Arquidiocese de Salvador

Catequistas, um serviço com raízes antigas voltado para o futuro

Em 1944, em plena Segunda Guerra Mundial, Pio XII publicou a encíclica Mystici Corporis dedicada à Igreja Corpo Místico de Cristo. Em uma passagem, depois de lembrar que os Padres da Igreja “quando celebram os ministérios, graus, profissões, estados, ordens e deveres deste órgão” também têm em mente os leigos e os leigos casados, o Pontífice acrescentou: “Sobretudo nas atuais circunstâncias, os pais e as mães de família, os padrinhos e madrinhas, e notadamente todos os seculares que prestam o seu auxílio à hierarquia eclesiástica na dilatação do reino de Cristo, ocupam um posto honorífico, embora muitas vezes humilde, na sociedade cristã, e podem muito bem sob a inspiração e com o favor de Deus subir aos vértices da santidade, que por promessa de Jesus Cristo nunca faltará na Igreja”.

A decisão de Francisco de instituir o ministério de catequista, que segue a abertura às mulheres dos ministérios do leitorado e do acolitado coloca-se no caminho já intuído pelo Papa Pacelli: especialmente em nosso tempo, a tarefa de testemunhar e transmitir a fé às novas gerações é uma tarefa para “os pais e mães de família”. Já ao longo dos séculos e ainda hoje em vários países, na ausência de sacerdotes, a fé tem sido mantida viva graças aos pais e mães e aos catequistas que passaram e muitas vezes sacrificaram suas vidas por isso. Hoje, no entanto, o envolvimento, o reconhecimento e a plena valorização dos leigos é uma urgência e muitas vezes uma necessidade nas sociedades secularizadas.

O Motu Proprio Antiquum Ministerium parte do Decreto do Conselho Ad Gentes, no qual os Padres do Vaticano II afirmavam: “É digno de elogio aquele exército com tantos méritos na obra das missões entre pagãos, o exército dos catequistas, homens e mulheres, que, cheios do espírito apostólico, prestam com grandes trabalhos uma ajuda singular e absolutamente necessária à expansão da fé e da Igreja. Hoje em dia, em razão da escassez de clero para evangelizar tão grandes multidões e exercer o ministério pastoral, o ofício dos catequistas tem muitíssima importância.”. Uma consciência que cresceu nos anos seguintes e culminou com a Carta Apostólica Evangelii nuntiandi de Paulo VI.

A criação de novos ministérios laicais para responder às novas necessidades também foi discutida no recente Sínodo sobre a Amazônia, lembrando em particular o Motu proprio Ministeria quaedam, o documento com o qual o Papa Paulo VI em 1972 reformou os ministérios na Igreja. Na perspectiva que emergiu do Concílio, dos Sínodos, evidenciada no Magistério dos Sucessores de Pedro e em particular pelo atual Bispo de Roma, os leigos não são, portanto, chamados a realizar apenas um trabalho de suplência, porque há falta de vocações para o sacerdócio. Não é uma questão de suplência, mas de plena e reconhecida ação, envolvimento e co-responsabilidade: sua presença é verdadeiramente necessária para que a Igreja seja comunhão e seja missionária.

A instituição de um ministério pela Igreja torna evidente que a pessoa investida com esse carisma está realizando um autêntico serviço eclesial à comunidade cristã para o crescimento de sua vida e para seu testemunho de fé. A instituição de um ministério laical não se destina, portanto, a “clericalizar” a pessoa leiga. É de se esperar que este passo adicional ajude a contrariar aquele retorno do clericalismo tantas vezes denunciado publicamente por Francisco que, recordando-nos muitas vezes do papel do santo povo de Deus, o papel das avós e das mães na transmissão da fé, atualiza as palavras de Pio XII sobre os “pais e mães da família, padrinhos e madrinhas de batismo” chamados a expandir o “reino do Divino Redentor”.

Fonte: Andrea Tornielli – Vatican News


Fonte: Noticias da Arquidiocese de Salvador

Artigos relacionados