CNBB

A presença do Espírito Santo no batismo cristão a partir do evangelho e do pensamento patrístico.

Dom Vital Corbellini
Bispo de Marabá (PA)

 

A missão do Espírito Santo no batismo cristão é muito importante de ser analisada porque é evangélica, e recebeu uma consideração no pensamento patrístico pelo fato de possibilitar unidade em Cristo e no Pai. A pessoa torna-se criatura nova, pelo Espírito Santo. Desenvolveu-se uma doutrina pneumatológica nos santos padres, os primeiros teólogos do cristianismo, na qual se fundamentaram sobre os textos do batismo de Jesus e da pregação de João Batista. Assim como o Espírito desceu sobre Jesus ao momento do seu batismo no Rio Jordão, assim também descia o Espírito Santo sobre os catecúmenos que vinham batizados, era desta forma que se expressava São João Crisóstomo, bispo dos séculos IV e V. Já Novaciano, escritor cristão do século III dizia que com o batismo, o ser humano, mediante o Espírito, renasce a uma nova vida. O Espírito Santo faz o segundo nascimento das águas: é a semente da linhagem divina e aquele que consagra o nascimento celeste, penhor da hereditária promessa e alusão à salvação eterna. Ele nos torna templo de Deus e sua habitação, porque está nos nossos corpos como autor de santidade. Agindo assim em nós faz avançar os nossos corpos para a ressurreição da imortalidade.

São Cirilo de Jerusalém, Bispo do século IV, falava que o ser humano pelo batismo, torna-se participante da mesma vida do Cristo Jesus. Batizados em Cristo e revestidos dele, tornamo-nos conformes ao Filho de Deus. Predestinados na adoção de filhos unamo-nos ao corpo glorioso de Cristo. Somos ungidos no Senhor, recebemos o sigilo do Espírito Santo e tudo sobre nós cumpriu-se em imagem, porque somos imagens de Cristo Jesus. Ele, pois, após ter sido batizado no Jordão e comunicou às águas o perfume de sua divindade, saiu e o Espírito Santo desceu pessoalmente sobre Ele, pousando semelhante sobre o semelhante. São Cirilo se dirigia aos que receberam o batismo, a crisma e tudo culminava com a eucaristia na noite santa. Ele afirmava também a eles, o valor do batismo, pois quando saíram da piscina, das sagradas fontes, conferiu-se a crisma, no qual é figura daquele que ungiu o Cristo, isto é o Espírito Santo. Por isso mesmo, falava o profeta Isaias, na pessoa de Cristo pela sua profecia: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção, enviou-me para levar à boa noticia aos pobres (Is 6,2).

Os padres da Igreja, sobretudo São Jerônimo, Padre da Igreja dos séculos IV e V, tinham presentes que Jesus Cristo recebeu no Jordão o Espírito Santo de modo perfeito, porque é Deus e livre do pecado, enquanto nós recebemos com o batismo em modo parcial. O Espírito Santo sob forma de pomba, após o Senhor ter sido batizado, veio e permaneceu sobre Ele, habitando em Cristo plenamente e totalmente, não de uma forma pequena ou numa parte, mas o recebeu copiosamente com superabundância, para que os outros pudessem obter dele todo e qualquer benefício, porque permanece em Cristo, a fonte de todo o Espírito Santo, sabendo que o Espírito Santo habita nele de uma forma abundante.

Os padres da Igreja também afirmavam que o Espírito Santo desceu sobre os discípulos no dia de Pentecostes e deu a eles o poder de iniciar a todos os povos à vida e de ensinar a boa nova de Jesus Cristo e de sua Igreja. Assim desceu sobre os cristãos concedendo-lhes o dom do batismo. Santo Ireneu de Lião, Bispo do século II e III, dizia que Pentecostes fez o Espírito descer sobre os discípulos dando-lhes o poder da vida e transmitir um ensinamento novo para os povos que vinha de Jesus Cristo. Assim em sintonia com todas as línguas, cantavam a Deus um hino de louvor e o Espírito conduzia à unidade os povos dispersos e apresentava ao Pai a primazia de todas as nações. Desta forma o Senhor que prometera de enviar o Paráclito, nos unirá um dia a Deus. Os nossos corpos com o banho do batismo receberam a unidade que os torna incorruptíveis, e as nossas almas receberam o Espírito Santo.

Tertuliano, padre da Igreja dos séculos II e III, dizia que o Espírito Santo é dado aos fieis mediante a imposição das mãos, como unção para o combate do mal, como hereditariedade paterna, como a luz mediante a qual conhecemos o Cristo e o Pai. Os cristãos por obra sua tornam-se todos irmãos e irmãos em Cristo Jesus.

Percebemos a importância do Espírito Santo no batismo, pois Ele nos dá a unidade em Cristo Jesus e com o Pai, Deus Uno e Trino. Vivamos a alegria do batismo na nossa existência, realidade, pois ele nos encaminha para a missão de sermos discípulas, missionárias, discípulas, missionárias de Jesus Cristo e de sua Igreja. A visão dos padres coloca-nos o Espírito Santo como o iluminador para viver bem a vocação na qual o Senhor nos chamou um dia para a vida natural, mas também para a vida sacerdotal, religiosa, matrimonial ou laical e um dia, a divina. Vivamos com alegria e amor a presença do Espírito Santo em nossa vida de batizados com Cristo em unidade com o Pai.

 

O post A presença do Espírito Santo no batismo cristão a partir do evangelho e do pensamento patrístico. apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Artigos relacionados