CNBB

Em 180 anos, pela 1ª vez a festa do Pai Eterno acontece sem participação dos fiéis

Pela primeira vez, em 180 anos, a tradicional festa do Divino Pai Eterno, o segundo maior evento religioso do Brasil que atrai mais de 3 milhões de romeiros durante os 10 dias de devoção, acontecerá, este ano, de forma virtual pelos meios de comunicação da Associação Filhos do Pai Eterno, sem a participação dos devotos e presença física dos fiéis. A Festa acontece no período de 26 de junho a 05 de julho. Neste ano celebra-se o Jubileu de 180 anos de origem desta devoção no coração do Brasil.

O anúncio foi feito ainda em maio, no dia 15, após reunião na sede da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), em Trindade. O encontro contou com as presenças do reitor do Santuário Basílica, padre Robson Oliveira, prefeito Jânio Darrot, secretário de Comunicação, Gustavo Queiroz, representantes da Igreja Católica, do Governo de Goiás e das forças de Segurança Pública.

Reitor do Santuário Basílica dedicado ao Pai Eterno, padre Robson Oliveira. Fotos: Afipe

O reitor do Santuário Basílica, padre Robson Oliveira, falou ao portal da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil  (CNBB) sobre qual o significado tem celebrar esta festa com o santuário vazio.

“A devoção ao Pai Eterno completa 180 anos desde a sua origem e, nunca na história, imaginamos que passaríamos por uma situação como esta, de ter que celebrar sem público, com a igreja de portas fechadas e vazia”, disse.

O padre Robson disse que o coração está bastante apertado porque a realidade no dia a dia do santuário e, especialmente, aos finais de semana, é totalmente o contrário. “O normal é sempre ver o Santuário movimentado, repleto de romeiros, que nos trazem alegria e as mais diversas expressões de fé. Porém, em tudo Deus tem um propósito. Por isso, penso que esta seja uma oportunidade de aprendermos a dar mais valor aos verdadeiros tesouros de nossa vida, que são a nossa família, nossos amigos e, principalmente, a nossa unidade e comunhão com Deus”, avaliou.

Para ele, muitas vezes, a correria não permite enxergar a importância da família, dos amigos e da comunhão com Deus. “Sendo obrigados a dar uma pausa – claro que nem todos tem essa opção, como por exemplo as pessoas que trabalham nos serviços essenciais – , temos a chance de olhar para nós mesmos, de perceber as belezas e a grandeza de Deus em nossas vidas. Tenho muita fé e esperança de que, quando tudo isso passar, seremos pessoas melhores, que buscam mais a Deus e que sabem expressar mais o seu amor e a sua gratidão a Deus e aos que fazem parte do nosso convívio”, apontou.

Elo com os devotos

O reitor do Santuário Basílica informou que desde o dia 19 de março, quando saiu o decreto do Estado de Goiás e a orientação da Arquidiocese de Goiânia para a realização de missas sine populo (sem a presença dos fiéis), está sendo feito tudo para que os fiéis se sintam acolhidos e amparados pelo amor do Pai Eterno, em suas casas.

Neste tempo de novo coronavírus, todas as celebrações são realizadas com transmissão pela TV Pai Eterno e também pela internet, por meio de aplicativo, portal e nas redes sociais. Além disso, a TV Pai Eterno, que trabalha 24h por dia, em comunhão com o Santuário Basílica, tem transmitido também um momento de Adoração ao Santíssimo Sacramento, de segunda a sexta, direto do Santuário.

O padre Robson destaca que na TV Pai Eterno, a programação é toda pensada para fomentar a espiritualidade e a fé dos telespectadores que, mesmo em suas casas,”podem sentir a presença de Deus, nosso Pai, e também de Maria Santíssima, nossa Mãe tão querida que olha e intercede por nós a todo momento”.

Programação:
Em dias normais são duas missas diárias, uma às 7h e outra às 19h. No domingo, está programado a Oração do Terço, às 8h, e missas às 9h e 17h30.

 

O post Em 180 anos, pela 1ª vez a festa do Pai Eterno acontece sem participação dos fiéis apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados