Aprender com o ressuscitado

Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre


Épocas de questionamentos, de crise e de tensões representam oportunidade privilegiada para resgatar o que verdadeiramente importa. Isso vale de modo particular para a comunidade eclesial, após as celebrações do Tríduo Pascal, quando se celebrava a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo.

Após a Solenidade da Páscoa, durante cinquenta dias, a Igreja se empenha por acolher a Boa Nova que sempre provoca admiração e questionamentos: a vida venceu a morte; o amor é mais forte que a morte. É oportunidade para resgatar o vigor que movia as primeiras testemunhas do Ressuscitado a compartilhar com quem se deparavam a experiência do encontro com o Senhor.

O encontro com o Senhor transformou a vida não só de alguns homens simples no início do primeiro milênio da Era Cristã, mas de uma miríade de mulheres e homens que ao longo da história até os dias atuais, se constituíram em propagadores dos dons messiânicos de sua Páscoa: a alegria, o perdão no Espírito, a força de testemunhar sua presença atuante, sua paz.

A experiência de se sentir amado por Jesus Cristo transformou radicalmente o modo de ser, a visão e o registro de homens e mulheres ao longo dos séculos.

O amor cristão é capaz de produzir uma transformação tal no ser humano, que todas as coisas, acontecimentos e pessoas são vistos numa luz de profundidade, capaz de mudar o sentido e o destino da própria existência humana.

A experiência do amor cristão implica amar ao modo de Deus, isto é, sem reservas e sem medidas preestabelecidas. Ele “faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz chover sobre os justos e injustos” (Mt 5,48); manda amar os inimigos e orar pelos que nos perseguem (Mt 5,44). Trata-se de um fazer e, portanto, de um fazer a ser aprendido: “aprendei de mim” (Mt 15, 29), diz Jesus.

Aprender é próprio do discípulo. O discípulo de Jesus está decidido a se deixar trabalhar pela força divina – que é amor! – e a colaborar com ela, ou seja, a cumprir em tudo a vontade do Pai, como fez Jesus Cristo. Tal disposição requer discernimento e conversão. Tal atitude é característica do homem sábio que escuta a Palavra e a põe em prática, e não diz apenas, Senhor (cf. Mt 7,21).

O post Aprender com o ressuscitado apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.