Acertar na vida

Dom Adelar Baruffi
Bispo de Cruz Alta

 

Ao nos alegrarmos com o testemunho feliz de uma vida matrimonial, sacerdotal ou consagrada, questionamo-nos sobre o que está na base de uma vocação acertada. O que não pode faltar na hora de perguntar-se e decidir sobre um caminho vocacional? A crise vocacional que estamos vivendo não tem uma única causa. É complexa, passando pelo contexto cultural e, também, pelo testemunho dos pais, dos padres e das consagradas. Não me refiro somente à vocação sacerdotal e religiosa, mas também à preocupante diminuição da busca pelo sacramento do matrimônio e do alto índice de casamentos que acabam em separações. Algumas causas são comuns.

O primeiro pressuposto é antropológico, humano. O ser humano não pode se compreender como voltado sobre si, narcisisticamente. À medida que vai passando da adolescência para a maturidade, o olhar e o projeto de vida abrem-se num horizonte de serviço, de doação de si. Somos frutos do antropocentrismo moderno e o momento atual só tem acentuado esta maneira de ver a vida. Superar o individualismo é uma condição essencial para poder viver qualquer vocação. A pessoa humanamente adulta projeta sua vida a partir de duas características básicas: a alteridade e a gratuidade. Quando o eu for a medida de tudo, o ser humano estará doente, imaturo. A sociedade atual está produzindo pessoas humanas intolerantes a qualquer adversidade e frustração. Esta também é uma causa do conhecido fenômeno do esgotamento psíquico crônico, de quem não consegue dar conta das exigências que faz a si mesmo ou da pressão social que pesa sobre esta pessoa. O “eu” não pode ser o centro.

O segundo pressuposto, para nós cristãos, é colocamo-nos num caminho de maturidade da fé. Crescimento humano e vida de fé andam juntos. Estabelecer uma relação dialógica com Deus, em Jesus Cristo, que manifesta seu amor por nós: “Antes que te formasses no ventre de tua mãe, eu já te conhecia” (Jr 1,5), foi a experiência do profeta Jeremias. A fé é resultado da visita de Deus em nossa vida, pedindo um espaço de acolhida. Na fé formamos uma comunhão invisível com todos os irmãos e irmãs, na Igreja.  Trata-se, então, de uma questão que ultrapassa o mensurável. Faz-nos perceber que não se trata, primeiramente, de um querer pessoal, de uma resposta à pergunta sobre o que me fará feliz, mas da acolhida e da resposta generosa, com suas provações, a uma pro-vocação de Deus e da realidade que nos cerca. Esta certeza não nasce repentinamente, mas é fruto de um colocar-se diante de Jesus Cristo e sua Palavra. A partir deste encontro, sempre vivo, é possível conhecer-se melhor e, como Maria dizer: “Faça-se em mim segundo a tua Palavra” (Lc 1, 38). A autorrealização será uma consequência não buscada em primeiro lugar. Com certeza, não passará pela lógica do sucesso econômico e profissional a qualquer custo. Então, podemos ajudar nossos jovens a buscarem um caminho que lhes ofereça sentido para a vida a partir da fé e acompanhá-los na sua decisão, tanto matrimonial como à vida consagrada e sacerdotal.

Porém, uma vida feliz será sempre com doação e serviço. É preciso ter a coragem de arriscar, de partir, de não ter tudo claro e já programado antecipadamente. A fé é uma luz que ilumina o caminho à medida que o projeto de vida vai sendo vivido. Sem a entrega pessoal, no sentido que Jesus nos ensinou de “deixar tudo e me seguir” (cf. Mc 10,28), haverá mais atenção sobre si do que sobre a missão a realizar. A doação de si será o pressuposto para a vivência acertada e feliz da vocação, mesmo que os frutos não sejam logo colhidos, pois existe muita alegria nos detalhes simples do cotidiano da vida.

O post Acertar na vida apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.