CNBB

Salve a Criação: reimagine, recrie, restaure

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo de Campos (RJ)

 

Estas três palavras da cantora Jordan Sanchez são a voz poética do tema do dia mundial do meio ambiente, 2021, cujo foco é a restauração dos ecosistemas. A ONU aprovou, para dar continuidade a este propósito, a década (2021-2030) da restauração e preservação dos ecossistemas da Terra. Jordan combina, na sua música, a urgência e a esperança que devem inspirar-nos para cumprir nossa missão de jardineiros e guardiões da Criação.

Queremos um mundo mais verde, tarefa que exige políticas públicas como as do Paquistão, país onde será celebrado este ano a data do meio ambiente; de resgate dos manguezais, rios e lagoas. Todos temos algo a fazer, desde plantar árvores, proteger parques e jardins, limpeza das praias e lagoas, e tomar consciência que, como afirma a Laudato Si, tudo está interligado.

Se não fizermos um mutirão, consciente da necessidade de harmonizar-nos com a Terra, nunca sairemos do cenário da destruição e degradação do planeta, que tem nos levado à trágica pandemia. Claro que não se trata somente de um ativismo ambiental, mas de realizar a conversão ecológica, que  nos pede além de um olhar amoroso e compassivo para com a Terra e as criaturas, um estilo de vida sóbrio, sustentável e equilibrado.

Viver e testemunhar uma espiritualidade que nos leve a sair da fragmentação materialista, para recuperar a ecologia do corpo, a ecologia humana que integra corpo, mente e espírito, filiação divina e filiação terrestre, nunca esquecendo que somos barro com espírito, pó de estrelas, chamados à eternidade.

Celebrar o dia do meio ambiente é celebrar a vida em toda sua beleza e exuberância, acreditando que vamos gerando, com a graça, um Céu e uma Terra novas, superando a divisão, o ódio, e a exploração predatória dos seres humanos e da Criação. Complementando ao poeta Terêncio que afirmava: “Sou humano nada do que é humano me é alheio”, podemos também precisar: “Sou terra, nada do que afeta a Terra me é indiferente”. Que o Deus da Vida e da Providência amorosa nos faça cada vez mais cuidadores e protetores dos biossistemas da Terra. Deus seja louvado!

 

 

 


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados