Observatórios Sociais na Bahia

Dom Murilo S.R. Krieger
Arcebispo de Salvador

A Campanha da Fraternidade, que se realiza anualmente, tem como objetivo levar as comunidades católicas e as pessoas de boa vontade a meditarem sobre um tema social, além de difundir iniciativas que estão dando bons resultados e merecem ser imitadas.

A Campanha deste ano, por exemplo, que reflete sobre Políticas Públicas, está propondo a criação de Observatórios Sociais em âmbitos municipal, estadual e nacional, com membros competentes e idôneos e com uma estrutura mínima de ouvidoria, diagnóstico, pesquisa, comunicação e monitoramento do que é arrecadado e investido nos vários níveis.

Pioneira nesse campo foi a cidade de Maringá – PR: indignada com o problema crônico da corrupção e de desvios de recursos públicos, a população daquele município uniu esforços e criou o Observatório Social de Maringá (OSM), uma associação movida por voluntários, que reúne profissionais liberais, empresários, servidores e tem a participação da comunidade Católica.

Uma equipe empregada e dezenas de voluntários acompanham os editais, analisam os processos e os serviços contratados. Quando são constatadas irregularidades, o órgão solicita ao poder público alterações ou a impugnação da licitação – tudo com rigor técnico.

Desde 2006, quando o Observatório foi criado, houve um proveito de mais de R$ 124 milhões. Proveito, no caso, são os valores que deixaram de ser gastos indevida e desnecessariamente ou que retornaram aos cofres públicos. É um dinheiro que pode ser empregado em outros serviços, como educação e saúde. A equipe também acompanha compras da Câmara Municipal e da Universidade Estadual de Maringá e realiza ações para a promoção de educação fiscal. O trabalho é custeado por associações, pessoas físicas e empresas. A OSM recebeu da ONU, em 2009, um prêmio como o melhor projeto de Inovação social da América Latina e Caribe e, em 2015, o primeiro lugar no “Innovare”, o mais alto prêmio do poder Judiciário brasileiro, pela atuação preventiva na redução da litigiosidade e desobstrução da justiça. O OMS serve como referência para mais de cem observatórios espalhados pelo Brasil e em países como Argentina, México e Colômbia.

Uma iniciativa como essa, que deve ser apartidária, torna-se um espaço para o exercício da cidadania. Nela, os cidadãos transformam seu direito de se indignar em atitudes concretas em favor da transparência e da qualidade da aplicação dos recursos públicos. São empresários, profissionais, professores, estudantes, funcionários públicos e outros que, voluntariamente, entregam-se à causa da justiça social.

Não seria o caso de se pensar na criação de Observatórios Sociais nos municípios baianos? Para isso, são necessários cidadãos criativos e corajosos!

 

O post Observatórios Sociais na Bahia apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.