Diocese de Roraima encerra o inquérito de canonização de José Allamano

A Diocese de Roraima tem encerrado no dia 15 de março o Inquérito de canonização do Bem-aventurado José Allamano, fundador dos missionários e das missionárias da Consolata. Após nove dias de trabalhos, desde o dia 7 de março, tem acontecido a última sessão do Tribunal Diocesano para a Causa dos Santos, que tem estudado a veracidade da cura milagrosa do indígena Sorino, do povo Yanomami, atribuída à intercessão do agora beato.

Segundo o padre Lúcio Nicoletto, Vigário Geral da Diocese de Roraima e Delegado do Bispo para o Inquérito, é momento de “agradecer a equipe que ao longo de uma semana trabalharam para a recuperação dos documentos”. O religioso da Consolata, destacava a importância da recuperação do indígena yanomami Sorino, inexplicável aos olhos da ciência, algo que espera “possa produzir frutos de amor e de um testemunho de vida plena no amor”.

Também o bispo diocesano, Dom Mário Antônio da Silva, agradecia aos missionários e missionárias da Consolata, de quem destacava sua missionariedade, às testemunhas e a todos que tem participado no processo. O segundo vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, lembrava um pensamento do beato José Allamano, “a vida humana torna-se tanto mais intensa e significativa quanto mais for vivida com amor”, enfatizando que ao longo do processo realizado nos últimos dias “nos acompanhou o amor de Deus”. Dom Mário Antônio dizia que “este tribunal é algo que se conclui, mas que não finaliza, mas que se amplia, abrindo nossos olhos e o nosso coração para a missão”.

Após os juramentos daqueles que tem participado do inquérito e dos diferentes procedimentos estipulados pelo Direito Canónico, as caixas com os documentos relativos ao processo de canonização têm sido fechadas e lacradas e entregues a irmã Renata Conti para serem enviadas para a Congregação da Causa dos Santos da Santa Sé.

O bispo diocesano tem lido uma mensagem enviada à Diocese de Roraima pelo padre Stefano Camerlengo e a irmã Simona Bambrilla, superiores gerais dos missionários e missionárias da Consolata, que começavam agradecendo “pelo empenho na realização do processo diocesano em vista da canonização do nosso querido pai fundador, o Bem-aventurado José Allamano”. A carta afirmava que “a fama de santidade atribuída ao fundador, sempre foi motivo de alegria e esperança, o Allamano fez da santidade o seu refrão”, destacando seu exemplo de vida, algo que querem fazer presente “para que muitas pessoas possam encontrar consolação e esperança”.

Os superiores destacaram que “o milagre que celebramos é um milagre missionário, que está muito em sintonia com o espírito do Allamano, para quem santidade e missão caminham juntos, são faces da mesma moeda”. O texto enfatizava que “na missão, a santidade encontra uma casa, na missão, a santidade encontra o seu significado e propósito mais profundo”, destacando a importância que o reconhecimento do milagre pode ter na missão ad gentes, que a gente não pode esquecer é algo muito presente nos missionários e missionárias da Consolata. Finalmente pediam a intercessão do fundador por aqueles que sofrem a Covid-19 e consolação para quem perdeu entes queridos e familiares nesta pandemia.

Confira a notícia na íntegra no site do regional Norte 1


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.