CNBB

IV Domingo da Quaresma

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)

 

“Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que nóo morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna” (cf. Jo 3,16).

Hoje, celebramos o IV Domingo da Quaresma, conhecido como Domingo Laetare – Domingo “Alegra-te”, onde a cor roxa dá o espaço para a cor rósea – a cor que vemos no céu infundir quando nasce um novo dia, a qual anuncia a chegada do sol que ilumina a Terra. Afinal, é assim que somos preparados no Tempo Quaresmal, após passar todo o período de penitência e jejum, aguardamos a Ressurreição de Jesus Cristo. E, neste Domingo Laetare, compreendemos através das leituras que é necessário passar por provações, exílio e até mesmo a Cruz para que a Salvação de Deus é nos dada de forma totalmente gratuita e incondicional, com o ápice na Vida Eterna.

Na Primeira Leitura retirada do Segundo Livro das Crônicas (2Cr 36,14-16.19-23), demonstra que a ira e a misericórdia do Senhor se manifestam pelo exílio e a libertação do povo. O autor sagrado expõe que mesmo que o homem escolha o caminho do egoísmo e autossuficiência, tendo como consequência um horizonte de dor e morte, Deus sempre oferece outra possibilidade de seu Povo de recomeçar nos Caminhos que Ele preparou. Assim foi ao mover o espírito de Círio para concretização de Seu plano ao Seu Povo: “Assim fala Ciro, rei da Pérsia: O Senhor, Deus do céu, deu-me todos os reinos da terra, e encarregou-me de lhe construir um templo em Jerusalém, que está no país de Judá. Quem dentre vós todos, pertence ao seu povo? Que o Senhor, seu Deus, esteja com ele, e que se ponha a caminho” (cf. 2Cr 36,23).

A Segunda Leitura dada pela Carta de São Paulo aos Efésios (Ef 2,4-10), nos ensina que Deus ama o homem com um amor total, destemido, sem limites, onde através da Morte e Ressurreição do Seu Filho Unigênito, Jesus Cristo, a Misericórdia e o Dom da graça da Vida Eterna e estendida a todos que mantém a Fé em Deus. “Assim, pela bondade, que nos demonstrou em Jesus Cristo Deus quis mostrar, através dos séculos futuros, a incomparável riqueza da sua graça. Com efeito, é pela graça que sois salvos, mediante a fé. E isso não vem de vós; é dom de Deus!” (Ef 2,7-8).

O Evangelho de João (Jo 3,14-21), o Apóstolo nos recorda que Deus nos ama de uma maneira incondicional, que enviou o Seu Próprio Filho ao nosso encontro, com efeito de aprender a lição do amor total, dado pelo caminho de entrega que Jesus percorreu, de ser levantado numa Cruz para que todos nele creem e tenham Vida Eterna. “De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê, não é condenado, mas quem não crê, já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito. Ora, o julgamento é este: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam denunciadas. Mas quem age conforme a verdade aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus” (cf. Jo 3,17-21).

Permaneçamos fiéis na oração e reflexão deste Tempo Quaresmal, sejamos verdadeiros seguidores da Luz do Evangelho, principalmente neste despontar da Aurora do Dia que o Senhor preparou para nós, certos da vicissitude do Reino e a Vida Eterna.

Saudações em Cristo!

 

 


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados