O silêncio de Deus

Cardeal Dom Sergio da Rocha

Arcebispo de São Salvador da Bahia, Primaz do Brasil

Na pandemia, a experiência da fragilidade humana, da dor e da morte, tem sido intensa, levando-nos a pensar sobre o sentido da vida e da morte, sobre o viver e o morrer. A pandemia faz refletir sobre o caminho que temos percorrido e os passos a serem dados. Muitos levantam questões acerca da presença de Deus neste contexto de sofrimento. O “silêncio de Deus” é um tema teológico crucial e uma experiência espiritual, que têm recebido especial atenção.

O grito de Jesus na cruz “meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” (Mc 15,34) continua a expressar o clamor de tantos que se sentem abandonados, não por Deus, mas pelo homem; de tantos que não são amados, não por Deus, mas por nós. Esta Páscoa, celebrada numa fase de agravamento da pandemia, é uma ocasião especial para o silêncio e a escuta. É preciso silenciar para escutar. A pandemia obrigou a parar o ritmo agitado de vida e a busca insaciável de consumir; a recolher-se, apesar das resistências ao distanciamento social. A pretensão de onipotência tem sido golpeada abalando as torres de Babel. Os muros têm sido abatidos pelo vírus que não conhece fronteiras, obrigando a sentir-se habitante de uma mesma casa e participante de uma mesma família, embora os mais pobres e vulneráveis sejam os mais atingidos. A experiência da fragilidade e da finitude tem sido compartilhada até por quem não costuma admitir.

Não é Deus quem deixou de falar; foi o homem que se tornou incapaz de escutar. Não é Deus quem deixou de amar e de ensinar a amar. É o homem que deixou de amar e de aprender a amar. Para desvendar o silêncio de Deus é preciso fazer silêncio e mergulhar no mistério do amor divino. “Mistério” não por ser complicado ou inacessível. Na visão bíblica e na experiência de quem crê, o “mistério” compreende a grandeza do amor de Deus que se revela e se oculta, porque não pode ser encerrado nos limites estreitos de nosso pensar e de nosso sentir. É preciso fazer silêncio para contemplar, para discernir os sinais de Deus, para escutar o que ele está querendo nos dizer. Diante do mistério, por mais explicações que se queira dar, a atitude de fé e o silêncio são indispensáveis.

É necessário, ao mesmo tempo, fazer silêncio para escutar o clamor de quem sofre, à espera de atenção e de solidariedade. Este tempo doloroso da pandemia tem sido uma oportunidade para contemplar o rosto de Cristo sofredor nos rostos de tantas pessoas que sofrem. O silêncio, enquanto atitude espiritual, não implica em acomodação ou omissão, assim como o aparente “silêncio” de Deus não significa que ele deixou de amar. No calvário tem muita gente disposta a descer o monte para abraçar, consolar e cuidar, para assumir o papel de Verônica que enxuga as lágrimas e de Cirineu que ajuda a carregar a cruz.

No alto do calvário tem muita gente unida a Jesus sofredor à espera da vitória pascal, tem muita gente que vive da esperança ancorada na fé, trazendo no coração a certeza de que a noite longa da dor e da provação cederá lugar à manhã da ressurreição.

A superação do cenário doloroso que vivemos pressupõe a esperança, pois somente quem conserva a esperança pode pensar o amanhã. Somos chamados a sermos portadores da esperança neste tempo tão difícil. A fé, que se expressa pelo amor ao próximo, fundamenta e alimenta a nossa esperança e nos impulsiona a caminhar.

Na Páscoa, a vida venceu a morte, o amor triunfou sobre a violência. Jesus ressuscitou! Por isso, ela nos traz a esperança de vida nova e de superação das situações de morte. Na páscoa do êxodo, Deus ouviu o clamor do seu povo sofredor libertando-o da opressão. Na nova e definitiva páscoa, ele respondeu ao clamor de Jesus, o justo que sofre e doa sua vida. Na páscoa de Jesus que acontece, hoje, ele continua a escutar o nosso clamor e a nos ensinar a ouvir o clamor de quem sofre. Diante dos desafios, renovamos a certeza na vitória da vida, do amor e da luz, alcançada por Cristo, de modo a transformar a vida cotidiana numa Páscoa permanente.


Fonte: Noticias da Arquidiocese de Salvador

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.