiológicos e teológicos. Elas ajudam a dar uma resposta mais qualificada ante as necessidades e desafios dos vários setores, sobretudo da pastoral urbana; favorece o exercício dos múltiplos dons da parte dos que formam a Comunidade Presbiteral. Mas continua sendo um grande desafio que exige atenção em todas as etapas da formação presbiteral, seja inicial ou permanente. Por isso agradecemos aos presbíteros (diáconos, seminaristas), consagrados – consagradas e fiéis leigos e leigas que tentam entender, acolher e estimular esta forma de vida e missão em nossas paróquias e diocese, sem defini-la como única. Contudo, precisamos unir nossas forças no espírito de comunhão e de colegialidade para atendermos o povo de Deus a nós confiado. Assim acontece a nossa diocesanidade.

O post Os presbíteros e a colegialidade diocesana apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.