CNBB

Casas de Semente garantem diversificação e soberania alimentar na diocese de Tianguá (CE)

Reunião do projeto com as famílias.

Na diocese de Tianguá (CE), a Cáritas Brasileira e Diocesana, a Fundação Banco do Brasil e a União Europeia contribuem para o fomento de 30 Casas das Sementes, sendo que oito foram construídas e 22 fortalecidas com a compra de equipamentos. O objetivo principal das casas comunitárias de sementes é promover o resgate e a tradição milenar de cultivar, produzir e armazenar sementes crioulas, garantindo a autonomia e a soberania alimentar das famílias.

A partir da existência da Casa das Sementes, foi criada em 2015 a Rede de Intercâmbio de Sementes (RIS) da Região do Ibiopaba (CE), para fortalecer a agricultura camponesa a partir da autonomia, preservação e conservação de sementes crioulas com produção agroecológica. Fazem parte da RIS 30 comunidades de sete municípios cearenses.

A coordenadora da Cáritas Diocesana de Tianguá, Lourdes Camilo, 52 anos, conta sobre o início do trabalho com as casas de sementes. Segundo ela, o trabalho com as sementes crioulas nasceu em 2013 quando a Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA) trabalhou um projeto que tratava de fortalecer o cultivo de sementes crioulas na região.

“Um trabalho que já existia, cada família que está na zona rural já produz alimento e tem o costume de guardar as sementes crioulas para plantio. Isso já vem de uma tradição antiga: o produzir, selecionar e guardar as melhores sementes para o próximo plantio. Mas não era um trabalho realizado de forma organizada. Cada família fazia, guardava individualmente e esse trabalho da Casa das Sementes chegou para ajudar a organizar de forma coletiva”, conta Lourdes.

Com o apoio e fomento financeiro da Cáritas Brasileira, Fundação Banco do Brasil e União Europeia, por meio do Projeto de Fortalecimentos da Economia Solidária no Brasil foram apoiadas diretamente seis Casas das Sementes e também, parte dos recursos foram aplicados para elaborar materiais didáticos bem como para a articulação e fortalecimento da RIS que é composta por 30 Casas das Sementes na região.

A Leia Maria de Jesus Lima, 47 anos, quatro filhos falou sobre sua experiência. “Nós começamos a Casa das Sementes no município de São Benedito, Sitio do Meio do Top, com o apoio da Cáritas da Diocesana e da RIS que nos incentivou a criação. Então começamos com poucos sócios. Iniciamos com 40 sócios. Com o tempo pessoal foi se interessando mais por guardar nossa semente crioula. O incentivo da nossa casa é resgatar aquela semente dos nossos pais, nossos avós guardavam, preservavam para que quando fosse no inverno todos tivessem a semente para plantar. Agora com a implantação das casas de semente estas sementes estão voltando, pois elas estavam sumindo. As variedades de semente eram poucas. Foi aí que surgiu esta ideia de resgatar e cuidar destas sementes então nós somos as guardiãs das sementes”, expressa Leia.

Leia conta que estão organizando Casa das Sementes para que cresça e tenha mais estoque, pois em 2019 o inverno foi muito pesado na região e não conseguiram boa colheita. “Chamamos aqui de seca verde, chove muito, dá o fruto, mas não conseguimos colher porque ele apodrece. Estamos lutando com a pouca variedade que temos”, explica Leia.

Marineide Isaias Souza, 49 anos, 4 filhos, é coordenadora da Casa da Semente do munícipio de São Benedito (CE), no Carnaúba II. Ela conheceu a Casa da Semente em 2015 e, logo começou a participar das reuniões e formações para levar a proposta para sua comunidade. “Meus antepassados, meus avós tinham o costume de guardar as sementes em potes, em latas de querosene ou num paiol. Quando a chuva chegava nós tínhamos a semente”, disse.

Esta prática de armazenamento, segundo ela, se perdeu com o tempo e as famílias passaram a depender de governos. “Com a chegada da Casa da Semente tudo melhorou e voltamos a ter as sementes de qualidade. Com isso, também veio a diversificação do plantio, porque nós só tínhamos o costume de plantar o feijão carioca, feijão sempre verde e o milho e hoje nós temos uma variedade de sementes”, disse.

Hoje ela informa que a Casa de Semente que coordena está resgatando o feijão borboto, o milho dente de cavalo, milho dente chato, a fava branca, a fava pombinha, a fava pintada e muitas outras variedades. “Hoje estamos já estamos com 11 espécies diferentes”, se orgulha.  Ao falar do apoio Cáritas Brasileira, Fundação Banco do Brasil e União Europeia, Marineide diz que além de ter sido essencial para fortalecer os trabalhos do grupo, o investimento foi revertido, também, em formação para os associados.

Com informações de Olga Oliveira e fotos de Virginia Maria Yunes
Saiba mais: http://caritas.org.br

O post Casas de Semente garantem diversificação e soberania alimentar na diocese de Tianguá (CE) apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados