Igreja no Brasil deve fortalecer apoio evangelizador em projeto de solidariedade na Guiné Bissau

O trabalho de apoio à ação evangelizadora na Igreja em Guiné Bissau deve continuar no âmbito da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Após visita do assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Missionária e a Cooperação Intereclesial da entidade, padre Antônio Niemiec, ao país africano, foram apresentadas algumas demandas, como o pedido de livros de Filosofia e Teologia, os quais devem auxiliar na formação dos padres daquela região, dentro do “Projeto de Solidariedade entre as Igrejas do Brasil e da Guiné Bissau”, firmado em 2006.

Padre Antônio Niemiec, à esquerda | Foto: CNBB/Daniel Flores

Padre Antônio Niemiec esteve por 45 dias na Guiné Bissau, entre os meses de dezembro de 2018 e fevereiro de 2019. Na oportunidade, encontrou-se com os três bispos do país e tratou das propostas sugeridas no Brasil para apoio e escutou as demandas locais.

O pedido que foi feito dos bispos da Guiné foi o seguinte: ficaram muito satisfeitos com a propostas da PUC Rio da possibilidade de oferecer mestrado e doutorado futuramente.

Os bispos da Guiné Bissau agradeceram o apoio já oferecido desde 2006, quando professores do Brasil começaram a se disponibilizar para ministrarem disciplinas no seminário durante as férias no Brasil. Também manifestaram gratidão pela oferta de apoio da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) para cursos de mestrado e doutorado, o que não deverá ser efetivado neste momento, por conta de outras urgências.

Como pedidos mais concretos, considerado as necessidades mais latentes, foi solicitada a criação da faculdade de Filosofia no país, o que deve ser realizado até setembro de 220; a ampliação do tempo de permanência dos professores de cinco a seis semanas para dois meses a um semestre; a colaboração continuada dos professores em atividades de formação para o clero e cursos para os leigos; e a contribuição com livros de Filosofia e Teologia, uma vez que é escassa ou quase inexistente a produção editorial no país.

Dom Pedro Zilli, bispo de Bafatá, na Guiné Bissau, se encontro com seminaristas de Santa Catarina | Foto: reprodução/Facebook

“Dom Pedro Zilli [bispo brasileiro à frente da diocese de Bafatá, na Guiné Bissau] vai fazer um pedido para que a Igreja no Brasil os ajude na questão dos livros de Filosofia e Teologia, pois praticamente eles não têm nada no seminário. Nós levamos algumas apostilas para poder ajudar um pouco os seminaristas e na área de Filosofia e Teologia. Há uma carência de tudo. Os livros que eles conseguem são trazidos de Portugal e há a questão do preço”, partilhou padre Antônio.

O presidente da Comissão para a Cooperação Intereclesial da CNBB, dom Esmeraldo Barreto de Farias, adiantou que será feita uma lista da bibliografia básica dos cursos de Filosofia e Teologia para arrecadar o material nos regionais e dioceses para e enviar ao país africano.

O secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, citou como possibilidade o que pode ser oferecido pela Edições CNBB e pela própria CNBB por meio do conteúdo do seu acervo. O presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, dom Jaime Spengler, citou o acervo do antigo seminário de Viamão, cuja parte que não foi doada para seminários da Amazônia poderia ser aproveitada para envio ao seminário da Guiné Bissau.

Visita e doação
Padre Antônio Niemiec pôde conhecer várias realidades e se reunir com as comunidades e membros de serviços eclesiais na Guiné Bissau, além das missionárias e missionários brasileiros que atuam no país. A atividade principal, porém, estava dentro das atividades do “Projeto de Solidariedade entre as Igrejas do Brasil e da Guiné Bissau”, firmado em 2006. A iniciativa, explica o padre, “contempla o envio anual de professores de filosofia e teologia para a Guiné Bissau, dada a carência de professores neste país. Até o presente momento, foram enviados 17 professores do Brasil, nos meses janeiro-fevereiro, que ajudaram na formação de 28 padres da Igreja da Guiné”.

Além da formação acadêmica, no Seminário Maior, os professores assumem também diversos outros serviços, durante a estadia deles no país africano: celebrações no Seminário e nas paróquias, encontros e cursos de formação para leigos, retiros, conforme as solicitações recebidas. “É uma alegria poder contribuir um pouco nesse projeto de cooperação missionária”, compartilhou nas redes sociais.

No Seminário Maior Interdiocesano, o único na Guiné Bissau, padre Antônio ministrou aulas da Sagrada Escritura (Cartas Católicas e Carta aos Hebreus) e da Teologia Espiritual. “É um curso intensivo, por isso, as aulas acontecem todos os dias da semana. No Seminário, além dos seminaristas das duas dioceses da Guiné (Bissau e Bafatá), estudam também os seminaristas religiosos e irmãs religiosas. O quadro numérico de alunos (diocesanos e religiosos/as) se apresenta da seguinte maneira: Propedêutico – 18; Filosofia – 14; Teologia – 24”, contou.

Iniciação cristã
Num país com forte presença muçulmana, mas com grande carência da presença da Igreja Católica, até a pedido de membros de religiões tradicionais, chamou atenção do assessor da Comissão para a Ação Missionária da CNBB uma paroquia no centro da capital que tem 2500 catecúmenos, pessoas em preparação para o Batismo. Ali, de acordo com padre Niemiec, são somente 98 catequistas. “Vale a pena a gente colaborar neste projeto para uma Igreja que depende totalmente dos outros”, disse.

O post Igreja no Brasil deve fortalecer apoio evangelizador em projeto de solidariedade na Guiné Bissau apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.