CNBB

Mensagem de Páscoa – 2020

Dom José Valdeci Santos Mendes
Bispo de Brejo (MA) 

“Não tenhais medo. Ide e anunciai aos meus irmãos que se dirijam para a Galiléia. Lá eles me verão” (Mt 28,10)

Caríssimos irmãos e irmãs

A Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo permite-nos alimentar a esperança de que a morte não venceu, que os obstáculos, por maiores que sejam não nos derrotarão.

O Cristo Ressuscitado nos fortalece. O Deus de Jesus Cristo, o Nosso Deus, quer nos encorajar, e sua presença também nos dias de hoje, deseja retirar as pedras que nos impedem de viver.

               Estamos passando por tempos difíceis. A pandemia do coronavírus tem levado milhares e milhares de pessoas à morte. Mais de um milhão e meio de infectados nos faz refletir sobre o sepulcro fechado com uma pedra que finda toda e qualquer perspectiva de vida.

               As autoridades de cunho político e religioso subtraíram a vida daquele que trazia a esperança da “vida e vida em abundância”, Jesus Cristo. No sepulcro nos deparamos com a realidade misteriosa da morte: dor, injustiças e sofrimentos! A morte de Jesus deve ser vista também na debilidade de milhões e milhões de descuidados, que são excluídos da sociedade e que são condenados à morte.  A pandemia nos revela de maneira clara esta realidade: periferias desassistidas, sem nenhuma infra estrutura, um sistema dominado pelo poder econômico, potente para produzir armas para as guerras, mas frágil para produzir equipamentos de proteção individual(EPIs). Vivemos numa sociedade que esquece do compromisso com a vida do ser humano e de toda a criação. Basta olhar o avanço do desmatamento. Diante desses desafios somos chamados, homens e mulheres, assim como o “Anjo do Senhor” a retirar as Pedras que nos impedem de viver com dignidade.

               Somos anjos de Deus, quando nos comprometemos com a vida; quando nos empenhamos na luta pela justiça, quando fortalecemos o nosso compromisso com os mais necessitados, quando ajudamos os povos marginalizados a buscar a equidade e o direito. O Deus da vida nos fortalece e nos dar coragem para retirar todas as pedras que anulam a vida. A presença de Deus causa transtorno naqueles que estão a serviço do projeto de morte. “Os guardas ficaram com tanto medo do anjo, que tremeram e ficaram como mortos” (Mt 28,8).

               Não tenhamos medo de irmos ao encontro da realidade, ainda que seja de morte. As mulheres nos ensinam: Maria Madalena e a outra Maria “foram ver o sepulcro”, elas vão ao encontro de uma situação de morte, porém encontram a presença de Deus. “Então o anjo disse às mulheres: não tenhais medo! Sei que procurais Jesus que foi crucificado. Ele não está aqui! Ressuscitou” (Mt 28,5-6). Jesus Ressuscitado dar forças às mulheres para anunciar aos discípulos o grande acontecimento: Jesus não está no sepulcro, Ele está vivo, na Galiléia, lugar dos pobres e marginalizados! As mulheres voltam com medo, mas ao mesmo tempo repletas de alegria. Isso nos faz pensar em todos os profissionais da saúde, a começar pelos os que zelam os hospitais, enfermeiras, médicos; e igualmente todos que prestam serviços essenciais; supomos que existe o medo de serem acometidos pelo coronavirus, mas por outro lado expressam a alegria de contribuir para que vidas sejam salvas, a este respeito temos olhado muitos testemunhos.

               Meus irmãos e irmãs, como discípulos e discípulas, vamos às nossas “galiléias”: aos povos indígenas, às comunidades tradicionais; às periferias das cidades; aos presídios; aos moradores de rua; aos adolescentes e jovens que são empurrados para o mundo das drogas; ao povo da mobilidade humana (povo de circo, ciganos, migrantes e parques) e tantas outras realidades. Como as mulheres, Maria Madalena e outra Maria, ouçamos a Palavra do Cristo Ressuscitado: “Não tenhais medo. Ide e anunciai aos meus irmãos que se dirijam para a Galiléia. Lá eles me verão” (Mt 28,10).

               Em meio a tanto sofrimento e busca intensa pela vida, não obstante às dores físicas emocionais e psíquicas, alegra-nos as experiências de partilha, solidariedade, oração e compromisso com a vida.  “Viu sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34), tudo isso são sinais de Ressurreição. Cuidemos de nossas vidas, cuidemos da vida de nossos irmãos e irmãs. Fique em casa! façamos de nosso lares uma Igreja doméstica, espaço de oração, diálogo e paz.

Deus, fonte da vida que ressuscitou Jesus nos renove na alegria da sua luz e nos abençoe: O Pai e o Filho e o Espírito Santo.

Feliz Páscoa! Saúde e Paz! Fique em casa.

 

Brejo-MA, 11 de abril de 2020

 

O post Mensagem de Páscoa – 2020 apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados