Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Cultura

Ipac revalida título de Patrimônio Imaterial da festa de Santa Bárbara

Ipac revalida título de Patrimônio Imaterial da festa de Santa Bárbara

A devoção e Festa de Santa Bárbara, que acontece há 376 anos, sempre no dia 4 de dezembro, no Centro Antigo de Salvador, está revalidada pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac). Isso significa que a manifestação continuará com o título de Patrimônio Imaterial da Bahia por mais cinco anos. “Em obediência à Lei n°8.895/2003 e ao Decreto Estadual nº10.039/2006 que regulamenta a lei, a cada cinco anos, nos dispomos a reavaliar e revalidar os patrimônios imateriais baianos titulados via decreto do governador”, explica o diretor geral do Ipac, João Carlos de Oliveira. Ele lembra que as manifestações populares são um bem imaterial de um povo que preserva sua cultura e reforça sua identidade. “No entanto, ao contrário dos bens materiais, como edificações e obras de arte, o bem imaterial é dinâmico, vivo e está em constante transformação”, diz. As modificações podem ser em função das gerações que produzem ao longo dos anos ou por motivos econômico-financeiros, de geografia humana e contingenciamentos externos. “Além de atendermos a lei, observamos se ocorrem interferências externas que possam alterar a tradição”, completa João Carlos. Antropólogos, sociólogos, historiadores e fotógrafos, vinham trabalhando com extenso conteúdo captado durantes as festas de 2015 e 2016. “O percurso da fé continua o mesmo, com mesmas características que mantêm viva a tradição e a devoção, iguais ao ano de 2008, quando o Instituto construiu o dossiê que permitiu o título de bem cultural intangível”, diz o diretor de Preservação do Patrimônio do Ipac, Roberto Pellegrino. Confira mais informações no site do Ipac.
Osba estreia Ciclo Brahms com apresentação gratuita

Osba estreia Ciclo Brahms com apresentação gratuita

Com a missão e o desafio de executar, ao longo desta nova temporada, as quatro sinfonias do compositor alemão Johannes Brahms, a Orquestra Sinfônica da Bahia (Osba) vive um novo momento com a estreia do seu “Ciclo Brahms” nesta sexta-feira (25), às 19h, no Museu de Arte Sacra, no centro de Salvador. A regência é do maestro Carlos Prazeres e a apresentação terá como solista o músico Francisco Roa, violinista chileno que faz parte desta nova safra de músicos que passaram a integrar a Osba a partir do mês de agosto. O concerto tem entrada gratuita, sujeita a lotação do espaço. O público interessado no evento poderá utilizar o estacionamento gratuito localizado ao lado do Museu. O grande destaque do programa é a Sinfonia nº 4 em Mi menor, Op. 98, do compositor alemão Johannes Brahms (1833-1897). Completam o repertório os Romances nº1 e nº2, do compositor alemão Ludwig van Beethoven (1770-1827). As composições de Beethoven contam com os solos do violinista chileno Francisco Roa, novo Chefe de Naipe dos segundos violinos da Orquestra Sinfônica da Bahia.