“Eu também não te condeno!”

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará

“Ainda que em nenhuma época esteja ausente a bondade e da misericórdia de Deus, no tempo quaresmal a remissão dos pecados é colocada mais à disposição de todos, e é mais abundante o número daqueles que buscam renascer na graça batismal e se reforça com o retorno dos convertidos. Lavam as águas batismais, mas lavam também as lágrimas! Daí nasce a alegria pela readmissão dos eleitos e pela absolvição dada àqueles que se arrependem. Eis porque os servos e servas, que caíram em diversas formas de pecado dizem, com as palavras dos profetas: ‘Pecamos e praticamos injustiças, cometemos iniquidades! Senhor, tende piedade de nós!’ Com alegria, acolheram a palavra do Evangelho: ‘Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados’. Como está escrito, ‘eles comeram o pão da dor, e banharam de lágrimas o seu leito’ (Cf. Sl 6,7; Sl 41,4), afligiram seu coração com o pranto e seu corpo com o jejum, para readquirir a salvação perdida de suas almas. Único, portanto, é o remédio da penitência e ele é útil a cada um e vem ajudar a todos”. São palavras constantes do antigo Rito da Reconciliação dos Penitentes, usado durante muito tempo na Igreja na manhã da Quinta-feira Santa. É este o estado de espírito adequado para os dias que correm, em preparação para a Páscoa.

A Quaresma é para nós o tempo favorável para a Reconciliação, fruto da volta para Deus, por ele mesmo suscitada em nossos corações. E a beleza da vida da Igreja nos oferece o Sacramento da Penitência, um dos canais da graça que realizam o que significam através de gestos externos. Em sua celebração podemos aprender os caminhos de aproximação com a graça libertadora do perdão!

No Evangelho (Jo 8,1-11), encontramos algumas etapas do perdão oferecido por Jesus. O Senhor acolheu certa vez uma mulher apanhada em flagrante adultério, pecado público que a lei antiga punia com a morte. O rito do encontro de Jesus com esta mulher ilumina nossa prática penitencial! A mulher vem do meio da multidão e é acusada de grave delito! Confissão deve ser feita pela pessoa que se reconhece pecadora! Aqui, ela é acusada, e a confissão sincera só virá no olhar, sem o peso dos gritos dos circunstantes! A norma da lei é apresentada, enquanto no Sacramento deve ser proclamada a Palavra que ilumina nossos passos! Jesus não foge da lei, mas quer estabelecer seu cumprimento a partir da verdade. Como sabemos, a Miséria e a Misericórdia ficaram sozinhas. Confissão, conselho, absolvição, tudo junto, na festa do perdão: “Ele levantou-se e disse: ‘Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?’ Ela respondeu: ‘Ninguém, Senhor!’ Jesus, então, lhe disse: ‘Eu também não te condeno. Vai, e de agora em diante não peques mais’” (Jo 8,10-11).

O Catecismo da Igreja Católica (Cf. números 1446 a 1460), fonte da reflexão que agora apresentamos, traz preciosos ensinamentos sobre este Sacramento, oportunos para a sua vivência neste tempo favorável. Cristo instituiu o sacramento da Penitência para todos os membros pecadores da sua Igreja. O sacramento da Penitência oferece uma nova possibilidade de se converterem e de reencontrarem a graça da justificação. Como aproximar-nos do Sacramento do Perdão?

Por um lado, estão os atos da pessoa que se converte sob a ação do Espírito Santo, a saber, a contrição, a confissão sincera e a satisfação: por outro, a ação de Deus pela intervenção da Igreja. A Igreja que, por meio do bispo e seus presbíteros, concede, em nome de Jesus Cristo, o perdão dos pecados e estabelece o que se chama ‘satisfação’, pois quem se confessa deve fazer mais alguma coisa para reparar os seus pecados: «satisfazer» de modo apropriado ou «expiar» os seus pecados. A esta satisfação também se chama «penitência». A Igreja também reza pelo pecador e faz penitência com ele. Assim, o pecador á curado e restabelecido na comunhão eclesial. A penitência leva o pecador a tudo suportar de bom grado: no coração, a contrição; na boca, a confissão dos pecados; nas obras, toda a humildade e frutuosa satisfação.

Quem busca o Sacramento da Penitência precisa ter no coração o reconhecimento de sua situação de pecador. Ninguém procure o confessor para contar os pecados e falhas dos outros, mas para dizer, a seu modo: “Foi contra vós, só contra vós que eu pequei” (Sl 50,6). A contrição ocupa o primeiro lugar para alguém se confessar. Ela é uma dor da alma e a rejeição do pecado cometido, com o propósito de não mais pecar no futuro. É conveniente que a recepção deste sacramento seja preparada pelo exame de consciênciafeito à luz da Palavra de Deus. Os textos mais adaptados para este exame devem procurar-se no Decálogo e na catequese moral dos evangelhos e das cartas dos Apóstolos: sermão da montanha e ensinamentos apostólicos.

A confissão dos pecados, mesmo de um ponto de vista simplesmente humano, liberta-nos e facilita a nossa reconciliação com os outros. Pela confissão, encaramos de frente os pecados de que se nos tornamos culpados, assumindo nossa responsabilidade e abrindo-nos de novo a Deus e à comunhão da Igreja.

Sendo um tribunal, o da misericórdia, a confissão sincera sempre se conclui com o perdão. Eis o que diz o confessor a quem se confessa: “Deus, Pai de misericórdia, que, pela morte e ressurreição de seu Filho, reconciliou o mundo consigo e enviou o Espírito Santo para a remissão dos pecados, te conceda, pelo ministério da Igreja, o perdão e a paz. E eu te absolvo dos teus pecados em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo”.

É o modo da Igreja dizer: “Eu também não te condeno. Vai, e de agora em diante não peques mais”.

O post “Eu também não te condeno!” apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.