Missão das Comissões Episcopais Pastorais da CNBB é pauta deste segundo dia da 57ª AG

A 57ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) aborda na manhã desta quinta-feira, a missão das Comissões Episcopais Pastorais da conferência. Este é um dos vários temas que estão na pauta deste segundo dia do encontro anual dos bispos, em Aparecida (SP).

As doze Comissões Episcopais Pastorais da CNBB, de acordo com o estatuto da entidade, promovem a Pastoral Orgânica nacional com suas dimensões globais e setores especializados. Elas respondem pelo estudo, proposta e animação dos programas e projetos do seu âmbito de atribuições, em sintonia com as demais Comissões, para garantia da unidade da Pastoral Orgânica.

Saiba mais sobre a atual missão de cada comissão episcopal pastoral da CNBB:

  1. Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada

A Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada (CMOVC) tem como tarefa despertar, discernir, cultivar, animar, promover e acompanhar as Vocações e os Ministérios Ordenados da Igreja no Brasil.

Sua missão é oferecer aos batizados condições para a vivência da sua vocação específica através da Pastoral Vocacional (PV) e do Serviço de Animação Vocacional (SAV), bem como acompanhar a formação para o Ministério Ordenado, por meio da Organização dos Seminários e Institutos do Brasil (OSIB). À Comissão incumbe ainda acompanhar a vida e o ministério dos diáconos permanentes (CND), dos presbíteros (CNP) e dos bispos, sobretudo dos novos bispos. Além disso, estabelece diálogo de comunhão e parceria com a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) e a Conferência Nacional dos Institutos Seculares (CNIS).

Todas as atividades e os projetos, embora de responsabilidade direta de cada organismo, têm a participação da Comissão, que os reconhece, apoia, assessora, e lhes dá suporte e legitimidade eclesial.

Para articular melhor estas forças vivas, a Comissão elegeu como eixo condutor: “A partir de Jesus Cristo, Verbo Encarnado, à luz das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE), comprometemo-nos a ser uma Igreja servidora, que nos chama a estar com Ele, formando e enviando em missão”.

  1. Laicato

A Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato é um serviço à CNBB nos Regionais, que busca acompanhar, assessorar e promover a identidade, vocação, espiritualidade e missão dos cristãos leigos e leigas na Igreja e no mundo.

Acompanha, junto à Comissão Nacional Ampliada das CEBs, a organização e realização de reuniões, encontros, seminários e dos Intereclesiais das CEBs. Também é tarefa permanente da Comissão estimular, acompanhar e fortalecer o processo de articulação e organização do laicato, através do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), nos diferentes âmbitos. A Comissão apoia e estimula as iniciativas de formação, espiritualidade e acompanhamento no campo social e político, especialmente através do Centro Nacional de Fé e Política Dom Helder Câmara (CEFEP).

Visando a promoção da pastoral orgânica de conjunto no Brasil, sinal da unidade, comunhão e solidariedade eclesiais, a Comissão procura favorecer a integração dos  Movimentos, Serviços Eclesiais, Associações Laicais Nascidas dos Carismas das Congregações e Ordens Religiosas e das Novas Comunidades.

 

  1. Ação Missionária e Cooperação Intereclesial

A Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial tem como incumbência favorecer e acompanhar a animação, formação, articulação, informação e cooperação missionária da Igreja no Brasil, nos seguintes âmbitos:

  1. Animação missionária: presidir e coordenar o Conselho Missionário Nacional (COMINA); contribuir na assessoria nos Regionais, sobretudo por meio da articulação dos Conselhos Missionários Regionais e Diocesanos (COMIREs e COMIDIs); promover a espiritualidade e formação missionária em colaboração com os organismos missionários.
  2. Missão Continental: acompanhar e animar as iniciativas nas Igrejas Particulares em vista da conversão pastoral para “colocar a Igreja em estado permanente de missão”; apoiar iniciativas missionárias e organização de missões populares; fomentar a formação missionária para coordenadores de pastoral, formadores de seminaristas e outros segmentos da vida eclesial.
  3. Cooperação Intereclesial: acompanhar os projetos de solidariedade missionária ad gentes assumidos pela CNBB; contribuir na articulação do Projeto Igrejas Irmãs; apoiar a formação de missionários além-fronteiras; atuar na articulação de organismos e pastorais de cooperação missionária, como a Pastoral dos Brasileiros no Exterior (PBE).

A Comissão coordena e articula a animação e cooperação missionária no Brasil através do COMINA.

Realiza suas ações em comunhão com as demais Comissões Pastorais da CNBB, as Pontifícias Obras Missionárias (POM), o Centro Cultural Missionário (CCM) e outros organismos missionários atuantes no Brasil.

 

  1. Animação Bíblico-Catequética

A Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética está a serviço da Igreja do Brasil para operacionalizar as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) na ótica bíblico-catequética. Através dos Bispos Referenciais, das Coordenações dos Regionais, do Grupo de Refl exão (GREBICAT), da Catequese Junto à Pessoa com Deficiência e Catequese Indígena:

a) impulsiona a Animação Bíblica de toda a Pastoral;

b) estimula a implantação da Iniciação à Vida Cristã, com inspiração catecumenal, uma catequese mistagógica baseada no RICA;

c) promove iniciativas de formação, especialmente as Escolas Bíblico-Catequéticas;

d) elabora subsídios para a formação;

e) faz da animação bíblico-catequética uma ação transformadora focada no cuidado de toda a vida.

 

5. Doutrina da Fé

A Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina da Fé (CEPDF), composta por 5 bispos, Assessora a CNBB e o episcopado do Brasil em questões doutrinais e teológicas.

Grande parte de seu trabalho é a leitura prévia das publicações feitas pela Edições CNBB ou em nome de alguma das Comissões da Conferência. Suas atribuições estatutárias são: promover a fidelidade à doutrina da Igreja, a integridade na sua transmissão, a inteligência da fé, o seu testemunho ante os desafios atuais e, sobretudo, assistir a CNBB no exercício do magistério doutrinal.

A CEPDF conta com a colaboração do Grupo Interdisciplinar de Peritos (GIP). Composto por 13 peritos nas várias áreas e disciplinas da teologia entre elas: Bíblia, Moral, Liturgia e Dogmática. Esse grupo se reúne ordinariamente uma vez ao ano e seus membros podem ser consultados a respeito de temas específicos que sejam submetidos à Comissão.

 

  1. Liturgia

A ação evangelizadora da Igreja “destaca o lugar que a liturgia, celebrada na comunidade dos fiéis, ocupa na ação missionária da Igreja e no seguimento de Jesus Cristo. Sendo intimamente unida ao conteúdo do anúncio (lex orandi, lex credendi), ela ‘é o ápice para o qual tende a ação da Igreja e, ao mesmo tempo, a fonte de onde emana toda a sua força’ (SC, n. 10). Por isso, ‘nenhuma atividade pastoral pode se realizar sem referência à liturgia’ (DP, n. 927). Enfim, ela, fonte de verdadeira alegria (At 2,46), tem um papel fundamental na missão evangelizadora da Igreja, na consolidação da comunidade cristã, e na formação dos discípulos missionários” (DGAE, n.46).

Por isso, a Comissão Episcopal Pastoral para a liturgia (CEPL) pretende promover, fortalecer e acompanhar a vida litúrgica da Igreja no Brasil e o seu processo de renovação e enculturação, pois a missão da Igreja nasce da “dimensão celebrativa” e festiva da fé cristã centrada no mistério pascal de Cristo Salvador, em particular na Eucaristia” (DAp 99p).

A CEPL compõe-se de três setores: Pastoral Litúrgica, Música Litúrgica e Espaço Litúrgico.

 

  1. Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso

A Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CNBB tem por missão promover a unidade dos cristãos e o diálogo inter-religioso no âmbito da Igreja Católica no Brasil, conforme as orientações do Magistério e em atenção ao cenário religioso do país. Cabe à Comissão apoiar os Regionais da CNBB na criação, na organização e no acompanhamento de Comissões em âmbito regional e local a fim de que esta mesma dimensão seja vivida a partir da base, favorecendo reflexões e encontros entre igrejas e lideranças de outras tradições religiosas.

 

  1. Ação Social Transformadora

Em comunhão com a missão da Igreja, as Pastorais Sociais têm como seu propósito cuidar da vida e defendê-la, com fidelidade ao Evangelho. É justamente neste processo que se vivencia a espiritualidade de uma Igreja samaritana e profética. Samaritana pela exigência do cuidado com a vida ameaçada; profética pelo desafio de denunciar as estruturas negadoras da dignidade da vida humana.

Objetivo Geral da Comissão: Contribuir, à luz da Palavra de Deus e das DGAE, na promoção da pessoa e da comunidade, para que se tornem protagonistas, promotoras e defensoras da vida, transformando a sociedade em vista do Reino.

 

  1. Cultura e a Educação

A Comissão Episcopal Pastoral para Cultura e Educação tem a missão de tornar Jesus Cristo contemporâneo ao mundo da cultura e da educação no país. Esta missão é cumprida a partir de duas linhas de atuação, quais sejam, formação de agentes pastorais e articulação da presença de comissões nos regionais da CNBB. A Comissão possui quatro setores: Educação, Cultura, Universidades e Ensino Religioso.

Constituem público-alvo da Comissão: educadores, comunidade universitária, professores, estudantes, agentes de pastoral e atores no mundo da cultura e educação, e dirigentes cristãos de empresas.

  1. Vida e Família

A Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família (CEPVF) que está a serviço da missão da Igreja no Brasil, na perspectiva das DGAE, deixando-se de forma especial interpelar pela 5ª urgência – Igreja a serviço da vida plena – , buscou desenvolver durante o ano de 2018 diversos projetos e atividades na busca de promover a cultura de valorização da vida desde a fecundação até o término natural; bem como promover a família, como dom precioso e recurso indispensável para a pessoa e a sociedade.

Com uma metodologia firmada na busca da comunhão e da participação dos diversos agentes da pastoral familiar do Brasil, bem como dos demais cristãos presentes nos movimentos, serviços, institutos e novas comunidades voltados para a evangelização das famílias, desenvolveu diversas atividades que conduziram um crescimento na consciência de valorização, promoção e defesa da família e da vida.

Através da Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF), organismo vinculado à CNBB, a Comissão realiza suas atividades permanentes, tais como o serviço de assessoria aos Regionais, Dioceses e Paróquias da Igreja no Brasil; a condução da Secretaria Executiva Nacional da Pastoral Familiar (SECREN), a coordenação das atividades da Assessoria Pedagógica e do Instituto Nacional da Família e da Pastoral Familiar (INAPAF); a elaboração de subsídios de formação de evangelização das famílias e de formação de agentes de pastoral; a manutenção do seu portal na internet (www.cnpf.org.br) e da página de Facebook (www.facebook.com/PastoralFamiliarCNBB).

  1. Comunicação Social

A Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação possui caráter de serviço, apoio e comunhão no planejamento, na organização e articulação de programas e projetos de comunicação da Igreja no Brasil. Anima o agir comunicativo da Igreja em suas várias dimensões fortalecendo o sinergismo entre as diversas iniciativas na área da comunicação. Estimula a presença da Igreja nas mídias por meio de encontros e subsídios formativos para agentes da Pastoral da Comunicação.

 

  1. Juventude

A Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude (CEPJ), criada na 49ª Assembleia Geral da CNBB, se empenha na organização e animação da ação evangelizadora da Igreja junto aos jovens, favorecendo projetos e mecanismos para o amadurecimento integral do jovem na sua vocação de discípulo missionário de Jesus Cristo. Ela é a primeira responsável pela Pastoral Juvenil no país e acompanha mais sistematicamente os seguintes grupos organizados: a Coordenação Nacional da Pastoral Juvenil (Movimentos, novas Comunidades, Pastorais da Juventude, Congregações e Grupos Jovens Paroquiais), a Equipe Jovem de Comunicação e os Bispos referenciais da juventude dos18 Regionais da CNBB.

A Equipe de Subsídios é formada por adultos. Em vista da valorização e formação de todas as expressões juvenis, a CEPJ também promove encontros envolvendo jovens e adultos das Congregações Religiosas, Pastorais da Juventude, dos Movimentos Eclesiais, das Novas Comunidades, além de trabalhos conjuntos com outros serviços eclesiais: catequese, pastoral da educação, pastoral vocacional, pastoral missionária etc.

O post Missão das Comissões Episcopais Pastorais da CNBB é pauta deste segundo dia da 57ª AG apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.