Contemplação e ação

Dom Edney Gouvêa Mattoso
Bispo de Nova Friburgo (RJ)

Caros amigos, pensemos por um momento sobre a missão da Igreja. Nosso Senhor quis, indubitavelmente, fundar a Igreja, conforme Ele mesmo disse: “Sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt 15, 16); e, como ensina o Concílio Vaticano II: “o Senhor Jesus iniciou a Igreja pregando a Boa Nova, isto é, o advento do Reino de Deus prometido nas Escrituras há séculos: ‘Porque completou-se o tempo, e o Reino de Deus está próximo’ (Mc 1, 15; cfr. Mt 4, 17)” (LG 5).

Assim, é dado à Igreja a missão de continuar a obra de Cristo no mundo. Uma missão que “não é de ordem política, econômica ou social. Pois a finalidade que Cristo lhe prefixou é de ordem religiosa” (GS 42), mas “é ao mesmo tempo sinal e salvaguarda do caráter transcendente da pessoa humana” (Idem, 76).

Sem dúvida, Nosso Senhor veio ao mundo para anunciar o Reino de Deus e a salvação dos homens, e a Igreja é sinal e cumprimento paulatino deste Reino de Amor, que não se faz a partir do visível e material, mas se manifestará sensivelmente quando “atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo“ (Ef 4, 13).

Cada homem na face da terra é destinado a esta plenitude e vive esta tensão em direção ao Reino de Deus consumado. Em auxílio a todos os homens de boa vontade, a Igreja é missionária e incessantemente celebra a Eucaristia, pois atualiza a obra de nossa redenção sempre que o sacrifício da cruz é oferecido sobre o altar (cf. LG 3).

A experiência da fé precisa ser vivida na integralidade, englobando todos os aspectos da existência humana. Na cruz de Cristo, contemplamos os dois eixos da vida cristã – um eixo vertical, de relacionamento com Deus, e um eixo horizontal, de corresponsabilidade fraterna e social.

A prática religiosa que se volta exclusivamente a uma relação sobrenatural com Deus, é desencarnada e mentirosa. Pois, como adverte São João, “Se alguém disser: ‘Amo a Deus’, mas odeia seu irmão, é mentiroso. Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê” (1Jo 4, 20).

Quando nos atentamos para a resposta de Jesus ao ser questionado sobre qual seria o maior mandamento, compreendemos que o amor a Deus e o amor ao próximo são exigências básicas para o Cristão. Não se pode olhar somente para o alto e esquecer-se de olhar para o lado, e vice-e-versa.

O Papa Francisco, ao refletir sobre o Evangelho em que Jesus é acolhido em Betânia, na casa de Marta e Maria (cf. Lc 10,38-42), afirma que a sabedoria do coração está em saber conjugar a contemplação e a ação.

“Marta e Maria nos indicam o caminho. Se queremos desfrutar a vida com alegria, devemos associar essas duas atitudes: por um lado, o ‘estar aos pés’ de Jesus, para ouvi-lo enquanto nos revela o segredo de todas as coisas; por outro, estar atentos e prontos para a hospitalidade, quando Ele passar e bater à nossa porta, com o rosto de um amigo que precisa de um momento de descanso e fraternidade” (Angelus, 21 jul. 2019).

É missão da Igreja levar a todos os homens este admirável modo de viver autenticamente a fé em Deus. Assim, repetindo as palavras do Santo Padre, pedimos que a Virgem Mãe da Igreja, nos conceda a graça de amar e servir a Deus e aos irmãos com as mãos de Marta e o coração de Maria, a fim de que permanecendo sempre na escuta de Cristo, possamos ser artesãos da paz e da esperança (idem).

 

O post Contemplação e ação apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.