CNBB

Sob o olhar da Mãe Maria iniciamos 2021!

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG) 

Mais um ano se inicia. Com o ano da graça de 2021 volvemos nossos corações para a Solenidade de Santa Mãe de Deus, Maria. Neste dia, a liturgia coloca-nos diante de evocações diversas, ainda que todas importantes. Celebra-se, em primeiro lugar, a Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus: somos convidados a contemplar a figura de Maria, aquela mulher que, com o seu “sim” ao projeto de Deus, nos ofereceu Jesus, o nosso libertador. Celebra-se, em segundo lugar, o Dia Mundial da Paz: em 1968, o Papa São Paulo VI propôs aos homens de boa vontade que, neste dia, se rezasse pela paz no mundo. Celebra-se, finalmente, o primeiro dia do ano civil: é o início de uma caminhada percorrida de mãos dadas com esse Deus que nos ama, que em cada dia nos cumula da sua bênção e nos oferece a vida em plenitude.

As leituras que hoje nos são propostas exploram, portanto, estas diversas coordenadas. Elas evocam esta multiplicidade de temas e de celebrações.

Na primeira leitura(Nm 6,22-27), sublinha-se a dimensão da presença contínua de Deus na nossa caminhada e recorda-se que a sua bênção nos proporciona a vida em plenitude.

Na segunda leitura(Gl 4,4-7), a liturgia evoca, outra vez, o amor de Deus, que enviou o seu Filho ao encontro dos homens para os libertar da escravidão da Lei e para os tornar seus “filhos”. É nessa situação privilegiada de “filhos” livres e amados que podemos dirigir-nos a Deus e chamar-lhe “abbá” (“papá”).

O Evangelho mostra como a chegada do projeto libertador de Deus (que se tornou realidade plena no nosso mundo através de Jesus) provoca alegria e felicidade naqueles que não têm outra possibilidade de acesso à salvação: os pobres e os marginalizados. Convida-nos também a louvar a Deus pelo seu amor e a testemunhar o desígnio libertador de Deus no meio dos homens. Maria, a mulher que proporcionou o nosso encontro com Jesus, é o modelo do crente que é sensível aos projetos de Deus, que sabe ler os seus sinais na história, que aceita acolher a proposta de Deus no coração e que colabora com Deus na concretização do projeto divino de salvação para o mundo.

Elevemos a Deus nosso canto de bênção, pedindo a paz e a alegria sobre todos os homens de boa vontade. Bênção, paz e alegria três verdades bíblicas quer inspiram-nos a celebrar esta Solenidade com maior ardor. A bênção de Deus sobre o seu povo é derramada com largueza, guardando-o e dando-lhe a paz. Assim, a terra exulta de alegria e, por isso, Deus é louvado nações(Sl 66). O exemplo mais belo, que reúne em si todas estas dádivas, é, sem dúvida, a Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus, Mãe da Igreja e nossa Mãe. Em Santa Maria, o Senhor vem visitar-nos, quando “na plenitude dos tempos” envia seu Filho que faz de todos nós herdeiros do seu amor(Gl 4,4.7).

Unidos aos pastores, corramos pressurosos a fim de aprendermos a meditar nos corações os mistérios que nos foram revelados. Com Maria, entramos em um novo santuário. Um santuário preparado por Deus para que tenhamos a coragem de trilhar um ano de 2021 sob o seu olhar e a sua proteção. Senhora, invocada por tantos nomes, encoraja-nos desde a simplicidade de Belém, a fim de que nos alegremos com as maravilhas que nos são contadas.

Sob o olhar da Mãe Maria iniciamos 2021! Por isso, com Maria Santíssima, que nos dá a sua presença apontando para o seu Filho Jesus, possamos rezar: “Ao Rei dos séculos imortal e invisível honra e glória pelos séculos dos séculos. Amém”.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados