Escutar jovens

Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo de São Paulo (SP)

O Santuário Nacional de Aparecida sediou, de 1º a 10 de maio, a 57ª assembleia geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), com a participação de cerca de 330 bispos católicos, representantes das 275 dioceses do Brasil. Realizada anualmente, a assembleia tem o objetivo principal de tratar de assuntos relevantes para a vida, a organização e a atuação da Igreja Católica no País, de forma a atender às demandas da missão da Igreja em todas as suas dimensões, sempre em sintonia com as orientações do Papa Francisco e da Santa Sé.

Os principais assuntos tratados foram a definição das diretrizes quadrienais da ação da CNBB e da Igreja no Brasil, o acompanhamento da vida social, econômica e política do País, assuntos de doutrina da fé e liturgia, a preparação do sínodo da “Pan-Amazônia”, a ser realizado em Roma, no próximo mês de outubro e a situação religiosa no Brasil, especialmente no que se refere aos jovens. Durante a sua assembleia, a CNBB também elegeu o seu novo quadro diretivo para o próximo quadriênio. E não faltou muita oração e também um dia de retiro espiritual, pregado por Dom José Tolentino, bispo português responsável pelo arquivo secreto do Vaticano e pela biblioteca pontifícia.

A pluralidade de assuntos e temas abordados durante a Assembleia denota a amplitude e a riqueza dos campos de atuação da Igreja Católica no Brasil que, atenta à sua missão religiosa, não deixa de dar a sua contribuição para o bem comum, estimulando e orientando seus membros a serem cidadãos participativos nas suas comunidades locais em vista da edificação de comunidades locais bem constituídas e atentas às mais diversas realidades humanas nas quais estão inseridos. Um bom cristão também há de ser um bom cidadão.

Nesse sentido, a juventude está merecendo uma atenção especial da Igreja e o Papa Francisco dedica um empenho pessoal aos jovens. Nas suas palavras, “os jovens são o agora de Deus” e necessitam de maior atenção da Igreja. Nas expectativas e desafios dos jovens, mostram-se os rumos para a construção da sociedade do amanhã. “Eles são, de certa forma, o termômetro para avaliar como está a sociedade”, disse Francisco no encontro com os bispos da América Latina durante a Jornada Mundial da Juventude, no Panamá, em janeiro deste ano.

Diversas têm sido, ao longo do tempo, as iniciativas da Igreja voltadas aos jovens. Na América Latina, em 1979, a Conferência de Puebla fez a opção pelos jovens no Continente. Seguramente, porém, a iniciativa que teve maior relevância e visibilidade, nesse sentido, foi a Jornada Mundial da Juventude, promovida por São João Paulo II a partir de dois eventos: o jubileu dos jovens, em Roma, no Ano Santo da Redenção de 1984, e o encontro mundial dos Jovens realizado no Ano Internacional da Juventude proclamado pela ONU, em 1985.

Logo em seguida, o mesmo Papa dedicou uma Carta Apostólica aos jovens, convidando-os a participarem de um encontro em Roma, em 1986. Essa foi a primeira Jornada Mundial da Juventude, que teve a sua continuidade no ano seguinte, no encontro internacional de jovens de Buenos Aires. A Jornada Mundial da Juventude, realizada a cada três anos, tornou-se um encontro internacional de peregrinação de jovens, aos quais o mesmo São João Paulo II dedicou estas palavras: “Vós sois a esperança da Igreja. Vós sois a minha esperança!”

Bento XVI deu continuidade às jornadas da juventude e convocou três delas durante seu pontificado. Francisco fez o mesmo e sua primeira participação no evento foi no Rio de Janeiro, em 2014. Ainda permanecem bem vivas as imagens impressionantes dos milhões de jovens na orla de Copacabana, aos quais o Papa dirigiu palavras encorajadoras e pediu que descessem às ruas e participassem com esperança da construção do seu futuro.

Francisco, porém, percebeu que os novos tempos pediam para ir além: era preciso dar a palavra aos jovens, para falarem com toda a liberdade. Já não bastava falar sobre a juventude ou falar aos jovens, a partir de paradigmas preconcebidos: Era necessário ouvi-los. E ele mesmo deu o exemplo na preparação da assembleia do Sínodo dos Bispos sobre a juventude. A primeira etapa da preparação da assembleia sinodal consistiu numa ampla pesquisa e escuta dos jovens, que dela tomaram parte aos milhares, sem restrições de fé ou ideologia.

Em setembro de 2017, Francisco presidiu em Roma um seminário sobre a condição juvenil no mundo, com a participação de centenas de jovens provenientes de muitos países. Foi a etapa preparatória próxima para o sínodo, realizado em outubro de 2018, com o tema: “O jovem, a fé e o discernimento vocacional”. Mesmo sendo Sínodo um organismo episcopal, a assembleia sinodal também contou com uma significativa participação de jovens de vários países.

Fruto desse sínodo sobre o tema da juventude foi a Exortação Apostólica “Christus vivit” (Cristo vive), publicada em abril passado. Na sua assembleia geral, a CNBB acolheu esse documento pontifício, que deve assinalar um novo método no trabalho com os jovens. Desse método fazem parte a escuta empática, a discussão, o discernimento e a ação. O próprio Papa destacou a importância desse passo para a Igreja no final da reunião sinodal: “uma vez que a Igreja escolheu ocupar-se dos jovens neste Sínodo, ela, no seu conjunto, fez um opção muito concreta e considera esta missão uma prioridade pastoral decisiva, à qual deve investir tempo, energia e recursos”. Sem dúvida, serão esforços compensadores, pois aos jovens devem ser dedicadas as melhores atenções e energias.

A CNBB encarregou uma comissão para estudar e propor um projeto de iniciativas e ações para a juventude no Brasil, contando com as diretrizes do Papa Francisco na sua Exortação Apostólica.

O post Escutar jovens apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.