CNBB

Do coração atribulado está perto o Senhor

Dom José Francisco
Arcebispo de Niterói

Queridos irmãos no episcopado, consagradas presentes, irmãos no sacramento da Ordem, irmãos e irmãs pela consagração e pelo Batismo, que nos acompanham de suas casas através das redes sociais.

Hoje, já tivemos a oportunidade de rezar com o Papa Francisco pelo fim dessa pandemia. Recebemos a sua bênção urbi et orbi, para a cidade e para o mundo, e também pudemos receber a graça da indulgência plenária.

Queremos fazer nossas as palavras do Papa Francisco, na missa de hoje: “Nestes dias chegaram notícias de que muita gente começa a se preocupar mais com os outros, pensam nas famílias que não têm o suficiente para viver, nos idosos solitários, nos doentes em hospitais, rezam e buscam fazer chegar alguma ajuda… Esse é um bom sinal. Agradecemos ao Senhor por suscitar esses sentimentos no coração de seus fiéis”.

Agora, reunidos como irmãos e irmãs Regional Leste 1, como irmãos e irmãs do Estado do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira da Quaresma, queremos rezar pela superação dessa pandemia que atinge o nosso mundo.
Temos um Redentor! Temos uma Auxiliadora! Com essa certeza de fé, nós Bispos do Estado do Rio de Janeiro, estamos rezando em comunhão com todo o nosso povo. Agora, cada Bispo do nosso Regional, em sua diocese, está celebrando a Eucaristia e pedindo a Deus Pai, através do sacrifício redentor de Cristo, pelo fim dessa pandemia do coronavírus.

Estamos unidos aos sofrimentos de todos aqueles que estão infectados pelo vírus e aos seus familiares.

Estamos unidos e agradecidos aos profissionais de saúde e a todos os funcionários que estão colaborando para amenizar os sofrimentos nos hospitais.

Estamos unidos e agradecidos a todos aqueles que estão trabalhando em tantos serviços essenciais e colocando sua vida em favor dos irmãos.

Estamos unidos em oração por todos aqueles que estão sofrendo em situações de vulnerabilidade e pobreza, sem condições de viver o isolamento social pedido pelas autoridades sanitárias.

Estamos unidos a todos que em suas casas estão se esforçando por defender e preservar a vida, enfrentando os desafios do estar juntos todo o tempo, com os conflitos que daí podem surgir, mas convivendo em família, rezando em família, e animando os mais sofridos em espírito de comunhão e fé.

Estamos unidos e também rezamos nessa Eucaristia pela saúde de Dom Roberto Guimarães – Bispo emérito de Campos dos Goytacazes – que se encontra hospitalizado.

Temos um Redentor! Temos uma Auxiliadora! Como uma só família do Estado do Rio de Janeiro, queremos acolher a Palavra de Deus. Nesse tempo da Quaresma, somos chamados a seguir os passos de Jesus em direção à Jerusalém, para o cumprimento do seu Mistério Pascal. E os textos do Evangelho, desta semana e da semana que vem, mostram o conflito crescente das autoridades judaicas com Jesus, que vai culminar na sua morte na cruz.

A primeira leitura do livro da Sabedoria, pode ser aplicada a Jesus. Os ímpios, os maus, sentem-se incomodados pelas atitudes dos justos. A luz que irradia das boas obras dos justos, revela a maldade das obras dos ímpios. A vida dos justos torna-se uma censura para os ímpios e, por isso, eles devem ser perseguidos.
O ódio dos ímpios contra os justos começa com ciladas, com armadilhas, passando depois para os insultos, chegando finalmente à condenação à morte. É fácil ver neste texto o rosto de Jesus, o Justo por excelência, que sofre e morre por causa da maldade humana.

Temos um Redentor! Temos uma Auxiliadora! O evangelho nos diz que Jesus andava pela Galileia e evitava andar pela Judeia, porque os judeus queriam matá-lo. Depois que seus parentes foram para a festa das Tendas, Jesus também subiu para Jerusalém, mas em segredo. Lá pelo meio da festa, ele foi ao templo e ensinava. A tensão ia crescendo e alguns se perguntavam: “Não é este a quem procuram matar? Eis que fala em público e nada lhe dizem. Será que as autoridades reconheceram que realmente ele é o Cristo?”

Com uma ironia sutil, Jesus declara que eles não O conhecem, porque para O conhecer verdadeiramente é preciso acreditar que a Sua origem está no Pai e que foi o Pai que O enviou ao mundo. Quem não conhece a origem divina de Jesus não conhece o plano redentor do Pai e não conhece o próprio Deus, que é Pai.

Estas palavras de Jesus irritaram os ouvintes, que desejavam reagir com violência. “Queriam prendê-lo, mas ninguém lhe pôs a mão Nele, porque ainda não tinha chegado a sua hora”. A hora de que nos fala o Evangelho, é a hora da sua entrega total na cruz por amor e pela nossa salvação.

Peçamos a Deus, Pai de bondade, que nos revele sempre mais o rosto de Cristo neste tempo da Quaresma, a fim de que não sejamos cegos como os seus contemporâneos, e que possamos crescer no conhecimento do mistério de sua Pessoa e da revelação de seu infinito amor.

Temos um Redentor! Temos uma Auxiliadora! Nesta Quaresma, dentro de nossas casas, que nossos pés nos levem ao encontro de Jesus. Que nosso coração e nossa alma nos conduzam ao mistério do coração de Jesus. Que, todo nosso ser aspire a comungar com os sentimentos de Jesus. Que nossa oração, unida ao sacrifício de Cristo, alcance-nos a graça de superar essa pandemia.

Temos um Redentor! Temos uma Auxiliadora! Maria, a Senhora Auxiliadora, a primeira que se abriu para acolher o Salvador, interceda a Ele para que nos deixemos alcançar por seu amor e vençamos essa pandemia.

 

O post Do coração atribulado está perto o Senhor apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados