As apreensões do papa Francisco

Dom Demétrio Valentini
Bispo Emérito de Jales

Por ocasião do Natal, é costume o Papa enviar uma mensagem especial, endereçada a todo o mundo. Em vista da grande abrangência de destinatários, leva o nome de Mensagem “Urbi et Orbi”. Vale dizer: “para a cidade (Roma) e para o mundo”.

Os assuntos abordados nesta mensagem acabam compondo um panorama mundial das tensões existentes hoje, e que mais merecem nossa atenção.

A primeira situação problemática lembrada pelo Papa se refere ao interminável conflito entre Israel e Palestinos. Diz o Papa, textualmente:

“Permita a Israelitas e Palestinenses retomar o diálogo e abrir um caminho de paz que ponha fim a um conflito que, há mais de setenta anos, dilacera a Terra escolhida pelo Senhor para nos mostrar o seu rosto de amor”

O fato de lembrar em primeiro lugar o conflito entre judeus e palestinos mostra a gravidade, e a complexidade desta questão. É o conflito mais antigo que persiste no mundo, anterior à criação do Estado de Israel em 1948, e traz as marcas de persistentes tensões culturais, políticas e religiosas, que vêm de séculos.

Para dar-nos conta da complexidade desta questão é preciso ter sensibilidade política e conhecimento histórico.

Chama a atenção a superficialidade com que é tratada esta questão, por parte da atual diplomacia brasileira, como se esta questão não tivesse consistência política. Colocar em risco o equilibrado relacionamento diplomático do Brasil com Israel e os Palestinos seria um lamentável equívoco.

A segunda apreensão do Papa é em referência à guerra na Síria“O Menino Jesus permita, à amada e atormentada Síria, reencontrar a fraternidade depois destes longos anos de guerra. Que a Comunidade Internacional trabalhe com decisão para uma solução política que anule as divisões e os interesses das partes, de modo que o povo sírio, especialmente aqueles que tiveram de deixar as suas terras e buscar refúgio noutro lugar, possa voltar a viver em paz na sua pátria”.

A terceira situação lembrada é referente ao Iemen: “Penso no Iémen com a esperança de que a trégua mediada pela Comunidade Internacional possa, finalmente, levar alívio a tantas crianças e às populações exaustas pela guerra e a carestia”.

Em seguida manifesta suas apreensões sobre o inteiro continente da Africa: “Penso na África, onde há milhões de pessoas refugiadas ou deslocadas e precisam de assistência humanitária e segurança alimentar”.

O Papa não esquece a CoréiaO Natal robusteça os vínculos fraternos que unem a península coreana e consinta de prosseguir no caminho de aproximação empreendido para se chegar a soluções compartilhadas que a todos assegurem progresso e bem-estar.

Lembra em seguida a Venezuela, com sua complicada crise:

Este tempo de bênção permita à Venezuela reencontrar a concórdia e, a todos os componentes da sociedade, trabalhar fraternalmente para o desenvolvimento do país e prestar assistência aos setores mais vulneráveis da população.

Menciona a situação da Ucrânia: “O Senhor recém-nascido leve alívio à amada Ucrânia, ansiosa por reaver uma paz duradoura, que tarda a chegar.

Cita a Nicarágua, desejando que não prevaleçam as divisões e discórdias, mas todos trabalhem para favorecer a reconciliação e, juntos, construir o futuro do país.

O Papa Francisco nos dá seu valioso testemunho, de ter uma visão do mundo impregnada de apreensões, mas ao mesmo tempo de esperança que a mensagem de Cristo seja um ponto de partida para a superação dos conflitos, e para a consolidação da paz mundial.

 

O post As apreensões do papa Francisco apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.