CNBB

O Domingo da Palavra de Deus

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Emérito de Juiz de Fora (MG)

Por vontade do Papa Francisco, à partir de 2020, todo o 3º. Domingo do Tempo Comum será dedicado como Domingo da Palavra de Deus. A palavra de Deus está no cerne da vida do cristão, por meio dela trilhamos o caminho que devemos seguir. É claro que não devemos resumir à leitura da Palavra de Deus, somente aos Domingos na celebração da Santa Eucaristia, mas devemos ler meditá-la todos os dias, ao acordar ou antes de dormir.

Nela está contida a “Lei”, os mandamentos do “amor” que Deus nos deixou para que nós livremente optássemos por seguir. Ali encontramos a Revelação de Deus a humanidade por meio dos profetas, e de que como Deus nos amou de maneira sem igual. Por fim, encontramos na Sagrada Escritura a mais sublime revelação de Deus que se dá em Jesus Cristo, a “Palavra de Deus” que se fez carne, o Verbo Encarnado, que nos veio mostrar de maneira plena tudo aquilo que está contida na Sagrada Escritura. Ele veio dar plenitude a “Lei” que já existia, nos ensinando o caminho do amor até as últimas consequências.

Após a sua morte e ressurreição os discípulos tiveram a “missão” de levar adiante os seus ensinamentos, propagando a Fé e o amor, e assim iniciando o “Cristiano”. Tendo como protagonista dessa missão o Espírito Santo, que de maneira plena Deus o revela por meio de Jesus Cristo em Pentecostes.

A “Palavra de Deus” existe desde antes da criação do Mundo, há milhares de anos, primeiro ela nos veio por meio da “Tradição Oral”, daquilo que os profetas e depois os apóstolos nos transmitiram. Depois chega até nós a “Tradição Escrita”, por meio do Magistério da Igreja, onde a Igreja por meio do Papa e dos Bispos aprovam os textos “Sagrados”, e assim forma-se cânon da Bíblia. Alguém que escreveu por inspiração “Divina”, tudo aquilo que nos foi revelado pelos profetas, por Jesus Cristo e pelos Apóstolos.

A “Palavra de Deus”, se divide em dois Testamentos o Antigo e o Novo. O antigo nos mostra como Deus se revelou a humanidade e como escolheu o “Povo Judeu” para fazer parte da sua aliança. Escolheu Moisés para conduzir esse povo até a terra prometida. Por muito tempo esse povo caminhou no deserto rumo a terra prometida. Esse povo, por vezes era de “cabeça dura” e não compreendia os planos de Deus para a vida deles. Mas

era necessário atravessar o deserto, para poder chegar à liberdade e adentrar a Terra Prometida que eles tanto queriam.

Mas esse povo foi infiel a Lei de Deus, rompeu a aliança que Deus tinha feito com eles, não viviam o amor ao próximo, os que tinham queriam ter sempre mais e os que pouco tinham ficavam sem nada. Era como uma aliança de casamento, Deus permaneceu fiel, mas o povo escolhido por ele foi infiel.

Por isso Deus revela o seu Filho Jesus à humanidade, para que através dele fosse reconstituída a aliança que foi rompida, para que o povo de Deus se arrependesse dos seus pecados e voltasse a por em prática aquilo que foi rompido dos dez mandamentos. Desta maneira Jesus explica de maneira diferente a Lei, sendo plenificada no amor.

Mas muitos não compreenderam que o ensinamento de Jesus era para todos, que a “Salvação” era pra todos sem exceção, para aqueles que de coração sincero se abrissem ao amor de Deus. E Jesus acabou condenado morrendo na Cruz, mas abraçando livremente a “Paixão” por amor a humanidade e que a partir disso todos pudessem ver e crer que realmente ele era o “Filho de Deus”. Desta maneira é selada a aliança de Deus com a humanidade em Jesus Cristo, selada de maneira evidente na Cruz.

O intuito da celebração deste Domingo é nos despertar para aquilo que de fato é a Palavra de Deus: “A verdade revelada”, e que não é apenas um livro qualquer, mas um livro sagrado, que conta a história da humanidade, desde a criação do universo por Deus e depois a Salvação dada em Jesus Cristo através de seu ato de amor na cruz.

Ao celebrar o “Domingo da Palavra de Deus” não celebramos somente para nós católicos, mas toda essa história da Revelação de Deus à humanidade, sobretudo ao povo hebreu. Eles fazem parte dessa história da Sagrada Escritura, eles foram o povo escolhido por Deus. A Bíblia é de maneira clara o livro do da Aliança, uma Aliança de amor que vem de séculos, e que continuará por muitos séculos mais, pois assim como Deus não desistiu do povo hebreu lá atrás ele, também, não desisti nunca de nós.

Celebremos o Domingo da Palavra de Deus com esse intuito ecumênico, de união com aqueles que nos precederam. Meditando assim o amor de Deus por nós revelado nas sagradas escrituras. Que possamos escutar com o coração essas palavras e medita-las no dia a dia. Que a “Palavra de Deus”, seja a guia da nossa vida e por meio dela renovemos a nossa aliança com Deus.

Que Deus nos abençoe e nos guie por meio da Palavra de Deus e possamos ser fiéis ao amor de Deus expresso nas sagradas escrituras e ela seja durante todo esse ano o cerne da nossa vida para nos alimentar espiritualmente. Como acontece na celebração da Eucaristia, primeiro nos alimentamos da Palavra e depois do Corpo de Cristo. Isso nos remete aquilo que o povo judeu já celebrava antigamente, primeiro meditavam sobre a lei de Deus e depois ceavam.

Que este primeiro dia em que celebramos a Palavra de Deus pedida pelo Papa Francisco vamos aprofundar nosso estudo e a nossa partilha dos ensinamentos divinos, principalmente, o da caridade. Portanto, que ela seja a fonte de inspiração para a nossa vida e procuremos vive-la no nosso dia a dia. Sobretudo amando aqueles que estão próximos a nós.

 

O post O Domingo da Palavra de Deus apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados