CNBB

Estar presente e tornar-se uma dádiva

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo de Campos (RJ)

Na caminhada de preparação ao Natal que, acima de tudo, é Cristo, temos que tomar cuidado de não perder o motivo da festa e da alegria. Trata-se, não tanto de pensar em presentes ou presentear, mas de estar presente nos relacionamentos com nossos familiares, amigos e, sobretudo, com os pobres e sofredores neste tempo de cuidar. A figura bonachona do Papai Noel pode nos confundir pela sua sobreposição ao Menino Jesus.

São Nicolau, o bispo de Mira, que deu origem e inspiração ao Papai Noel, é, antes que nada, um exemplo a seguir de como acolher a dádiva grandiosa do Filho de Deus, para com Ele tornar-se uma dádiva, um dom, uma graça do amor divino para os outros. Recordemos que São Nicolau protegeu crianças, resgatou meninas e jovens que seriam prostituidos, e distribuiu os seus bens entre os necessitados, morrendo mártir, testemunhando o seu amor fiel a Cristo, o Salvador que esperamos.

As coisas materiais perdem, em pouco tempo, seu valor, e o que faz que o Natal aconteça e nos encontremos com o Deus Criança é nossa ternura inocente, nosso amor generoso e incondicional. Não precisamos colocar um gorro de Papai Noel, mas buscar sermos capazes de autêntica doação, escuta e partilha da nossa vida, mostrando aos nossos irmãos de caminhada e todas as criaturas que somos alegres e felizes em viver com eles a comunhão e fraternidade que nos vem do Menino da manjedoura.

O Advento nos impele a reavivar a imaginação profética com o sonho de Deus, recuperar nossa capacidade de pensar um modo diferente de viver e conviver, mais harmonioso e equilibrado, mais belo e essencial. Percorrer a estrada que nos leva a Belém e ao presépio significa, antes de tudo, empreender uma jornada espiritual de simplicidade, desapego e profunda compaixão para com todos e toda a Criação.

Natal é tempo de celebrar a vida, de nos curar não só das pandemias, mas das desilusões, das mágoas e cicatrizes ainda abertas para deixar-nos inspirar pela criança interior onde sempre nasce Jesus. Deus seja louvado!

 

 


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados