Cardeal Hummes: “Igreja não quer promover na Amazônia uma nova nação”

No contexto do processo do Sínodo para a Amazônia, convocado pelo papa Francisco para outubro deste ano, o arcebispo emérito de São Paulo (SP) e presidente da Comissão Episcopal Especial para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Cláudio Hummes, afastou alguns temores que poderiam se manifestar em relação à assembleia sinodal. Sua exposição aconteceu no Conselho Permanente de novembro de 2018.

Após revelar a felicidade com o interesse que muitas pessoas, ainda naquela época, já manifestavam em relação ao Sínodo, que deve apontar “novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”, dom Cláudio buscou tranquilizar aqueles que ainda estavam confusos sobre a proposta do Sínodo.

“Há certos temores, até do Estado, da política brasileira e dos outros países. Mas ali não precisa ter temor nenhum, porque a Igreja não está querendo de forma nenhuma promover ali uma nova nação, um novo país, não. A Igreja fica como está, mas temos que saber trabalhar e estarmos interligados, respeitando as diferenças”, afirmou em entrevista.

 

Dom Cláudio retomou aos bispos o papel da Conferência Episcopal no cumprimento de etapas anteriores à assembleia, como a função de sintetizar os materiais de escutas das dioceses que serão enviados à Santa Sé para que o Conselho Sinodal elabore o texto de trabalho que os bispos utilizarão no encontro, em Roma, no mês de outubro.

Outro apontamento de dom Cláudio foi sobre o “novo sujeito eclesial” que nasce neste contexto do sínodo. Para a localidade, a Pan-Amazônia, este “novo sujeito eclesial”, o papa Francisco quer oferecer “um projeto de pastoral de conjunto e missionário específico”.

Neste sentido, ao contrário da criação de um novo país na região da Pan-Amazônia, ou de uma nova conferência episcopal, há a proposta pastoral, ou seja, de atuação da Igreja. Assim, o que até agora era definido em âmbito nacional pela CNBB, dará lugar a um projeto que envolve outras conferências episcopais, dos outros países da região (Bolívia, Colômbia, Peru, Equador, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa, que é um território francês).

“A CNBB, aqui no Brasil, digamos, não terá toda essa responsabilidade de definir a pastoral porque terá um outro plano de pastoral de conjunto, como a Conferência de Aparecida (2007) disse que, ‘para a Pan-Amazônia, é necessário encontrar um plano de pastoral de conjunto diferenciado’. Agora está se apresentando isso”, explica.

É uma descentralização que acontece e um trabalho em conjunto, que se expressa na atuação da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), também presidida por dom Cláudio. O cardeal destaca a positividade nesta “descentralização”: “Como o que o papa diz, nós precisamos dar responsabilidades locais, regionais e não centralizar tudo, porque a centralização ajuda de uma certa forma, mas pode inibir qualquer criatividade e diferenças, que muitas vezes não são trabalhadas em uma conferência nacional”.

O convite, neste contexto de busca por novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral, é para apoio e trabalho em conjunto. “É claro que sempre fará parte da CNBB a nossa Amazônia, mesmo com um próprio plano de pastoral que inclui também outras conferências. Mas é preciso procurar entender isso e ver não como alguma coisa que atrapalha. Não. É um passo avante que nos ajuda a sermos Igreja que aceita as diferenças e a diversidade”.

 

O post Cardeal Hummes: “Igreja não quer promover na Amazônia uma nova nação” apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.