CNBB

Dia das Crianças: o cuidado integral com a vida dos pequenos e sinais de esperança em um mundo competitivo

Neste sábado, 12 de outubro, a Igreja no Brasil celebra a festa de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. Além disso, a data marca também o Dia das Crianças, aqueles pequenos e pequenas que nascem com a missão se ser o futuro.

O Dia das Crianças, não é só uma data para celebrar brincadeiras com os pequenos e distribuir presentes, é também um dia para lembrar a importância do cuidado que se deve ter  com o desenvolvimento integral das crianças, pois elas precisam de amor, carinho, presença, atenção e cuidado para se desenvolver de maneira saudável, como explica o médico pediatra neonatologista e professor da UNICAMP, José Martins Filho, em entrevista ao portal da Pastoral da Criança.

Foto: Bigstock

“A criança precisa, principalmente, de amor, afeto, carinho, atenção, respeito, presença e família unida. O afeto e o amor são necessários e a criança precisa saber que é amada através de atitudes, tem que levar a criança para passear, para ver coisas bonitas, levar nas orações, abraçar, tudo isso é fundamental”.

O bispo de Rio Grande e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, dom Ricardo Hoepers, ressalta que talvez o maior desafio aos pais, hoje em dia, é permitir que as crianças tenham um tempo para “ser crianças”.

Dom Ricardo Hoepers | Foto: CNBB/Daniel Flores

“A sociedade do cansaço, segundo escreve o filósofo coreano Byung-Chul Han, é a que exige um excesso de desempenho e de positividade que nada pode dar errado. “No mundo competitivo, pensam os pais, o meu filho tem que ser o melhor”. E para alcançar esse intento colocam as crianças para desempenharem, desde a tenra idade, uma agenda de compromissos que os escraviza e impõe uma carga pesada sobre seus ombrinhos ainda frágeis, em fase de crescimento”.

Dom Ricardo faz um pedido aos pais que revejam suas vidas e de seus filhos, e permitam-se momentos de convivência como pais e filhos, como família que ama e permite-se amar, que brinca e permite-se brincar, que curte e permite-se curtir e que saiba dizer NÃO à uma sociedade do espetáculo que só vislumbra uma falsa perfeição, criando a fantasia de que o filho ideal tem que ser sempre melhor que os outros: ter mais inteligência, ter mais capacidades, ter mais talento, ter coisas que os outros não tem. Segundo o bispo, essa criança vai sofrer muito quando isso não se realizar, vai cansar rápido, cansaço do ter… Então vemos muito bullying, muita depressão e muita falta de “ser criança” nas nossas crianças.

“Os melhores remédios ainda estão na família, onde o tempo que damos aos filhos é o maior presente que eles podem desejar. Onde o “ter” não é o mais importante e sim, o estar junto, o estar unidos, o “ser valorizado” mesmo nas diferenças. Caros pais e mães, lembrem-se, dia 12 é o dia das crianças, e não aquilo que vocês querem impor à elas: deixem as crianças serem crianças, e amanhã serão adultos responsáveis porque não precisarão viver mais tarde o que não foi permitido no tempo certo”, indica dom Ricardo.

Foto: Pastoral da Criança

A temática da criança é trabalhada na Igreja em diversas perspectivas: catequese, pastoral da criança, do menor e infância e adolescência missionária. Além disso, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), tem em seu quadro a Comissão Especial de Proteção da Criança e Adolescente e faz parte da Mesa Bice Brasil, que reúne onze organizações religiosas que tem a missão e compromisso com a dignidade, promoção, defesa e garantia dos direitos da criança e do adolescente no Brasil.

Inclusive, no dia 28 de junho, o bispo auxiliar do Rio de Janeiro (RJ) e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado, assinou a renovação do acordo de cooperação pela dignidade e direitos das crianças e adolescentes brasileiros.

A proteção dos menores tem sido uma das prioridades do papado de Francisco. “A tutela dos menores e das pessoas vulneráveis faz parte integrante da mensagem evangélica que a Igreja e todos os seus membros são chamados a difundir no mundo”. Assim inicia o Motu Proprio (documento) do Papa Francisco sobre a proteção dos menores e das pessoas vulneráveis dentro da Cúria Romana e no Estado da Cidade do Vaticano, publicado pelo Vatican News, em 29 de março de 2019.

Já no campo da espiritualidade. Será que é fundamental nutrir espiritualidade nas crianças?  A Vera Leal Ferreira, da fundação Arigatô Internacional e da Rede Global de Religiões pela Criança, GNRC, responsável pelo Programas de Educação Ética para as Crianças, Vera Leal Ferreira, em entrevista ao Programa de Rádio Viva a Vida da Pastoral da Criança falou sobre o assunto. 

“Espiritualidade é algo único que cada criança vive de forma muito diferente. A espiritualidade pode ser vivida no contexto da nossa religião, pode ser vivida quando vamos na igreja, num templo. Essa espiritualidade vai além da religião e é algo que se pode ter em qualquer lugar. Nós dizemos que a espiritualidade é nata, significa que já nasce com a criança, vem desde o ventre materno”, disse Vera.

A iniciação das crianças na Igreja se dá pelo Batismo. Mas, é na catequese que elas são inseridas na vivência da fé e dão início a uma jornada cristã. Por isso a importância da espiritualidade começar a ser introduzida para os pequenos ainda na infância.

Outro segmento da Igreja que atua com a criançada são os de grupos como a Infância e Adolescência Missionária (IAM) que tem como finalidade suscitar o espírito missionário universal nas crianças, desenvolvendo lhes o protagonismo na solidariedade e na evangelização e, por meio delas, em todo o Povo de Deus: São crianças em favor de outras crianças.

O post Dia das Crianças: o cuidado integral com a vida dos pequenos e sinais de esperança em um mundo competitivo apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados