O Ressuscitado no cotidiano

Dom Adelar Baruffi
Bispo Diocesano de Cruz Alta

O terceiro domingo do rico tempo pascal nos sugere esta pergunta: Onde podemos nos encontrar com o Ressuscitado? Ele está somente na missa dominical ou é presença viva e fecunda no nosso cotidiano? O texto do evangelho deste domingo (cf. Jo 21,1-19), da pesca milagrosa e do pastoreio de Pedro, faz os discípulos superarem o medo e a falta de perspectivas diante da morte do Mestre. A tentação de construir uma vida “sem Deus” continua presente nos apóstolos, como transparece neste diálogo dos mesmos: “Disse-lhes Simão Pedro: ‘Vou pescar’. Responderam-lhe eles: ‘Também nós vamos contigo’. Partiram e entraram na barca. Naquela noite, porém, nada apanharam” (Jo 21,3). Dentre as várias interpretações, uma delas é o desânimo e o desejo de voltar atrás, para o modo de vida anterior, como profissionais da pesca. Parece que haviam esquecido tudo o que tinham vivenciado com o Mestre de Nazaré nos três anos que conviveram. Recorda-nos o povo guiado por Moisés, que diante das dificuldades do deserto, murmurou e se queixou, afirmando que era melhor o passado, mesmo com o peso da escravidão do Egito (cf. Ex 16,2-4).

Muito oportuna esta Palavra que qualifica a vida sem a presença do Ressuscitado como “noite”, em contraposição à “luz”, que é o sinônimo da fé. A vida sem Deus é escura e sem frutos. Não falo dos frutos materiais, que, muitas vezes, são até mais abundantes, mas dos frutos humanos e da alegria e paz que o Ressuscitado traz. A palavra de Jesus, no outro lado do lago diz aos apóstolos: “Vinde comer” (Jo 21,12). Não estamos órfãos e entregues à própria sorte. Alguém nos chamou à vida, não obstante todos os desafios e contradições familiares e sociais. Alguém é por nós. E isto faz toda diferença. E mais, o Ressuscitado está no cotidiano: vai onde estão os apóstolos, acompanha seus desânimos, prepara e compartilha o alimento. Esta presença do Ressuscitado dá qualidade humana e evangélica a tudo o que fazemos, promete vida plena. Uma vida sem Deus é como uma árvore envelhecida, que aparentemente está bela e frondosa, mas sua seiva vai definhando e corroendo seu interior, comprometendo seus frutos. O Ressuscitado se contrapõe à “noite”, é “luz”.

“Portanto, assim como vocês receberam a Cristo Jesus, o Senhor, continuem a viver nele, enraizados e edificados nele, firmados na fé, como foram ensinados, transbordando de gratidão” (Cl  2,6). Por três vezes, Jesus pede a Pedro a confirmação da fé n´Ele: “Tu me amas?” (Jo 21, 15-17). É uma confiança radical na sua palavra, na vida nova de batizados, enraizados nele. Não é uma questão intelectual somente, de conhecimento de teorias, mas de amor a Jesus Cristo. Nenhum outro fundamento poderá ser posto: “Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo” (1Cor 3,11).

A fé em Jesus Cristo, o Crucificado-Ressuscitado, fez daqueles humildes homens da Galiléia os grandes missionários que deram sua vida por Cristo. Ele desafia à missão: “Lançai a rede ao lado direito da barca e achareis” (Jo 21,6). De fato, os projetos pastorais são necessários, mas imprescindível que neles e além dos mesmos, não falte o testemunho de “uma vida transfigurada pela presença de Deus” (EG n. 259). A missão não é uma opção, mas está na nossa constituição enquanto cristãos, está na essência da Igreja. Lancemos as redes para transmitir a fé aos filhos, aos netos, para permear dos valores do evangelho todos os ambientes, a cultura na qual vivemos. Chegou a hora de confirmar nosso caminho de missionários de Jesus Cristo. Este Cristo Crucificado-Ressuscitado, que dá sentido para nossa vida, é o que devemos anunciar.

O post O Ressuscitado no cotidiano apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.