CNBB

Na memória da primeira visita de João Paulo II ao Brasil, várias histórias são lembradas

Ao celebrarem os 40 anos da primeira visita do Papa João Paulo II ao Brasil, as arquidioceses que acolheram o pontífice polonês em 1980 divulgaram lembranças de histórias que marcaram quem as viveu. Relatos em vídeo, extratos de livros, notícias, em tudo há um pouco do espírito de comunhão com o sucessor de Pedro que tomou conta do país naqueles dias entre 30 de junho e 12 de julho de 40 anos atrás.

Vidigal e ordenação presbiteral

No Rio de Janeiro, momentos marcantes foram vividos, como a missa para mais de 1 milhão de pessoas no Aterro do Flamengo sob coro com a canção “A bênção, João de Deus”.

Dos relatos destacados pela arquidiocese do Rio de Janeiro, foi forte o sinal que representou a visita do Papa ao morro do Vidigal. Ali, três anos antes iniciara uma batalha entre as famílias e o governo estadual, que pretendia fazer uma remoção por conta de um suposto risco de desabamento. “Porém, logo descobriu-se que, na verdade, no local, seriam construídas casas de luxo e que as empresas Rio-Towers e Sincorpa já tinham pagado 28 milhões de cruzeiros pelo terreno”, segundo relato no site da arquidiocese carioca.

O então arcebispo, dom Eugenio Sales, iniciou o trabalho da Pastoral de Favelas na localidade e contratou engenheiros para que realizassem um novo estudo do terreno, os quais comprovaram que não havia risco de desabamento. Na visita do Papa, no dia 2 de julho, o frei Benjamin Ramiro Diaz, então pároco da Igreja Santa Mônica, no Leblon, e responsável pela pastoral no Vidigal, recebeu o anel episcopal de João Paulo II.

No último dia da visita, João Paulo II ordenou 74 novos sacerdotes no estádio do Maracanã, que contou com a presença de 160 mil pessoas. Dentre os neossacerdotes, dois deles pertenciam à arquidiocese do Rio de Janeiro: padre Silas Pereira Viana, atualmente cura da Catedral Militar Rainha da paz, em Brasília (DF) e monsenhor Manuel Manangão, hoje vigário episcopal para a Caridade Social e pároco da Paróquia Santa Margarida Maria, na Lagoa.

Na feliz recordação e celebração dos 40 anos de ordenação, hoje monsenhor Manangão diz que já falou muito sobre a data, mas acrescentou:
“Hoje eu estou pensando que, pelo tempo, parece uma realidade tão distante, mas ao mesmo tempo tão próxima parece que está sendo. Ontem e hoje me lembrava dos momentos vividos na missa do Aterro onde atuei como um dos cerimoniários e estive tão perto do Santo Padre, sendo-lhe apresentado como um dos que seria ordenado no dia seguinte. E no dia da ordenação, Na imposição das mãos, no abraço de acolhida, imagens tão fortes e singelas. Me lembrava das palavras de Dom Jaime Câmara quando fui acolhido no Seminário aos 13 anos, no primeiro retiro: ‘um dia, já padres terão que viver a experiência da ordenação como se fosse sempre presente, atual, como um hoje que se prolonga na vossa história’. E assim tem sido, só que com uma tremenda responsabilidade porque foi o Papa que nos ordenou e por que ele é santo mesmo”, destacou monsenhor Manangão

Minidocumentário e página

A arquidiocese de Porto Alegre preparou um minidocumentário (assista abaixo) com depoimentos sobre a visita e imagens exclusivas dos registros da arquidiocese e da emissora RBS. Também as equipes dos departamentos de Museologia, Arquivo Histórico e Assessoria de Comunicação da arquidiocese gaúcha prepararam uma série de materiais multimídia divulgados em uma página web especial.

“Ver o Papa João Paulo II pessoalmente foi uma das maiores bênçãos da minha vida, ainda mais estar à sua frente e cumprimentá-lo”, partilhou Odete Irina Antoniazzi Saraiva, funcionária da cúria metropolitana de Porto Alegre.

Gaúcho

Ao Vatican News, o arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Scherer, recordou seus momentos no Paraná, onde atuava à época, na diocese de Toledo, e também no Rio Grande Sul: “deixou uma marca muito bonita, por exemplo, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, quando ele se fez de gaúcho, aceitou tomar chimarrão, acompanhou o povo que cantava “úcho úcho, o Papa é gaúcho”. O Papa assumiu em cada região que visitou as características próprias do lugar”.

Um sacrifício pelo êxito da visita

Em Curitiba, o destaque para os relatos do arcebispo emérito, dom Pedro Marchetti Fedalto, no livro “Reminiscências: 90 anos de idade – 50 anos de Bispo”. O Papa esteve na capital paranaense nos dias 5 e 6 de julho, mas um relato curioso remete à preparação da visita, quando os arcebispos que receberiam o Papa reuniram-se no Rio de Janeiro:

“Quero aqui contar o que me aconteceu no Sumaré. Inadvertidamente coloquei-me na sacada do quarto, com cadeira, livro da Liturgia das Horas e caderno do Diário. Em dado momento fechei a janela, que não abre por fora. Era meia-noite. Não quis incomodar ninguém. Passei a noite na cadeira oferecendo o sacrifício para o êxito da visita do Papa. As datas da visita estariam sujeitas a mudanças. Propus que a visita a Curitiba fosse a partir de Porto Alegre e não de São Paulo, porque se houvesse atraso, a distância a Salvador seria menor do que de Porto Alegre. A proposta foi aceita. Curitiba começou a preparar-se para a visita”. 

São João Paulo II e Dom Pedro Fedalto - chegada a Curitiba / Arquivo Arquidiocese de Curitiba

São João Paulo II e Dom Pedro Fedalto – chegada a Curitiba / Arquivo Arquidiocese de Curitiba

O post Na memória da primeira visita de João Paulo II ao Brasil, várias histórias são lembradas apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados