De Aparecida a Bagdá, o Papa que caminha para as periferias

Nesta sexta-feira (05), o Papa Francisco inicia a Viagem Apostólica ao Iraque. A visita é, possivelmente, uma das mais desafiadoras de seu pontificado, já que o país vive crises políticas, socioeconômicas e de segurança. A Viagem acontece quase oito anos após a sua primeira Visita Apostólica como pontífice, feita em julho de 2013 ao Brasil. Na época, o roteiro contemplou as cidades de Aparecida (SP) e Rio de Janeiro (RJ).

“Quando ele veio ao Brasil, ele quis passar primeiro aqui em Aparecida. Eu acho que ele se espelha muito na humildade de Maria. Esse é o ideal do papa: humildade. Por isso Francisco tem o costume de recomendar suas viagens à Nossa Senhora. É como se, cada vez que ele procura Jesus, ele batesse à Casa de Nazaré e dissesse para ela ‘eu vim encontrar seu filho’”, analisa o diretor da Academia Marial de Aparecida, padre José Ulysses da Silva.

Em 2007, o então cardeal-arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, já havia estado em Aparecida durante a V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano. Na ocasião, o purpurado presidiu a comissão que redigiu o Documento de Aparecida, resultado final da reunião dos bispos. O texto prega a missionariedade da Igreja e a atenção com as periferias, temas que, anos depois, seriam reverberados com mais intensidade após a eleição do argentino ao papado, em 2013.

Meses depois do Conclave que o elegeu, em julho de 2013, Francisco celebrou em Aparecida sua primeira missa fora do território italiano como pontífice. Na Basílica da Padroeira do Brasil, o agora chefe da Igreja Católica lançou as bases de seu pontificado, retomando temas tratados no documento originado anos antes na V Conferência.

Durante a homilia, realizada no interior da Basílica, condenou “o dinheiro, o poder, o sucesso, o prazer”, a quem se referiu como “ídolos que se colocam no lugar de Deus”. Ele recordou ainda o encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida por três simples pescadores, definindo o fato como uma surpresa divina. “Deus sempre surpreende”, afirmou.

Surpresas que, ao longo do tempo, também foram sentidas em seu pontificado. Entre elas, a preferência pelas “periferias do mundo”, expressa nas viagens pontifícias. Ao contrário de seus antecessores, Bergoglio vai preferencialmente a países de minoria católica, como os Emirados Árabes, Mianmar, Bangladesh, Sri Lanka, Japão, Albânia e Egito, por exemplo.

“Ele olha para a África e a Ásia, sobretudo, e pensa no sofrimento daqueles povos e, por isso, quer estar com eles. Ele vai levando sempre uma palavra de esperança e de diálogo, além de uma expressão de ternura paternal”, comenta padre Ulysses.

O “papado itinerante” de Francisco, fez com que ele igualasse a média de viagens anuais do Papa João Paulo II, considerado um “papa peregrino”. Em 25 anos de pontificado, o polonês Wojtyla realizou 104 viagens fora da Itália, uma média de 4,16 por ano. Já em quase 08 anos, Francisco viajou 32 vezes para outros países, uma média de 4 países por ano. Se o ano de 2020, marcado pela pandemia do novo coronavírus e pela impossibilidade da realização das viagens, não for levado em conta, Francisco supera a média de Viagens Apostólicas realizadas pelo seu antecessor, com 4,57 países por ano.

“O papa é um peregrino que sempre chama a atenção contra o sofrimento, a fome, a sede e, por meio disso, quer inspirar a todos nós para que tenhamos atitudes fraternas em favor do irmão, reconhecendo uns aos outros como filhos de Deus”, explica o sacerdote.

Mesmo impedido de viajar pela pandemia, Francisco não deixou de mostrar sua proximidade com os que sofrem. Em 2020, durante a primeira onda de casos da Covid-19 no Brasil, o chefe da Igreja Católica telefonou, por três vezes para o país. Na primeira vez, em 25 de abril, o papa conversou com o arcebispo de Manaus (AM), Dom Leonardo Steiner. No dia 9 de maio, foi a vez do arcebispo de São Paulo (SP), Dom Odilo Scherer, receber a ligação do Santo Padre. Em 10 de junho, foi a vez do arcebispo de Aparecida (SP), Dom Orlando Brandes, receber o telefonema do pontífice.

“O papa disse: Diga ao povo do Brasil que não somente rezo por vocês todos, mas também os acompanho sempre, com o coração bem pertinho dos brasileiros. Ele disse: a imagem de Nossa Senhora Aparecida está bem pertinho de mim. Eu me lembro que peguei Nossa Senhora no meu colo, a Madonnina, que quer dizer, mãezinha. Recomendo a todos vocês estarem no colo da Mãezinha Aparecida”, recorda Dom Orlando.

Com a visita ao Iraque, de 05 a 08 de março, o Papa quer levar aos iraquianos o consolo do colo de Deus. Com este gesto, Francisco quer continuar sua caminhada rumo às periferias, inicia em 2013 em Aparecida e continuada ao longo de seu pontificado.

Fonte: Vatican News


Fonte: Noticias da Arquidiocese de Salvador

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.