Em procissão!

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo  de Belém do Pará (PA)

 

Nossa Liturgia é rica de procissões, assim como nossas devoções populares. Procissão de abertura das celebrações, procissão com o Evangeliário, procissão das oferendas, procissão da Comunhão. E a Semana Santa nos leva às ruas, com a celebração do Domingo de Ramos, na qual recordamos a entrada de Jesus em Jerusalém, proclamando-o bendito também em nossa cidade e em nosso coração. Recordamos os passos da Via-Sacra, passamos pelas ruas para recordar o caminho de Jesus ao Calvário e o encontro com sua Mãe. Na Sexta-feira Santa a imagem do Senhor Morto percorre as ruas da Cidade Velha, para chegar, enfim, à grande procissão da Luz, com a qual proclamamos, na Vigília Pascal, que só Jesus Cristo é a Luz para as trevas do mundo!

Nas Missas do Tempo Pascal, poderemos cantar alegres: “Em procissão vão o pão e o vinho, acompanhados de nossa devoção, pois simbolizam aquilo que ofertamos, nossa vida e nosso coração. Ao celebrar nossa Páscoa e ao vos trazer nossa oferta, fazei de nós, ó Deus de amor, imitadores do Redentor. A nossa Igreja, que é mãe, deseja que a consciência do gesto de ofertar se atualize durante toda a vida, como o Cristo se imola sobre o Altar. Eucaristia é Sacrifício, aquele mesmo que Cristo ofereceu, o mundo e homem serão reconduzidos para a nova Aliança com seu Deus. O pão e o vinho serão, em breve, o Corpo e o Sangue do Cristo Salvador. Tal alimento nos une num só Corpo, para a glória de Deus e seu louvor.” Será o ponto de chegada de nossas procissões e peregrinações pelas estradas da vida.

Neste ano, mais uma vez, pela situação sanitária em que nos encontramos, com tantos desafios e dores para a humanidade toda e para nossa Igreja, deveremos celebrar com pouca movimentação pelas ruas a nossa Semana Santa. Sem grandes procissões, queremos fazer a maior de todas, com nosso caminho verdadeiro e autêntico para a Páscoa, e dela podem todos participar, mesmo ficando em casa!

Para tanto, desejamos pedir ajuda a algumas figuras que entraram na primeira e definitiva Semana Santa, participantes do Mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor, escolhidas dentre muitas outras que cada pessoa poderá acrescentar e meditar com seus gestos de amor descritos nos Evangelhos. São pessoas notáveis ou não, algumas até discretas ou escondidas, mas lembradas aqui a fim de que ninguém de nossos dias e de cada família se sinta excluído.

Quando Jesus entrou em Jerusalém, para lá subiam as tribos do Senhor (Cf Sl 121,4), ele vem para ser entregue! Entretanto, sua chegada é festejada. Podemos imaginar a criançada gritando hosanas, os ramos e as roupas estendidas! Nossas casas muitas vezes se enfeitaram para verem passar as procissões! Mesmo sem poder sair às ruas e levantar os ramos neste ano, algum sinal seja colocado em nossas casas, para dizer que é bendito o que vem em nome do Senhor. E em nossa oração de família, Igreja doméstica e sempre aberta, peçamos a libertação da presente pandemia em nossos dias, na Jerusalém de hoje e todas as nossas cidades tão machucadas!

O jovem escondido, que seguia Jesus coberto só de um lençol, pode despertar em nós a santa curiosidade de acompanhar os acontecimentos (Mc 15,31). De um lado, pode ser sinal da debandada geral, profetizada por Amós (Am 2,14-16) que se seguiu à prisão de Jesus. Alguns até supõem que tenha sido o próprio Marcos. Sua figura pode até estar ligada ao jovem vestido de branco (Mc 16,5) que as mulheres encontraram ao chegarem ao sepulcro no primeiro dia da semana, para dizer-lhes: “Ressuscitou, não está aqui”. Entretanto, ele nos faz entrar na grande procissão da condenação de Jesus, quem sabe, às escondidas, mas presentes! Ninguém nos despreze pelas muitas perguntas que o mistério de Cristo nos provoca. E nasça em nós o desejo de sermos anunciadores da Ressurreição, com as vestes e a história que tivermos!

Os servos que levaram a água para Pilatos lavar as mãos (Mt 27,24), testemunhas do ato de covardia do governador, entraram sem querer nos relatos da condenação de Jesus. Podem ajudar-nos a superar as eventuais cumplicidades com o mal existente no mundo, pedindo perdão pela nossa displicência. É bom saber que antes o próprio Senhor recomendara aos discípulos de ontem e de sempre lavar os pés dos outros! Haja água para tais gestos de amor!

Simão Cirineu (Mc 15,21) passava pelo caminho, foi primeiro obrigado a ajudar Jesus, mas desejamos vê-lo como primeiro seguidor de Jesus: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me!” (Mc 8,34). De fato, tomou gosto pela ajuda dada a Jesus! Podemos imaginar este caminho de conversão! Com certeza, quando o Evangelho diz que era pai de Alexandre e Rufo, é sinal de que vieram a ser membros das primeiras Comunidades (Cf. Rm 16,13). Haveremos de transformar obrigações de serviço ao próximo em entrega livre e amorosa!

A tradição nos presenteou com Verônica, cujo nome significa imagem verdadeira (verdadeiro ícone!). O nome é referência à imagem do rosto de Cristo que ficou impresso no véu com o qual Verônica teria enxugado o rosto do Mestre todo ensanguentado. Tradições cristãs antiquíssimas a colocam entre as mulheres de Jerusalém às quais Jesus dirigiu um lamento quando caminhava para o Calvário (Lc 23, 27-31). De sua figura brotou a bela devoção à Sagrada Face, presente em meio ao nosso povo. Com ela desejamos reconhecer a face de Cristo e descobri-la também presente em tantos outros rostos, já que o que fizermos ao menor dos irmãos terá sido feito a ele (Mt 25,40).

No alto da Cruz, Jesus “canoniza” o Bom Ladrão (Lc 23,39-43). Jesus morreu por ele e por nós, pagando a dívida de Adão e restituindo tudo o que fora roubado por aquele que, mais esperto do que todos os ladrões, roubou o Paraíso na última hora! Basta voltar-se para Jesus, com o olhar da fé, e todo o passado fica para trás, lavado pela sua misericórdia infinita, e isso vale para todos nós!

José de Arimatéia esperava o Reino de Deus e não tinha concordado com o Sinédrio na condenação de Jesus (Lc 23,51). Discípulo do Senhor às escondidas, no momento mais difícil tem coragem de se expor e pede o corpo de Jesus, para depositá-lo num sepulcro de sua propriedade (Mt 27, 57-60; Mc 15,42-46; Lc 23,50-53; Jo 19,38-42). Com ele estava Nicodemos, que tinha se encontrado com Jesus de noite (Jo 3,1-15) e tinha tomado a defesa de Jesus diante do Sinédrio (Jo 7,50-52). O gesto dos dois perfumou o caminho do seguimento de Jesus, ungidos que somos todos, para encontrar o Cristo ressuscitado.

Após o sepultamento de Jesus, mulheres que o acompanharam desde a Galileia (Lc 23,55-56) observaram tudo e voltaram para casa, como nós que somos quase constrangidos a ficar em casa! Após o sábado, foram ao sepulcro. Vamos nós, com Maria Madalena e as outras mulheres ao sepulcro. Sairemos depois correndo, em procissão festiva, para proclamar que Ele está vivo! Saiamos de nós mesmos ao encontro de Cristo. Esta é a melhor procissão!


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.