CNBB

Natal na pandemia

Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba

O mundo está vivendo no medo, assustado e sacudido por um vírus invisível, com características globalizantes, passível de contaminação. Em muitos casos ele é letal, somando hoje mais de 166 mil mortes em todo o Brasil. Justamente por tudo isso vamos ter um Natal incomum, sem muitas festas para não criar aglomeração e nem espaço de contaminação e sofrimento para as famílias.

 Natal significa nascimento, portanto vida, como aconteceu com a vinda do Filho de Deus. Apesar da enorme lista de falecidos por causa do covid-19, as celebrações e todo o clima natalino se fundamentam na vida, no compromisso com a vida. Lamentamos o sofrimento de tantas famílias que perderam seus entes queridos, com tanta violência, por essa tragédia causada pelo coronavírus.

O mundo já se sente bastante fragilizado, precisando de se reinventar. As instituições ficando sem forças para recuperar o que foi perdido neste ano de 2020. Agora é projetar para o futuro. Não se sabe como será em 2021. A expectativa está em confiar numa vacina que consiga imunizar a população. Mas quando isso vai acontecer! Continua uma incógnita e desconfiança no futuro próximo.

Além de todas estas considerações, o mais importante é a certeza no amor carinhoso e misericordioso de Deus. Ele nos protege enviando seu Filho como caminho de vida e não de morte. Confiar em Jesus Cristo é abandonar as incertezas e acolher o dom da vida, que só Ele é capaz de dar. Não é uma questão mágica, porque supõe também responsabilidade na convivência com o momento pandêmico.

O ano novo está às nossas portas. Deverá ser oportunidade de reflexão para todas as pessoas e também para as instituições. Melhorar é preciso, mas para defender a vida em todas as suas dimensões. Vidas humanas, mas também a vida do planeta, que tem gemido com desrespeito sofrido sem sustentabilidade. A pandemia é uma alerta bem visível sobre essa triste realidade global.

Que o novo jeito de celebrar esse Natal consiga tocar nos corações petrificados e insensíveis, principalmente daqueles grandes manipulares das riquezas do planeta, sem o mínimo de respeito para com o ser humano e com uma economia de inclusão. Com isto sofrem os mais pobres e sofre o mundo todo. Que o Cristo do Natal abençoe 2021 e seja o ano da graça do Senhor para todos.

 


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados