A Semana Santa nas plataformas digitais

Dom Edson Oriolo
Bispo da Diocese de Leopoldina (MG)

A crise sanitária Covid-19 começou no Brasil em 26 de fevereiro de 2020, quando os jornalistas comentavam sobre o primeiro caso de coronavírus em São Paulo. O paciente era um homem de 61 anos que viajara à Itália e, ao retornar, deu entrada no Hospital Albert Einstein com os sintomas de Covid-19. Hoje, em nível mundial, o Brasil é o epicentro dessa crise com variantes, quantidade de infectados e um número expressivo de mortes. Estamos sofrendo consequências dessa crise a mais de um ano e, pela segunda vez, atinge o período em que a Comunidade Eclesial faz memória e vivencia as razões e os fundamentos de sua fé. Interferindo nas justas solenidades da semana maior.

A semana santa é um ciclo em que a Igreja nos propõe para recordar os últimos momentos históricos de Jesus de Nazaré. É o período de encontro com Cristo ressuscitado através das celebrações litúrgicas. Somos alimentados pela Palavra e fortificados pela graça da presença dos irmãos e renovados no sentido de comunidade. A celebração do mistério pascal em sua globalidade, sem fragmentações, é um momento de reconciliação com o Pai e, pela ação da Igreja, com os irmãos e consigo mesmo. É, portanto, um momento que nos permite uma assimilação mais radical do evangelho acompanhada da inserção na comunidade paroquial ou comunidade eclesial missionária. Isso nos estimula a um renovado e coerente testemunho de Cristo ressuscitado em nós. Nesse sentido, apesar das restrições que a pandemia nos impõe, façamos um tempo de recolhimento, interiorização e abertura do coração para Deus.

Essas duas situações tão concretas em relação a nossa fé: de um lado, a crise sanitária Covid 19 e, do outro, a dimensão teológica da semana santa, chamam-nos para uma “transposição pastoral”. Vivenciar a “Palavra de Deus” e o “Mistério Pascal” através da banca digital devido ao isolamento social com seus protocolos sanitários e, em alguns casos, o lockdown. Nada de show business! A virtualização litúrgica da Palavra de Deus e do Mistério Pascal é um desafio pastoral!

Tal desafio é como se nós, sacerdotes e paroquianos, estivéssemos velejando por mares tempestuosos com águas agitadas em relação à vida paroquial e ao nosso ser comunidade eclesial-missionária. Pois, as circunstâncias mostram-se difíceis de se ter um discernimento sereno. Muitos matraqueiam-se sobre os confusos protocolos da União, dos Estados e dos Munícipios mais levados por saber quem tem o poder de fechar ou abrir os espaços celebrativos. Outros, imbuídos talvez de boa vontade, atacam as autoridades competentes com discursos acusatórios, tentam encontrar caminhos para levar o povo de Deus à experiência de Encontro com Cristo. Porém, a crise, as dificuldades, as dores, os sofrimentos, embora continuem trazendo situações terríveis em nossas vidas, constituem um chamado à solidariedade. Se não podemos perder a esperança em dias melhores, Jesus nos ensina a dizer: “vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” (Mt 11,28).

No entanto, nessa crise sanitária Covid 19, somos chamados a virtualização litúrgica da Palavra de Deus e do Mistério Pascal. Temos que nos preocupar com o rito da Celebração Eucarística: Liturgia da Palavra e a Liturgia Eucarística que serão os eixos das nossas liturgias.

Na Liturgia da Palavra temos que valorizar o anúncio do mistério da Cruz onde contemplamos o Crucificado. A homilia, portanto, tem que focar esse mistério querigmático: Anunciamos o Cristo crucificado, para poder dar destaque ao fato de que Cristo Ressuscitado venceu a morte e todos os suplícios que levam a morte.

É deste modo que saberemos ajudar os fiéis a aplicar a palavra encarnada de Deus em sua vida. Na virtualidade do meio, a homilia deve ser clara e objetivamente catequética, respeitando o tempo e o espaço virtual.

Outro aspecto do desafio é o momento eucarístico. Na Sacramentum Caritatis, o papa mostra que, em toda a estrutura da celebração da Santa Missa, é a oração eucarística que cabe o papel central e o mais elevado. Ela é o veículo pelo qual o memorial eucarístico é atualizado, sendo, portanto, “o ponto central e culminante de toda celebração” (48). Na celebração eucarística transmitem-se o corpo e sangue de Cristo e que, mesmo virtualmente, comungamos espiritualmente para dar graças à bondade e à misericórdia divinas, aclamando a Trindade pelos benefícios dos dons da Criação, pelo caminho de obediência ao Pai mostrado pelo Filho Jesus e que pela “doxologia final” lembra a presença atuante dos dons do Espirito Santo cuja frutificação é parte integrante da missão de todo fiel.

São João Paulo II, na encíclica Ecclesia de Eucharistia, fez questão de recordar que a celebração eucarística nunca é propriedade do sacerdote ou da comunidade, lembrando ainda o grande sofrimento causado aos fiéis por abusos introduzidos na celebração da missa. A observância das normas litúrgicas é uma expressão fundamental do amor a Cristo e a Igreja.

O papa Emérito Bento XVI incentiva os fiéis que se encontram numa situação em que não podem receber a santa comunhão a cultivar “o desejo da plena comunhão com Cristo, por exemplo, através da prática da comunhão espiritual, recordada por São João Paulo II e recomentada por santos mestres da vida espiritual (Sacramentum Caritatis,55).

São João Paulo II fala franca e abertamente de abusos traduzidos na celebração da Sagrada Eucaristia por “um ambíguo sentido de criatividade e adaptação” (EdE, 52). E acrescenta: “a ninguém é permitido aviltar o mistério confiado às nossas mãos: é demasiado grande para que alguém possa permitir-se tratá-lo segundo o próprio livre arbítrio, não respeitando o seu caráter sagrado nem a sua dimensão universal” (EdE, 52).

Finalmente, nessa “virtualização litúrgica” e “transposição pastoral” (do real para virtual), vamos levar as pessoas a rezarem e fazer a experiência cristã de Deus; ter um coração aberto às realidades virtuais e crescer na mística, pois é por meio das crises que se abrem portas, de uma hora para outra, para crescermos na riqueza da Palavra de Deus e do Mistério Pascal.

Referências Bibliográficas:

–  Encíclica Ecclesia de Eucharistia promulgada no dia 17 de abril de 2003 pelo Papa São João Paulo II-
–  Exortação Apostólica Pós-Sinodal Sacramentum Caritatis publicada em 22 de fevereiro de 2007 pelo Papa Bento XVI
Ação Pastoral na dinâmica do Novo Normal – Edições CNBB


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.