CNBB

Setembro: como se preparar para o mês da Bíblia?

A Edições CNBB realizou ontem, 27 de agosto,  uma live em cujo título foi “Preparação para o Mês da Bíblia”.  O objetivo da formação, segundo o mediador da live, padre Jânison de Sá, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), foi conhecer melhor o tema do mês da Bíblia 2020, o livro que será objeto de estudo este ano e importância do mês da Bíblia para a Igreja. Este ano, 2020, a Igreja no Brasil comemora o Mês da Bíblia fundamentando-se no livro do Deuteronômio, com o lema “Abre tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11).

Participou da live como convidado o bispo de Luziânia (GO), dom Waldemar Passini. Ele também é presidente do regional Centro-Oeste da CNBB, membro da Comissão Bíblico-Catequética da CNBB e mestre em ciências bíblicas. Outros convidados foram o frei Ildo Perondi, doutor em Teologia Bíblica e professor de Bíblia na Pontifícia Universidade Católica do Paraná e a assessora da comissão da CNBB, irmã Izabel Patuzzo.

História do Mês da Bíblia

Dom Waldemar Passini, bispo de Luziânia (GO), falou sobre origem da celebração do Mês da Bíblia, uma especificidade da Igreja no Brasil. Segundo ele, tem origem com o Domingo da Bíblia, que teve início no Brasil a partir da 1ª Semana Bíblica Nacional, em 1947. “A partir desta data começou-se a celebrar o Domingo da Bíblia, sempre no último domingo do mês de setembro. No mês de setembro, dia 30, comemora-se também o dia de São Jerônimo, um grande conhecedor da Bíblia, exegeta e tradutor da Bíblia para o latim, a vulgata”, disse.

Depois do “Domingo da Bíblia”, dom Waldemar lembrou que passou-se a celebrar o Mês da Bíblia a partir de uma iniciativa pioneira da arquidiocese de Belo Horizonte (MG) que se expandiu para o regional Leste 2. Em 1976, a celebração do Mês da Bíblia foi assumida pela CNBB e em todo Brasil. “Inicialmente fazia-se uma reflexão por temas, depois passou-se à aprofundar os livros da sagrada escritura”, disse.

Orientações pastorais para o Mês da Bíblia no contexto da pandemia

O presidente do Regional Centro Oeste da CNBB também falou das orientações pastorais para realização do Mês da Bíblia este ano em decorrência da pandemia da Covid-19. O bispo disse que a Igreja no Brasil e a Comissão Bíblico-Catequética da CNBB estão num tempo de adaptação. “Estamos acompanhando os dramas e as tragédias das pessoas e seus familiares e também de coisas que tocam a vida de nossas comunidades, cidades, país e mundo”, disse.

Dom Waldemar disse que a Igreja, por ser encarnada nas diferentes realidades, não pode ficar alheia ao avanço do novo Coronavírus. Contudo, o bispo de Luziânia disse que isto não significa que a Igreja deve permanecer parada e se ausentar da reflexão, da oração e dos encontros.  Ele reforçou, por outro lado, que são necessárias adaptações. “Esse ano, diante desta realidade, imagino que o lugar da oração e reflexão da família já conquistou espaço. Para o Mês da Bíblia a prioridade deve ser à Palavra de Deus”, disse.

A sugestão da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética é de que a oração, a reflexão e os estudos sejam feitos em família sobre o Livro do Deuteronômio, adaptando a reflexão às diferentes idades. O material também, como sugestão da Comissão da CNBB, poderá ser estudado em grupos de convivência que tenham uma espiritualidade bíblica (amigos, colegas de trabalho, entre outros). Uma outra sugestão é fazer encontros à distância pelas plataformas que permitem reuniões online. Encontros, como este, sugeriu dom Waldemar, podem ser organizados pelas comunidades e paróquias.

Como método, dom Waldemar deu duas orientações: a) se ater à leitura contínua do texto proposto, o que ajuda a entender o contexto no qual está inserida a história e a oração com o mesmo. Uma opção, aponta, é fazer a leitura orante com os textos bíblicos sugeridos. Momentos importantes, reforçou dom Waldemar, são as celebrações da Palavra e as homilias, onde os ministros leigos e ordenados poderão aprofundar a Palavra de Deus.

Deuteronômio: o livro de estudo em 2020

Segundo o bispo, trata-se de um livro de grande importância, citado várias vezes no Novo Testamento. “Nós precisamos, como sempre para o Antigo Testamento, termos a referência da leitura cristã. Lemos o Antigo Testamento como Palavra de Deus para nós, mas temos na mente e no coração o Evangelho de Jesus Cristo e a teologia do Novo Testamento para nós como um todo. Assim vamos ao livro de Deuteronômio e vamos encontrá-lo tal como ele se apresenta”, disse.

O bispo de Luziânia disse que trata-se de um texto de grande importância teológica porque coloca em seu centro a lei de Deus. Lei como núcleo primeiro dada a Moisés e que depois de muito tempo continua falando a seu povo, estimulando o culto a Deus, mais tarde reconhecido como único, e promove relações de fraternidade entre irmãos  e entre o povo de Israel.

“O texto nos é dado como último livro do Pentateuco pelo próprio Moisés. Aí nós encontramos a primeira referência clássica da revelação, sendo  Moisés o grande mediador desta revelação entre Deus e o povo que ele escolheu. Mas temos também no livro a resposta que o povo eleito deve dar ao seu Deus: a vivência dos mandamentos uma resposta à escolha e aliança estabelecida por Deus com seu povo”, explicou.

No núcleo do livro, entre os capítulos 12 ao 16, encontra-se o “Código Deuteronômio”, um conjunto de preceitos que vai do culto à relações sociais e familiares. Como lidar com a guerra, com o conflito nas cidades que Israel vai conquistando. “O livro chama a atenção para como usar a lei não apenas para ocupar a terra mas também para permanecer na terra e torná-la fecunda. É um texto forte que perpassa períodos distintos da história mas sempre com a mesma teologia: a resposta fiel ao Deus que elegeu seu Israel, Judá o seu povo”, apontou.

Lema do Mês da Bíblia

A irmã Izabel Patuzzo, assessora da Comissão Bíblico-Catequética da CNBB, aprofundou o lema bíblico escolhido este ano: “Abre tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11).  Segundo ela, o lema remete à questão da solidariedade. Para a irmã, o livro especialmente do cuidado com três categorias muito importantes: o estrangeiro, o órfão e a viúva, citados 11 vezes.

“O órfão, a viúva e os estrangeiros não são do tempo em que o povo recebeu a lei no deserto e que o povo viveu em tribos. São categorias que aparecem no tempo que já tinha se constituído o Estado. Já havia guerras e migrações forçadas. O livro lembra Israel sempre da sua origem e que Deus o escolheu quando era um povo pobre, escravo e necessitado no Egito. Em decorrência disto, após entrar na terra prometida, eles deveriam cuidar também para que não houvesse pobres entre eles”, disse. A religiosa falou do dízimo e de outras práticas que deveriam ser adotadas pelo povo de Israel para não permitir que entre eles existissem empobrecidos e para que se tornasse um povo, entre o qual, a retidão, a justiça e a solidariedade acontecessem.

O subsídio do Mês da Bíblia 2020

O frei Ildo falou das temáticas relevantes do livro. Segundo ele, o livro é organizado como se fossem os últimos discursos proferidos por Moisés antes de o povo entrar entrar na terra prometida tendo sido conduzido por Josué. “Temos uma série de leis para que o povo possa viver bem na terra que entrará. Os temas mais importantes que encontramos em toda a Bíblia também estão presentes no livro do Deuteronômio”, disse. O primeiro mandamento é que o povo de Israel, ao entrar na terra prometida, seja um povo que escute a palavra do senhor e a deixe cair em seu coração. “E amar a Deus é também amar ao seus irmãos, como foi reforçado por Jesus Cristo no Novo Testamento”, disse.

Neste ano, segundo o professor, que foi um dos autores do subsídio de reflexão, o Mês da Bíblia quer recordar que aquele que quer agradar a Deus não basta se dirigir ao Senhor mas que é necessário também abrir a sua mão para o irmão. “Na terra prometida, na terra da promessa, o povo de Deus é chamado a viver uma vida nova, onde a vida deve prevalecer, neste lugar não deve haver pobres. A terra que o povo está entrando é a terra do leite e do mel, portanto é a terra da fartura, que é dom de Deus, e nesse lugar não pode haver a opressão”, disse.

O biblista apontou que no capítulo 30, um dos textos mais bonitos do livro, entre os versículos 15 ao 20, há toda uma proposta colocada diante do povo: escolher entre a vida ou a morte, a bênção ou a maldição. O professor lembrou que é do livro o lema bíblico adotado pela Campanha da Fraternidade de 2008: “Escolhe, pois, a vida”. A campanha teve como tema “Fraternidade e defesa da vida”.

“Nós lemos a Bíblia não apenas para compreendê-la mas para colocá-la em prática. O livro do Deuteronômio levanta hoje muitos gritos, apelos e clamores. Muitas das realidades que estamos vivendo hoje se assemelham à realidade que o povo de Deus passou. Hoje temos uma massa de pessoas empobrecidas. O tema é muito mais que atual. A questão do acesso à terra também é um tema no livro. A terra que deve ser partilhada para o sustento dos irmãos. O tema da justiça também: as leis devem ser para que o povo possa viver. Os pobres, hoje, dificilmente têm acesso à justiça. Este é um tema que o livro nos convida a refletir e a colocar em prática também. No Deuteronômio estão os 10 mandamentos. Uma das questões que se pede é que não se use o nome de Deus em vão. Hoje estamos numa época que o uso e a banalização do nome de Deus está sendo banalizado, inclusive nos discursos políticos”, disse.

Saiba mais:

Em 2020, Igreja no Brasil comemora o Mês da Bíblia fundamentando-se no livro do Deuteronômio

 

O post Setembro: como se preparar para o mês da Bíblia? apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados