Faça-se a Tua vontade

Cardeal Orani João Tempesta
Arcebispo do Rio de Janeiro

Celebramos nesta segunda-feira a Solenidade da Anunciação do Senhor. O Papa Francisco estará neste dia na Basílica de Loreto para lembrar que todos nós somos chamados a dizer “sim” ao Senhor como Maria e também assinar a Exortação Apostólica pós-sinodal sobre os jovens, como se referiu ao final do Ângelus deste domingo em Roma. Um momento importante na caminhada da Quaresma e da Igreja nos tempos atuais. Um dia festivo em meio ao tempo de penitência quaresmal.

Contemplemos o mistério: A humildade foi assumida pela majestade, a fraqueza, pela força, a mortalidade, pela eternidade. Para saldar a dívida de nossa condição humana, a natureza impassível uniu-se à natureza passível. Deste modo, como convinha à nossa recuperação, o único mediador entre Deus e os homens, o homem Jesus Cristo, podia submeter-se à morte através de sua natureza humana e permanecer imune em sua natureza divina. Entrou, portanto, o Filho de Deus neste mundo tão pequeno, descendo do trono celeste, mas sem deixar a glória do Pai; é gerado e nasce de modo totalmente novo. De modo novo porque, sendo invisível em si mesmo, torna-se visível como nós; incompreensível, quis ser compreendido; existindo antes dos tempos, começou a existir no tempo. O Senhor do universo assume a condição de escravo, envolvendo em sombra a imensidão de sua majestade; o Deus impassível não recusou ser homem passível, o imortal submeteu-se às leis da morte.(Das Cartas de São Leão Magno, papa.)

Dentro do espírito de conversão e mudança de vida que a quaresma nos pede, a Igreja nos propõe a celebração da Anunciação do Senhor, a solenidade da Encarnação do Verbo. Com a celebração da Anunciação do Senhor, celebramos o momento no qual o Filho de Deus se fez Filho do Homem, porque assumiu a natureza humana, e também o momento que Ele penetrou a nossa história para nos salvar. Assim, confessamos a plena divindade e a plena humanidade do Filho de Deus, que sem deixar de ser Deus, se abaixou e se fez homem no seio da Virgem Maria, para ser o nosso Salvador. Celebramos que a iniciativa de nos salvar é de Deus, sim, mas Ele conta com a nossa cooperação. E hoje, de forma muito especial, vemos a participação de Maria na salvação da humanidade que, como o seu ‘sim’, com a sua fé, abriu as portas da humanidade, decaída pelo pecado, à salvação que Deus nos oferece.

A primeira leitura desta solenidade (Is 7, 10-14; 8,10), se encontra na parte do livro definida como o Livro do Emanuel, que vai do cap. 7 ao 12, onde o ponto culminante está no anúncio misterioso do Messias Salvador, chamado de Emanuel, que significa: Deus está conosco. As palavras do profeta, quem em seu contexto histórico e em seu significado literal estavam bastante claras para os protagonistas, tem a capacidade de se enriquecer com novos significados no contexto progressivo da Revelação: é exatamente o que acontece com este texto, utilizado no contexto da solenidade de hoje. A passagem apresenta três elementos que, separadamente ou em conjunto, podem ser sinal de paz e salvação: A Virgem Mãe, seu Filho e o nome que recebe: Emanuel. Maria é Virgem, é mãe, e seu filho não é somente um símbolo da proteção de Deus, mas a presença do Deus verdadeiro que habita em nosso meio.

         “A Sagrada Escritura do Antigo e Novo Testamento e a venerável Tradição mostram de modo progressivamente mais claro e como que nos põem diante dos olhos o papel da Mãe do Salvador na economia da salvação. Os livros do Antigo Testamento descrevem a história da salvação na qual se vai preparando lentamente a vinda de Cristo ao mundo. Esses antigos documentos, tais como são lidos na Igreja e interpretados à luz da plena revelação ulterior, vão pondo cada vez mais em evidência a figura duma mulher, a Mãe do Redentor. A esta luz, Maria encontra-se já profeticamente delineada na promessa da vitória sobre a serpente (Ge. 3,15), feita aos primeiros pais caídos no pecado. Ela é, igualmente, a Virgem que conceberá e dará à luz um Filho, cujo nome será Emmanuel (Is 7,14; Mq 5, 2-3; Mt 1, 22-23). É a primeira entre os humildes e pobres do Senhor, que confiadamente esperam e recebem a salvação de Deus. Com ela, enfim, excelsa Filha de Sião, passada a longa espera da promessa, se cumprem os tempos e se inaugura a nova economia da salvação, quando o Filho de Deus dela recebeu a natureza humana, para libertar o homem do pecado com os mistérios da Sua vida terrena. (Lumen Gentium 55).

O salmo de resposta a esta profecia (Sl 39/40) nos ajuda a rezar a generosidade de um servo que, com prazer e gratidão, aceita fazer parte dos planos de Deus. Tal aceitação ilimitada e prazerosa dos planos divinos pode ser vista na atitude da segunda pessoa da santíssima Trindade, ao se dignar assumir a fragilidade humana e na atitude da Virgem Maria, que no seu faça-se atualiza a disposição apresentada pelo salmista.

As palavras do salmo são reutilizadas na passagem da Escritura proclamada na segunda leitura (Hb 10, 4-10). Nesta passagem, vemos acentuada a eficácia do sacrifício de Cristo, que  tem sua raiz na obediência perfeita ao Pai. Este é o motivo da Encarnação, que hoje celebramos. Só o sacrifício de Cristo e sua total obediência são superiores aos do antigo testamento e tem uma eficácia para sempre.

O Evangelho (Lc 1, 26-38) tão ricamente ornado de significados, cujo relato dá origem à celebração de hoje, é um dos mistérios gozosos propostos para a contemplação do povo de Deus na oração do Santo Rosário e proposto como oração três vezes por dia, na oração do Ângelus. O mistério da Encarnação traz consigo diversas realidades, cuidadosamente apresentadas no relato de Lucas. Maria é Virgem, concebe sem intervenção de homem algum; e o menino, verdadeiro homem por ser filho de Maria, é ao mesmo tempo Filho de Deus no sentido mais forte da expressão.

Ao falar sobre Jesus, o anjo afirma que o menino será o cumprimento das promessas. São usadas expressões bastante antigas na mensagem do anjo, expressões que estão inseridas nas profecias do Antigo Testamento, conectadas com as a promessa divina a Jacó, com os anúncios sobre o Messias descendente de Davi e os anúncios proféticos do Reino de Deus. No entanto, a descrição do menino como Santo e Filho de Deus ultrapassa todas as esperanças imaginadas até o momento. Deus mesmo vem habitar em meio a seu povo, utilizando meios que são, também estes, surpreendentes aos olhos dos homens.

A descrição feita da Virgem Maria no relato é bastante significativa. Para os olhos dos homens, ela é a virgem prometida em casamento a José, da casa de Davi. Para Deus, ela é a cheia de graça, a criatura mais singular que até agora veio ao mundo. No entanto ela se considera escrava do Senhor, apresenta sua total disponibilidade ao agir de Deus em sua vida e em meio aos homens.

Humildade de Maria que, no entanto, através dela, Deus se digna vir habitar em meio aos homens. Maria se coloca como a serva do Senhor. Promessas de Deus e disponibilidade de Maria: Cristo aceita os planos do Pai aceitando a condição de servo e Maria aceita os planos de Deus com o seu faça-se.

O Pai das misericórdias quis que a aceitação, por parte da que Ele predestinara para mãe, precedesse a encarnação, para que, assim como uma mulher contribuiu para a morte, também outra mulher contribuísse para a vida. É o que se verifica de modo sublime na Mãe de Jesus, dando à luz do mundo a própria Vida, que tudo renova. Deus adornou-a com dons dignos de uma tão grande missão; e, por isso, não é de admirar que os santos Padres chamem com frequência à Mãe de Deus «toda santa» e «imune de toda a mancha de pecado», visto que o próprio Espírito Santo a modelou e d‘Ela fez uma nova criatura. Enriquecida, desde o primeiro instante da sua conceição, com os esplendores duma santidade singular, a Virgem de Nazaré é saudada pelo Anjo, da parte de Deus, como «cheia de graça» (Lc 1,28); e responde ao mensageiro celeste: «eis a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra» (Lc. 1,38). Deste modo, Maria, filha de Adão, dando o seu consentimento à palavra divina, tornou-se Mãe de Jesus e, não retida por qualquer pecado, abraçou de todo o coração o desígnio salvador de Deus, consagrou-se totalmente, como escrava do Senhor, à pessoa e à obra de seu Filho, subordinada a Ele e juntamente com Ele, servindo pela graça de Deus onipotente o mistério da Redenção. Por isso, consideram com razão os santos Padres que Maria não foi utilizada por Deus como instrumento meramente passivo, mas que cooperou livremente, pela sua fé e obediência, na salvação dos homens. Como diz S. Irineu, «obedecendo, ela tornou-se causa de salvação, para si e para todo o género humano». Eis porque não poucos Padres afirmam com ele, nas suas pregações, que «o nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria; e aquilo que a virgem Eva atou, com a sua incredulidade, desatou-o a virgem Maria com a sua fé»; e, por comparação com Eva, chamam Maria a «mãe dos vivos» e afirmam muitas vezes: «a morte veio por Eva, a vida veio por Maria»”. (Lumen Gentium 56).

Que os acontecimentos neste ano, na meditação e na vivência desta solenidade, aprendamos a entregar nossas vidas à vontade do Pai e aprendamos a fazer de nossas vidas um dom. O Filho se doa habitando em nosso meio. A Virgem Maria se doa, colocando sua existência em função dos planos de Deus, na dimensão da salvação da eternidade. Que Deus nos converta para que conheçamos o valor da vida simples e humilde e nos faça descobrir a grandeza do que é fazer da própria vida dom. É o que o Papa Francisco nos disse ao final do Ângelus deste domingo exortando-nos a nos inspirar no “sim de Maria”.

Que no espírito da Campanha da Fraternidade, possamos nos comprometer com a vida do outro, procurando as formas viáveis para o estabelecimento de políticas públicas que valorizem a dignidade humana e tenham como objetivo primeiro a sacralidade da vida, não a obtenção de lucro.

Oremos: Derramai, ó Deus, a Vossa graça em nossos corações, para que, conhecendo pela mensagem do anjo a encarnação do vosso Filho, cheguemos, por Sua Paixão e Cruz, à glória da Ressurreição. Por Cristo, nosso Senhor.

 

 

 

 

O post Faça-se a Tua vontade apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.