Atual presidência da CNBB faz destaques do trabalho no último quadriênio e se despede do trabalho à frente da entidade

Na penúltima Coletiva de Imprensa nesta quinta-feira, 9 de maio, a atual presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), composta pelo cardeal Sergio da Rocha, presidente, dom Murilo Krieger, vice-presidente e dom Leonardo Steiner, secretário-geral, apresentaram um balanço do trabalho desenvolvido no último quadriênio 2015-2019, destacaram os elementos chaves da 57ª Assembleia Geral e da Mensagem ao Povo Brasileiro, divulgada dia 7 de maio.

O arcebispo de Brasília, cardeal Sergio da Rocha, procurou retomar o caminho percorrido sem “fazer um resumo”, ressaltando apenas os aspectos mais importantes. O cardeal disse que a atual presidência procurou respeitar e valorizar todas as intâncias da CNBB (Conselhos Permanente e Episcopal Pastoral, Regionais e as Assembleias). “Sempre quando a presidência se pronuncia ou encaminha algo, o faz respeitando todas estas instâncias”, disse.

No quadriênio, detalhou o presidente, foram emitidas 50 mensagens, notas e declarações da CNBB sobre aspectos da realidade socio e política do Brasil. A Palavra de Deus e a Doutrina Social da Igreja, ressaltou o cardeal Sérgio, são sempre as duas fontes de referência para escrever as mensagens. “A CNBB não é um partido político como muitos dizem. Ela se manifesta sempre à luz de suas fontes. Frente à realidade, ela busca cumprir a sua missão de ser profética”, disse.

O presidente destacou também as publicações realizadas no período, como a tradução oficial da Bíblia da CNBB que será usada como referências pelas comunidades católicas de todo o país e os documentos do Concílio Vaticano II.

O diálogo foi outro ponto bastante incentivado pela atual presidência da CNBB, segundo seu presidente, tanto no interior da Igreja do Brasil buscando a comunhão entre os pastores quanto com o Sucessor de Pedro, o papa Francisco, e a Curia Romana. A atual presidência foi à roma para as visitas anuais nos últimos quatro anos tanto para a visita à Santa Sé quanto aos Dicastérios onde apresentaram a caminhada da Igreja e ouviram as orientações do Santo Padre.

No Brasil, segundo o cardeal Sergio, a atual presidência buscou manter uma relação respeitosa de diálogo com os três poderes (com visitas ao Congresso Nacional, aos presidentes da República e ao Supremo Tribunal Federal) e também com a sociedade civil organizada (OAB, movimentos sociais, sindicatos).

Outros aspectos destacados pelo presidente foram as iniciativas de serviço e solidariedade que Igreja no Brasil e da CNBB mantém com o Haiti, a Guiné Busseau, o Timor Leste, acolhida dos Venezuelanos e a Moçambique. Ao final, o cardeal destacou ainda as reformas do prédio sede da CNBB, em Brasília (DF), do Colégio Pio Brasileiro em Roma e a construçao de um prédio sede da editora da entidade, em Brasília.

57ª Assembleia Geral – Coube, na coletiva de imprensa, ao atual vice-presidente da CNBB, dom Murilo Krieger, arcebispo de Salvador (BA), falar sobre os encaminhamentos centrais da 57ª Assembleia Geral da CNBB, realizada em Aparecida (SP) de 1º a 10 de maio. Ele destacou, em primeiro plano, as novas diretrizes aprovadas a partir das quais cada Igreja particular fará seu plano de trabalho para os próximos anos. “As diretrizes nos fazem ter um olhar mais atento para a realidade urbana”, disse.

Dom Murilo destacou ainda a convivência e a espiritualidade vivenciada pelos bispos nos 10 dias. Segundo ele, os bispos, depois da convivência, voltam para casa fortalecidos e tranquilos. “A assembleia é uma Escola de fraternidade e um painel sobre a Igreja no mundo e no Brasil. O bispo que perde esses dias aqui dificilmente recupera esta riqueza”, disse.

Mensagem ao povo de Deus – O secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, em referência à Mensagem da CNBB ao Povo de Deus, divulgada no último dia 7 de maio, disse que o texto mantém a coerência com os temas e pronunciamentos das notas da presidência nos últimos anos: ética, corrupção e violência.

O secretário-geral deu ênfase também à necessidade de a Igreja no Brasil promover debate em torno das propostas de reformas (previdência e tributária) na ótica do que coloca a mensagem: “que os pobres não sejam os  mais prejudicados”. Ele reforçou que os bispos do Brasil demonstram, na mensagem, preocupação com os povos originários (indígenas e quilombolas) que têm seus direitos ameaçados.

Ao final da coletiva, ele agradeceu ao trabalho dos jornalistas e dos veículos de comunicação de inspiração católica pelo serviço de cobertura da Assembleia e também da CNBB. Dom Leonardo agradeceu também ao trabalho da Assessoria de Imprensa da entidade.

O post Atual presidência da CNBB faz destaques do trabalho no último quadriênio e se despede do trabalho à frente da entidade apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.