CNBB

O bálsamo do amor e da proximidade

Dom José Gislon
Bispo de Caxias do Sul 

 

No próximo dia 11, celebramos a memória. litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes, e é também o Dia Mundial do Enfermo. Neste ano, a mensagem do Papa Francisco para o XXVIII Dia Mundial do Enfermo  2020 tem como base de reflexão as “palavras ditas por Jesus – «vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu hei de aliviar-vos» (Mt11, 28). São palavras que “indicam o caminho misterioso da graça, que se revela aos simples e revigora os cansados e exaustos”, que são tantos na nossa sociedade. 

Como não ter presente na caridade, na vida de oração e na solidariedade, os enfermos e seus familiaresque vivem cotidianamente o peregrinar pela vida, em busca de atendimento nos postos de saúde e nos hospitais? Uma peregrinação, muitas vezes marcada pela dor física, pelo cansaço, pela falta de recursos econômicos, pelas longas filas e horas de espera para ser atendido, pela resposta “não tem mais vaga”, volte outro diatente agendar outra consulta para daqui a seis mesesQuantas provações na vida deste povo de Deus. Mas tudo issonão é forte o suficiente para esvaziar o coração do nosso querido povo,da fé e da esperança, que o leva a acreditar na vida, mesmo quando ela está fragilizada pela doença, pela falta de recursos e pelo desamparo social. 

A realidade da saúde pública não faz sofrer só a quem precisa dela, mas também afeta a vida dos milhares de funcionários que trabalham nas repartições públicas de saúde, e se deparam cotidianamente com a dor, as necessidades, o desespero e a esperança dos enfermos e seus familiares. Toca o poder público, nos pequenos municípios, porque os governos se deparam com a realidade diante dos olhos e precisam agir. Nos centros maiores, onde estão os grandes hospitais que prestam serviços para as pessoas de vastas regiões, os governantes são envolvidos por realidades que vão além dos confins do próprio município e solicitados, por questões humanitárias, a prestarem ajuda econômica às instituições, para que essas possam continuar prestando serviços as milhares de pessoas que, mesmo tocadas e fragilizadas pela doença, não perderam a esperança. 

No peregrinar da vida, podemos ser tocados por tantas incertezas e provações, mas não devemos deixar apagar a chamada fé no Senhore o amor pela vida, dom de Deus,para podermos manter abertos os olhos do coração à prática da caridade e da solidariedade. Lembrando que “na doença, a pessoa sente comprometida não só a sua integridade física, mas também as várias dimensões da sua vida relacional, intelectiva, afetiva, espiritual; e por isso, além das terapias, espera amparo, solicitude, atenção, que poderíamos resumir numa única palavraamor. Além disso, junto do doente, há uma família que sofre e pede também ela, conforto e proximidade. 

O post O bálsamo do amor e da proximidade apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados