A presença do Espírito Santo no batismo cristão a partir do evangelho e do pensamento patrístico.

Dom Vital Corbellini
Bispo de Marabá (PA)

 

A missão do Espírito Santo no batismo cristão é muito importante de ser analisada porque é evangélica, e recebeu uma consideração no pensamento patrístico pelo fato de possibilitar unidade em Cristo e no Pai. A pessoa torna-se criatura nova, pelo Espírito Santo. Desenvolveu-se uma doutrina pneumatológica nos santos padres, os primeiros teólogos do cristianismo, na qual se fundamentaram sobre os textos do batismo de Jesus e da pregação de João Batista. Assim como o Espírito desceu sobre Jesus ao momento do seu batismo no Rio Jordão, assim também descia o Espírito Santo sobre os catecúmenos que vinham batizados, era desta forma que se expressava São João Crisóstomo, bispo dos séculos IV e V. Já Novaciano, escritor cristão do século III dizia que com o batismo, o ser humano, mediante o Espírito, renasce a uma nova vida. O Espírito Santo faz o segundo nascimento das águas: é a semente da linhagem divina e aquele que consagra o nascimento celeste, penhor da hereditária promessa e alusão à salvação eterna. Ele nos torna templo de Deus e sua habitação, porque está nos nossos corpos como autor de santidade. Agindo assim em nós faz avançar os nossos corpos para a ressurreição da imortalidade.

São Cirilo de Jerusalém, Bispo do século IV, falava que o ser humano pelo batismo, torna-se participante da mesma vida do Cristo Jesus. Batizados em Cristo e revestidos dele, tornamo-nos conformes ao Filho de Deus. Predestinados na adoção de filhos unamo-nos ao corpo glorioso de Cristo. Somos ungidos no Senhor, recebemos o sigilo do Espírito Santo e tudo sobre nós cumpriu-se em imagem, porque somos imagens de Cristo Jesus. Ele, pois, após ter sido batizado no Jordão e comunicou às águas o perfume de sua divindade, saiu e o Espírito Santo desceu pessoalmente sobre Ele, pousando semelhante sobre o semelhante. São Cirilo se dirigia aos que receberam o batismo, a crisma e tudo culminava com a eucaristia na noite santa. Ele afirmava também a eles, o valor do batismo, pois quando saíram da piscina, das sagradas fontes, conferiu-se a crisma, no qual é figura daquele que ungiu o Cristo, isto é o Espírito Santo. Por isso mesmo, falava o profeta Isaias, na pessoa de Cristo pela sua profecia: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção, enviou-me para levar à boa noticia aos pobres (Is 6,2).

Os padres da Igreja, sobretudo São Jerônimo, Padre da Igreja dos séculos IV e V, tinham presentes que Jesus Cristo recebeu no Jordão o Espírito Santo de modo perfeito, porque é Deus e livre do pecado, enquanto nós recebemos com o batismo em modo parcial. O Espírito Santo sob forma de pomba, após o Senhor ter sido batizado, veio e permaneceu sobre Ele, habitando em Cristo plenamente e totalmente, não de uma forma pequena ou numa parte, mas o recebeu copiosamente com superabundância, para que os outros pudessem obter dele todo e qualquer benefício, porque permanece em Cristo, a fonte de todo o Espírito Santo, sabendo que o Espírito Santo habita nele de uma forma abundante.

Os padres da Igreja também afirmavam que o Espírito Santo desceu sobre os discípulos no dia de Pentecostes e deu a eles o poder de iniciar a todos os povos à vida e de ensinar a boa nova de Jesus Cristo e de sua Igreja. Assim desceu sobre os cristãos concedendo-lhes o dom do batismo. Santo Ireneu de Lião, Bispo do século II e III, dizia que Pentecostes fez o Espírito descer sobre os discípulos dando-lhes o poder da vida e transmitir um ensinamento novo para os povos que vinha de Jesus Cristo. Assim em sintonia com todas as línguas, cantavam a Deus um hino de louvor e o Espírito conduzia à unidade os povos dispersos e apresentava ao Pai a primazia de todas as nações. Desta forma o Senhor que prometera de enviar o Paráclito, nos unirá um dia a Deus. Os nossos corpos com o banho do batismo receberam a unidade que os torna incorruptíveis, e as nossas almas receberam o Espírito Santo.

Tertuliano, padre da Igreja dos séculos II e III, dizia que o Espírito Santo é dado aos fieis mediante a imposição das mãos, como unção para o combate do mal, como hereditariedade paterna, como a luz mediante a qual conhecemos o Cristo e o Pai. Os cristãos por obra sua tornam-se todos irmãos e irmãos em Cristo Jesus.

Percebemos a importância do Espírito Santo no batismo, pois Ele nos dá a unidade em Cristo Jesus e com o Pai, Deus Uno e Trino. Vivamos a alegria do batismo na nossa existência, realidade, pois ele nos encaminha para a missão de sermos discípulas, missionárias, discípulas, missionárias de Jesus Cristo e de sua Igreja. A visão dos padres coloca-nos o Espírito Santo como o iluminador para viver bem a vocação na qual o Senhor nos chamou um dia para a vida natural, mas também para a vida sacerdotal, religiosa, matrimonial ou laical e um dia, a divina. Vivamos com alegria e amor a presença do Espírito Santo em nossa vida de batizados com Cristo em unidade com o Pai.

 

O post A presença do Espírito Santo no batismo cristão a partir do evangelho e do pensamento patrístico. apareceu primeiro em CNBB.


Fonte: Noticias da CNBB

Rede Excelsior de Comunicação

Leve a rádio sempre com você
Baixe nosso aplicativo

Some description text for this item

receba novidades por email
Assine a nossa newsletter

Some description text for this item

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.