IV Domingo do Tempo Comum

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)

 

“Farei surgir para eles, do meio de seus irmãos, um profeta semelhante a ti. Porei em sua boca as minhas palavras e ele lhes comunicará tudo o que eu lhe mandar”. (cf. Dt 18,18)

A Liturgia do IV Domingo do Tempo Comum é nos dado a reflexão sobre a ação do Profeta que vai além da pregação e revelação, mas sim o profetismo se insere na necessidade do encontro de Deus com o homem. Assim a proposta de projeto de liberdade e vida plena, através das observâncias da Lei, em que o papel do Profeta em denunciar e exortar a todos é essencial “para arrancar e demolir, para destruir e abater, para edificar e plantar” (cf. Jr 1,10)

Na Primeira Leitura, extraída do Livro do Deuteronômio (Dt 18,15-20), propõe uma reflexão sobre a experiência da profecia a partir da imagem de Moisés. Profeta é uma pessoa escolhida por Deus, Deus o chama, e Deus o envia para ser seu “caminho” no mundo. Afinal, o próprio Senhor afirma: “Porei em sua boca as minhas palavras e ele lhes comunicará tudo o que eu lhe mandar. Eu mesmo pedirei contas a quem não escutar as minhas palavras que ele pronunciar em meu nome” (cf. Dt 18,18b-19).

O Evangelho de Marcos (Mc 1,21-28), mostra Jesus como o verdadeiro Profeta, a qual ensina com autoridade, com o propósito do projeto de Libertação do Pai para todos os que o ouvem. Tudo isto, é intencional para que o homem seja libertado, renovado e transformado em homens livres. Tal poder de libertação é testemunhado quando o próprio Cristo liberta o homem do espírito mau, onde tal espírito exclama o próprio fim de todo o egoísmo, todo o pecado e a morte: “Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus” (cf. Mc 1,24b). Ora, Jesus cumpre o início da vitória sobre o poder do mal em que se concretizará, em sua totalidade, na sua própria Ressurreição, tudo isto como presságio da instauração do Reino de Deus.

A Segunda Leitura, extraída da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios (1Cor 7,32-35), convida aos discípulos a reconsiderar as suas prioridades, em vez de deixar que a realidade temporária ofusque o verdadeiro compromisso com o serviço de Deus e aos irmãos. E o apóstolo Paulo finaliza exortando: “Digo isto para o vosso próprio bem e não para vos armar um laço. O que eu desejo é levar-vos ao que é melhor, permanecendo junto ao Senhor, sem outras preocupações” (cf. 1Cor 7,35).

Imersos na Palavra desta Liturgia, que nossas ações busquem entender as exortações que são nos dadas para a observância da Lei, a busca incessante da Palavra de Deus e do seu cumprimento para a nossa Vida.

Saudações em Cristo!

 


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.