CNBB

Nesta segunda-feira, Igreja faz memória de Santa Josefina Bakhita

A Igreja faz a memória litúrgica nesta segunda-feira de Santa Josefina Bakhita. Canonizada em 2000, pelo Papa João Paulo II, a Santa foi lembrada como aquela que, apesar de escravizada e vendida com apenas sete anos de idade e de ter sofrido muito nas mãos de senhores cruéis, “compreendeu a verdade profunda que Deus, e não o homem, é o verdadeiro senhor de todos os seres humanos, de cada vida humana”.

João Paulo II afirmou naquele 1º de outubro de 2000, que em Santa Josefina Bakhita “encontramos uma luminosa advogada da emancipação autêntica”. A história da sua vida, continuou, “não inspira a aceitação passiva, mas a firme determinação para realizar uma obra eficaz, a fim de libertar jovens e mulheres da opressão e da violência e restituir-lhes a liberdade no exercício total dos seus direitos”.

 

Vítima do tráfico

Nascida em 1869, numa aldeia de Darfur, no Sudão do Sul, a menina foi roubada aos nove anos de idade e recebeu o nome Bakhita, que quer dizer “afortunada”. Os historiadores destacam a “ironia atroz” do novo nome com a realidade de uma criança que se torna mercadoria. Após anos de escravidão, foi comprada por um oficial italiano, que a trata com carinho. Forçado a retornar ao seu país, o oficial Callisto Legnami atende ao pedido de Bakhita para que a levasse com ele. Já na Europa, vai morar com a família Michieli, amigos de Legnami, e, na sequência,  conheceu as Irmãs Canossianas.

Na experiência com as religiosas, Bakhita conhece Jesus, aprende o catecismo e, em 9 de janeiro de 1890, recebe o Batismo, a Confirmação e a Primeira Comunhão do Patriarca de Veneza, com o nome de Giuseppina, Margherita, Fortunata. Em 1893, entra no noviciado das Canossianas, três anos depois emite os votos e, durante 45 anos, será cozinheira, sacristã e, acima de tudo, uma porteira do convento de Schio, onde aprenderá a conhecer as pessoas. Às pessoas, ofereceu o sorriso dócil, a bondade e a fé da irmã “morèta”, “mourinha”, ou “irmã de chocolate” para as crianças.

A história conta também que Bakhita lutou muito, inclusive para ser religiosa, caminho que, segundo ela, a levaria a dedicar-se a Deus, seu libertador. Santa Josefina morreu no dia 8 de fevereiro de 1947 de pneumonia. Foi declarada santa no dia 1º de outubro de 2000.

 

Intercessão

Já em 2000, João Paulo II convidava toda a Igreja a invocar a intercessão de Santa Bakhita “por todos os irmãos e irmãs perseguidos e escravizados, sobretudo na África e no seu País natal, o Sudão, para que possam conhecer a paz e a reconciliação”.

Desde 2015, por iniciativa da União Internacional das Superioras Gerais das Congregações Religiosas, é celebrado o Dia Mundial de Oração e Reflexão contra o Tráfico de Pessoas na memória litúrgica de Santa Bakhita. Neste ano, o tema proposto é “Economia sem tráfico de pessoas”. A celebração tem sido marcada durante o pontificado do Papa Francisco como uma resposta ao apelo do pontífice para combater o fenômeno do tráfico de pessoas e a cuidar das vítimas.

Assim, o Papa afirmou que “há necessidade de rezar para apoiar as vítimas do tráfico e as pessoas que acompanham os processos de integração e reinserção social”. É preciso rezar, continuou Francisco “para que possamos aprender a nos aproximar com humanidade e coragem a quem é marcado por tanta dor e desespero, mantendo viva a esperança. Rezar para sermos sentinelas capazes de discernir e fazer escolhas orientadas para o bem”.

Recordando o tema deste ano, Francisco também pede por uma economia sem tráfico de pessoas, uma economia corajosa. Para o Papa, é preciso coragem para conjugar o lucro legítimo com a promoção do emprego e de condições dignas de trabalho. “Em tempos de grande crise, como o atual, essa coragem é ainda mais necessária. Na crise, o tráfico prolifera, como todos nós sabemos: vemos isso todos os dias. Na crise, o tráfico prolifera; portanto, precisamos fortalecer uma economia que responda à crise de uma forma que não seja míope, de forma duradoura, de forma sólida”.

“Queridas irmãs e irmãos, coloquemos tudo isso nas nossas orações, especialmente hoje, por intercessão de Santa Bakhita”, motivou o Papa Francisco.

Oração a Santa Josefina Bakhita

 

Ó Santa Josefina Bakhita, que, desde menina, foste enriquecida por Deus com tantos dons e a Ele correspondeste com todo o amor, olha por nós.
Intercede junto ao Senhor para que cresçamos no Seu amor e no amor a todas as criaturas humanas, sem distinção de idade, de raça, de cor ou de situação social.
Que pratiquemos sempre, como tu, as virtudes da fé, da esperança, da caridade, da humildade, da castidade e da obediência.
Pede, agora, ao Pai do Céu, oh Bakhita, as graças que mais preciso, especialmente (pedido).

Amém.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados