Eucaristia – Ação de Graças

Dom Aloísio Alberto Dilli
Bispo de Santa Cruz do Sul (RS)

Caros diocesanos. Continuamos hoje nossa reflexão sobre a eucaristia que torna o Senhor ressuscitado presente entre nós. No ano da eucaristia em nossa diocese (2019), dentro do processo da Iniciação à Vida Cristã, no espírito catecumenal, estamos aprofundando o tema eucarístico, pois a eucaristia é a celebração central da vida litúrgica da Igreja. Como afirmou o Papa João Paulo II, hoje santo, a Igreja vive da Eucaristia e se torna o núcleo de seu mistério. Ela é a fonte e o centro de toda vida cristã e nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja. Através dela o próprio Cristo eterniza seu mistério pascal em todos os tempos.

A espiritualidade eucarística revela diversos aspectos ou dimensões em sua unidade indivisível: ela nasce numa Ceia pascal que torna presente o Sacrifício da Cruz e a gloriosa Ressurreição de Jesus Cristo (Páscoa), fazendo acontecer a oferta da ação salvadora do Filho Unigênito, como a maior Ação de Graças possível ao Pai. Assim continua a atuar-se pela eucaristia a salvação da humanidade, tornando-se ela também a fonte e ápice de toda evangelização da Igreja. Viver uma espiritualidade de Jesus eucarístico significa comungar sua vida, dada em sacrifício redentor, tornando-nos com Ele e os irmãos uma verdadeira oblação e ação de graças ao Pai, em nossa missão evangelizadora.

Hoje abordaremos a dimensão eucarística de ação de graças, sem excluir os demais aspectos:

A Berakáh é uma forma de oração judaica, de louvor e de agradecimento, muito comum no Antigo Testamento: Normalmente inicia com a clássica forma: “Bendito seja Deus que…”. Ela é recitada, sobretudo, diante de fatos maravilhosos realizados por Deus; assim fazia parte da ceia pascal judaica, como primeiro gesto ritual, para agradecer a libertação do povo de Israel da escravidão do Egito.

Com o sacrifício de Cristo, único e eterno, a Berakáh adquiriu um novo sentido e um novo conteúdo: ação de graças pela redenção pascal da nova e eterna Aliança. A Igreja, pela Eucaristia (Oração eucarística), celebra essa Ação de graças, do “nascer ao pôr do sol” (Oração Eucarística III) e pelos séculos afora. Assim atua-se a grande e maior ação de graças possível ao Pai pela doação pascal de seu Filho, na unidade do Espírito Santo (Ação trinitária): “Por Cristo, com Cristo, em Cristo a vós, Pai Todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra, toda a glória, agora e para sempre”.

Essa dimensão da espiritualidade eucarística conduzirá a um coração grato e provocará atitudes de gratuidade e de solidariedade para com os que nos cercam: “gloria Dei homo vivens = A glória de Deus é a vida da pessoa humana” (Sto. Irineu – séc. II). Resultará em gestos concretos de adoração (presença real e permanente) e de respeito e nobre decoro em relação aos locais e objetos preciosos relacionados com a eucaristia; seja também de respeito pela dignidade pessoal e dos irmãos e irmãs que vivem ao nosso lado, sobretudo os necessitados, através dos quais o Senhor também se manifesta. A solenidade de Corpus Christi destaca de forma especial a dimensão do louvor e da ação de graças, sem dispensar as demais, também sempre presentes em todas as celebrações ou manifestações eucarísticas.

O post Eucaristia – Ação de Graças apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.