CNBB

Fratelli Tutti inspira participação da CNBB em evento de 72 anos da Declaração dos Direitos Humanos

 “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade”, a narração do artigo 1 da Declaração Universal dos Direitos Humanos na voz do ator Tony Ramos deu início, na manhã deste 10 de dezembro de 2020, do webinar: “Direitos Humanos Importam!”.

O evento marcou o aniversário de 72 anos de adoção e declaração, pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), da Declaração Universal dos Direitos Humanos, da resolução 217 A III. O documento, com 30 artigos, foi adotado como um horizonte comum a ser atingindo por todos os povos e todas as nações, com o objetivo, em síntese, de assegurar o princípio da dignidade humana. O Brasil foi um dos primeiros países signatários da Declaração.

O webinar foi realizado pelas seis organizações brasileiras que lançaram, em abril deste ano, o Pacto pela Vida e Pelo Brasil:  a ABC (Academia Brasileira de Ciências), ABI (Associação Brasileira de Imprensa), Comissão Arns (Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns), CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência).

Três mesas temáticas, ao longo da manhã, debateram aspectos cruciais dos direitos humanos, à luz da realidade brasileira: Direitos Humanos e a defesa da Democracia, Direitos humanos no combate à desigualdade e ao racismo e Direitos humanos e a preservação da vida. Entre uma mesa e outra, outros artigos da Declaração foram declamados como forma de reafirmar este legado.

Marco civilizatório

O arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo, inaugurou, com um depoimento gravado, o início da terceira mesa que tratou do tema dos direitos humanos e da preservação da vida. A mesa contou ainda com a presença do bispo de Rio Grande (RS) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Família da CNBB, dom Ricardo Hoepers sobre o tema na perspectiva da Igreja.

Numa clara referência à Encíclica Fratelli Tutti, recém lançada pelo Papa Francisco, o presidente da CNBB afirmou que a celebração do aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos interpela a todos a reafirmar um pacto pela vida que faça brotar no coração de cada pessoa o sentido de fraternidade que deve permear todas as relações.  Dom Walmor defendeu que os direitos humanos são coerentes com a dignidade humana defendida pela Igreja que reconhece que todos são filhos e filhas de Deus.

Para dom Walmor, a Declaração é um marco civilizatório que gera esperança e sinaliza que a humanidade é capaz de se recompor.

O bispo de Rio Grande (RS) destacou em cinco pontos que a garantia dos direitos humanos passa, em primeiro lugar, pelo reconhecimento da dignidade humana. Dom Ricardo apresentou sua reflexão a partir da perspectiva utilizada pelo Santo Padre na Fratelli Tutti, encíclica sobre a fraternidade humana. “Para nós, Deus criou todos os seres humanos iguais nos direitos, nos deveres e na dignidade, e os chamou a conviver entre si como irmãos”, destacou o bispo.

O evento contou com a participação de pessoas com reconhecida trajetória na luta pelos direitos humanos no Brasil como o advogado constitucionalista Fabio Konder Comparato, o jornalista e radialista Marcos Gomes, a jurista e ex-procuradora geral da República Debora Duprat, o educador e ativista do movimento negro José Vicente, a economista e cientista social Tânia Bacelar, o cientista político Luiz Eduardo Soares, o antropólogo Kabengele Munanga, a médica e diretora da Anistia Internacional no Brasil, Jurema Werneck, o médico e especialista em saúde pública Paulo Buss, a ecologista Mercedes Bustamante e o líder indígena e ambientalista Ailton Krenak.

O jornalista Juca Kfouri foi o mestre de cerimônia do evento, que também contou com mensagens gravadas dos presidentes das organizações do Pacto pela Vida e pelo Brasil. A mediação das mesas foi feita por jornalistas brasileiros como Patrícia Campos Mello e Rubens Valente, do jornal Folha de São Paulo e do UOL, e Flávia Oliveira, da Globonews.]

Assista a íntegra do webinar “Direitos Humanos Importam!”:

O que é o Pacto pela Vida e pelo Brasil?

Lançado no início da pandemia do novo Coronavírus, dia 7 de abril, o Pacto pela Vida e pelo Brasil tem como autoras e primeiras signatárias as organizações ABC, ABI, Comissão Arns, CNBB, OAB e SBPC. Hoje este documento já foi endossado e assinado também por mais de uma centena de entidades de alcance nacional.

O seu objetivo foi despertar a sociedade para a gravidade da pandemia, além de pressionar o Congresso Nacional e o governo Federal para assegurar que o Estado Brasileiro adotasse medidas políticas para garantir a saúde do povo, bem como da economia, tendo em vista o desenvolvimento integral do país, a preservação do emprego, renda e trabalho, incluindo ampliação do Bolsa Família e a Renda Básica Emergencial.

Momento de oração pelos 72 anos da  Declaração dos Direitos Humanos

A Comissão Brasileira de Justiça e Paz do Regional Sul 1 da CNBB realiza hoje, 10 de dezembro, às 20h, um Momento Celebrativo pelos 72 anos da Declaração. A oração pode ser acompanhada pelas redes sociais da Comissão (Instagram, Facebook e Youtube). Acompanhe por aqui.

 

 


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados