Arriscar a vida no seguimento do Bom Pastor

Dom Adelar Baruffi
Bispo de Cruz Alta    

 

A espiritualidade pascal nos faz contemplar Jesus, o Bom Pastor, neste IV Domingo da Páscoa, o Dia Mundial de Oração pela Vocações. Nosso Papa escreveu  uma provocadora carta intitulada “A coragem de arriscar pela promessa de Deus”. A imagem bíblica de Jesus Bom Pastor (cf. Jo 10,1-18) sempre foi muito estimada pelos cristãos, sendo já representada nas catacumbas romanas. Contudo, depois de vinte séculos, permanece viva a convicção de que para ser Igreja de Jesus é preciso escutar a sua voz e seguir os seus passos. Aqui está o essencial. A Igreja é constituída por discípulos, com uma relação muito próxima com Ele, visto que num mundo de tantos ruídos e palavras, “as minhas ovelhas escutam a minha voz” (Jo 10, 27). É preciso treinar nossa escuta para relativizar as mensagens que não vem da Galileia. Ele merece crédito porque “conhece” que temos um nome, uma história e nada do que é nosso lhe é indiferente. Mas o grande diferencial é que o Bom Pastor dá “a vida eterna” (Jo 10,28). O amor tem seu cume em dar a vida, amando até o fim. Assim, o cristão é aquele que segue os passos de Jesus (cf. Jo 10,27) e confia nele.

A providência divina reserva surpresas àquele que permite que tenha um espaço na sua vida. O seguimento de Cristo alarga e ilumina o horizonte da vida, e pede “a coragem de arriscar com ele e por Ele”. Deste modo nascem todas as vocações, sobretudo à vida consagrada e sacerdotal. A proposta de Cristo é sempre generosa e comprometedora, pede um comprometimento apaixonado e, como Cristo, um amor maior capaz de dar a vida. Assim diz o Papa em sua Carta: “O chamado do Senhor não é uma ingerência de Deus na nossa liberdade; não é uma «jaula» ou um peso que nos é colocado às costas. Pelo contrário, é a iniciativa amorosa com que Deus vem ao nosso encontro e nos convida a entrar num grande projeto, do qual nos quer tornar participantes, apresentando-nos o horizonte dum mar mais amplo e duma pesca superabundante”

Contudo, é preciso a coragem para arriscar a vida por um grande ideal. “O Senhor não quer que nos resignemos a viver o dia a dia, pensando que afinal de contas não há nada por que valha a pena comprometer-se apaixonadamente”, continua afirmando Francisco. O Bom Pastor quer que o sigamos “pelo caminho que Ele pensou para nós, para a nossa felicidade e para o bem daqueles que nos rodeiam”. E quem dá a segurança? Como será o futuro? Nossa segurança sempre é a Palavra daquele que chama e envia. Ele nunca abandona os que convida para uma grande missão.

Queremos, como Diocese de Cruz Alta, aproximar-se dos jovens e, com eles, fazer um caminho de discernimento vocacional que os ajude, a partir do encontro com Jesus Cristo, a construir seu projeto de vida, a descobrir a vontade de Deus sobre suas vidas. Neste momento em que sentimos nosso presbitério menor do que a demanda da missão evangelizadora, precisamos intensificar nossos esforços de oração e acompanhamento vocacional. Aproximemo-nos de cada jovem como fez Jesus diante do jovem rico: “Olhou-o com amor” (Mc 10,21). Convido mais uma vez a assumirmos juntos o projeto “Cada comunidade uma nova vocação”. Com nosso Papa dizemos, com convicção: “não há alegria maior do que arriscar a vida pelo Senhor!” (Mensagem para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações, 2019).

Hoje, nossos parabéns a todas as mães pelo vosso dia. Alegramo-nos, festejamos e oramos por vocês. A melhor palavra que temos a vos dizer é MUITO OBRIGADO. Deus vos abençoe.

 

O post Arriscar a vida no seguimento do Bom Pastor apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.