CNBB

Confia no Senhor

Dom Adelar Baruffi
Bispo Diocesano de Cruz Alta

“A esperança dos pobres jamais se frustrará” (Sl 9,15). Os cristãos são portadores desta esperança muitas vezes perdida, “que a fé consegue gravar no coração dos mais pobres”. Esta é a centralidade da mensagem do Santo Padre para o III Dia Mundial dos Pobres, que é celebrado no dia 17 de novembro. Quando, em 2016, Francisco instituiu o Ano da Misericórdia, recordando-nos das obras de misericórdia espirituais e corporais, veio, na verdade, sublinhar o ponto central de nossa fé: Deus é misericórdia. Sua misericórdia é universal e integral. A missão da Igreja não é somente salvar a alma, mas oferecer a todos o dom, como puro presente de Deus na missão do Filho (cf. Lc 4,14-20), da salvação integral, a partir dos mais pobres. Como ele viveu e nos ensina no evangelho, os mais sofridos, os pobres, tem um olhar de predileção de Deus. “A condição dos pobres obriga a não se afastar do Corpo do Senhor que sofre neles. Antes, pelo contrário, somos chamados a tocar a sua carne para nos comprometermos em primeira pessoa num serviço que é autêntica evangelização. A promoção, mesmo social, dos pobres não é um compromisso extrínseco ao anúncio do Evangelho; pelo contrário, manifesta o realismo da fé cristã e a sua validade histórica. (Mensagem do Santo Padre para o III Dia Mundial dos Pobres, n. 5).

A Mensagem de Francisco é clara: “Não é possível jamais iludir o premente apelo que a Sagrada Escritura confia aos pobres. Para onde quer que se volte o olhar, a Palavra de Deus indica que os pobres são todos aqueles que, não tendo o necessário para viver, dependem dos outros. São o oprimido, o humilde, aquele que está prostrado por terra. Mas, perante esta multidão inumerável de indigentes, Jesus não teve medo de Se identificar com cada um deles: «Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim mesmo o fizestes» (Mt 25, 40)” (n. 5). A Sagrada Escritura fala de um Pai generoso, que protege, defende, salva os sofredores. Um pobre não poderá jamais encontrar um Deus silencioso e indiferente diante de sua condição existencial e de sua oração de súplica. De fato, o salmista afirma que o pobre “confia no Senhor” (Sl 9,11), pois tem uma relação de proximidade com Ele, sabe que nunca será abandonado.

Mas recordemos que o modo como os cristãos se fazem próximos dos pobres não tem a ver com ideologias, de esquerda ou de direita. Infelizmente há também os que querem se aproveitar desta intenção evangélica para outros interesses, embora a antropologia não esteja de acordo com o evangelho de Cristo, repito, nem as de esquerda e nem as de direita. Isto não impede que se tenha missões em comum, visto que o mais importante é que sejam atendidos e promovidos. A pessoa é sempre prioridade. A aproximação pode ser por causa de uma situação material ou de um serviço de promoção social, mas o que, de fato precisam, “ultrapassa a sopa quente ou o sanduíche que oferecemos. Os pobres precisam das nossas mãos para se reerguer, dos nossos corações para sentir de novo o calor do afeto, da nossa presença para superar a solidão. Precisam simplesmente de amor…” (n. 8). Antes de tudo, necessitam, como todo ser humano, de Deus, que se manifesta no amor do serviço gratuito, sem nenhum outro interesse! O cuidado espiritual é a primeira caridade que devemos fazer, pois nela estará a força para que confiem no Senhor (cf. Sl 9,11).

Com alegria e sem medo de preconceitos e polarizações políticas, continuemos o anúncio do evangelho de Cristo. Com o coração feliz, convido nossos diocesanos a se aproximarem ainda mais das realidades de pobreza. E são tantas: desemprego e fome, pobreza de fé, jovens sem sentido para viver, encarcerados, violência familiar e social, idosos abandonados, saúde precária, agressões ao meio ambiente…

O post Confia no Senhor apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados